quarta-feira, 7 de setembro de 2016



 
Fé é palavra que significa "confiança", "crença", "credibilidade". A fé é um sentimento de total de crença em algo ou alguém, ainda que não haja nenhum tipo de evidência que comprove a veracidade da proposição em causa.    

Ter fé implica uma atitude contrária à dúvida e está intimamente ligada à confiança. Em algumas situações, como problemas emocionais ou físicos, ter fé significa ter esperança de algo vai mudar de forma positiva, para melhor.




A fé é a "crença cega" em algo ou alguém, sem nenhuma explicação voltada a razão. Por que a fé é invariavelmente uma experiência intima e pessoal, que ao contrario de ser explicada, só pode ser "sentida".

A fé vai além da compreensão humana. É algo indizível, inexplicável. Trata-se de uma súbita certeza, uma incontestável paz na verdade interior.

De acordo com a etimologia, a palavra fé tem origem no Grego "pistia" que indica a noção de acreditar e no Latim "fides", que remete para uma atitude de fidelidade.

Fé seria a adesão de forma incondicional a uma hipótese que a pessoa passa a considerar como sendo uma verdade, sem qualquer tipo de prova ou critério objetivo de verificação, pela absoluta confiança que se deposita nesta ideia ou fonte de transmissão. 



A fé acompanha absoluta abstinência de dúvida pelo antagonismo inerente à natureza destes fenômenos psicológicos e da lógica conceitual. Ou seja, é impossível duvidar e ter fé ao mesmo tempo. 

A primeira coisa a se dizer sobre a fé é que ela é muito mais do que crer. Dizer que a fé é somente crer é torná-la algo superficial demais.



Fé é a coragem de acreditar (sem qualquer desconfiança), em algo que nos foi prometido e ainda não vemos, mas que esperamos, baseados na Fidelidade da Palavra que nos foi dada.

Fé é a esperança certa. A convicção embasada no sentir além da razão, mas ao alcance de nossa percepção mais íntima. 



É possível nutrir um sentimento de fé em relação a um pessoa, um objeto inanimado, uma ideologia, um pensamento filosófico, um sistema qualquer, um conjunto de regras, um paradigma popular social e historicamente instituído, uma base de propostas ou dogmas de uma determinada religião. 


Tal sentimento não se sustenta em evidências, provas ou entendimento racional e, portanto, alegações baseadas em fé não são reconhecidas pela comunidade científica como parâmetro legítimo de reconhecimento ou avaliação da verdade de um postulado.



No contexto religioso, a fé é uma virtude daqueles que aceitam como verdade absoluta os princípios difundidos por sua religião. Ter fé em Deus é acreditar na sua existência e na sua onisciência. A fé é também sinônimo de religião ou culto. 

No hebraico a palavra fé quer dizer: confirmar aquilo que está escrito, se tratando de fé, seria vivermos conforme está escrito na Bíblia Sagrada, é você crer na veracidade e infalibilidade da Bíblia, é obedecer aos seus ensinamentos.





Para religiões que se baseiam em crenças, a fé também quer dizer que alguém aceita as visões dessa religião como verdadeiras. Para religiões que não se baseiam em credos, por outro lado, significa que alguém é leal para com uma determinada comunidade religiosa. 

Algumas vezes, fé significa compromisso numa relação com Deus. Nesse caso, a palavra é usada no sentido de fidelidade. Tal compromisso não precisa ser cego ou submisso e pode ser baseado em evidências de carácter pessoal. Outras vezes esse compromisso pode ser forçado, ou seja, imposto por uma determinada comunidade ou pela família do indivíduo, por exemplo.

Para muitos judeus, por exemplo, o Talmud mostra um compromisso cauteloso entre Deus e os israelitas. Para muitas pessoas, a fé, ou falta dela, é uma parte importante das suas identidades.



Muitos religiosos racionalistas, assim como pessoas não-religiosas, criticam a fé, apontando-a como irracional. Para eles, o credo deve ser restrito ao que é diretamente demonstrado por lógica ou evidência, tornando inapropriado o uso da fé como um bom guia. 

Apesar das críticas, seu uso como justificativa é bastante comum em discussões religiosas, principalmente quando o crente esgota todas as explicações racionais para sustentar a sua crença. 



Independente do uso que damos a palavra fé, esse conceito deve antes de mais nada ser LIBERTADOR. Fé é a liberdade de acreditar e seguir suas crenças pessoais e não às impostas por terceiros. Para ter fé é preciso ser tocado, é preciso escutar sua voz interior, sentir o coração pulsar numa certeza inconteste. 


A fé consciente é liberdade.
A fé instintiva é escravidão.
A fé mecânica é loucura.
A esperança consciente é força.
A esperança emocional é covardia.
A esperança mecânica é doença.
O amor consciente desperta o amor. 
O amor emocional desperta o inesperado.
O amor mecânico desperta o ódio. 



Paulo Coelho



Nenhum comentário:

Postar um comentário