terça-feira, 14 de junho de 2016

INTOLERÂNCIA



Historicamente, a intolerância está presente na esfera das relações humanas fundadas em sentimentos e crenças. 

Intolerância é uma atitude mental caracterizada pela falta de capacidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças em crenças e opiniões.



Num sentido político e social, intolerância é a incapacidade de aceitar pessoas com pontos-de-vista, valores, crenças ou culturas diferentes. 

A intolerância pode estar baseada no preconceito, podendo levar à discriminação. Formas comuns de intolerância incluem ações discriminatórias de controle social, como racismo, sexismo, antissemitismo , homofobia, intolerância religiosa e intolerância política. 


"A intolerância é “uma atitude de ódio sistemático e de agressividade irracional com relação a indivíduos e grupos específicos, à sua maneira de ser, a seu estilo de vida e às suas crenças e convicções”. Trata-se de uma forma de pensar e agir que “se atualiza em manifestações múltiplas, de caráter religioso, nacional, racial, étnico e outros”.  - Sergio Paulo Rouanet



A forma mais eficaz de tentar definir a intolerância é a palavra "desrespeito". 

"Nenhuma ação, atitude, crença, comportamento, ideologia, que não seja igual a minha, ou que reflita o que eu acredito, deve ser tolerada."

É uma prática que se autojustifica em nome de suas crenças; daí nasce o ódio, o desprezo, e a violência contra tudo e todos que sejam simplesmente diferentes de suas convicções internas. 

Como são formadas essas convicções? Não resta dúvida, que algumas religiões fomentam essa intolerância.


José Saramago (2001) denominou este ódio recíproco fundado em valores religiosos como “O Fator Deus”:


“De algo sempre haveremos de morrer, mas já se perdeu a conta aos seres humanos mortos das piores maneiras que seres humanos foram capazes de inventar. Uma delas, a mais criminosa, a mais absurda, a que mais ofende a simples razão, é aquela que, desde o princípio dos tempos e das civilizações, tem mandado matar em nome de Deus”.

As sociedades humanas passaram por transformações substanciais, mas estas não extinguiram o preconceito, nem a intolerância. O aumento dos crimes de ódio motivados por raça, cor, crença religiosa, ascendência, gênero, opção sexual e origem étnica, demonstra que a intolerância assola nosso planeta, como uma epidemia cultural e social, quase impossível de ser contida.


Segundo Leonardo Boff: "A tolerância é capacidade de manter, positivamente, a coexistência difícil e tensa de dois pólos, sabendo que eles se opõem mas que compõem a mesma e única realidade dinâmica. Impõe-se optar pelo pólo luminoso e manter sob controle o sombrio. 
O risco permanente é a intolerância. Ela reduz a realidade, pois assume apenas um pólo e nega o outro. Coage a todos a assumir o seu pólo e a anula o outro. O fundamentalismo e o dogmatismo tornam absoluta a sua verdade. Assim eles se condenam à intolerância e passam a não reconhecer e a respeitar a verdade do outro. O primeiro que fazem é suprimir a liberdade de opinião, o pluralismo e impôr o pensamento único."


A ignorância é a força motriz que leva a intolerância. Quanto menos acesso a população tem à informação, conhecimento, cultura, mais fácil fica a manipulação por parte de políticos, religiosos, guros etc.

Os homens e mulheres preferem o pão (segurança) à liberdade. Eis o argumento do grande inquisidor. O ser humano está disposto a sacrificar a liberdade em nome da segurança, e, para que esta prevaleça, aceita todos os meios – ainda que estes contradigam a própria noção de civilização do mundo ocidental. 

No Brasil, não é diferente. Impactado pelas transformações em âmbito mundial, carregamos ainda a triste realidade de uma dívida social, herança da nossa formação histórica e das políticas econômicas adotadas pelos diferentes governos. 


À desigualdade social que espalha-se em nossa sociedade, soma-se a discriminação racial e o preconceito de classe.  

O abismo da desigualdade social se amplia e as esperanças são renovadas a cada governo. Em tais condições, o preconceito e a intolerância, aberto ou dissimulado, tende também a perdurar. 

À intolerância religiosa soma-se a intolerância política, cultural, étnica e sexual. A inquisição está presente no cotidiano dos indivíduos: no âmbito do espaço domestico, nos locais do trabalho, nos espaços públicos e privados. 


Ela assume formas sutis de violência simbólica e manifestações extremadas de ódio, envolvendo todas as esferas das relações humanas. 

Um estudo feito entre estudantes no Brasil e divulgado pelo jornal O Estado de São Paulo no início de 2010 revelou que – reproduzimos aqui um trecho da reportagem – “99,3% dos entrevistados têm algum tipo de preconceito e que mais de 80% gostariam de manter algum nível de distanciamento social de portadores de necessidades especiais, homossexuais, pobres e negros. Do total, 96,5% têm preconceito em relação a pessoas com deficiência e 94,2% na questão racial”. A mesma pesquisa demonstrou que “pelo menos 10% dos alunos relataram ter conhecimento de situações em que alunos, professores ou funcionários foram humilhados, agredidos ou acusados injustamente apenas por fazer parte de algum grupo social discriminado, ações conhecidas como bullying. A maior parte (19%) foi motivada pelo fato de o aluno ser negro. Em segundo lugar (18,2%) aparecem os pobres e depois a homossexualidade (17,4%). No caso dos professores, o bullying é mais associado ao fato de ser idoso (8,9%). Entre funcionários, o maior fator para ser vítima de algum tipo de violência verbal ou física é a pobreza (7,9%)”.

A intolerância é, portanto, uma das formas de opressão de indivíduos em geral fragilizados por sua condição econômica, cultural, étnica, sexual e até mesmo por fatores etários. Muitas vezes nos surpreendemos ao descobrir a nossa própria intolerância.

A construção de uma sociedade fundada em valores que fortaleçam a tolerância mútua  exige o estudo das formas de intolerância e das suas manifestações concretas, aliado à denúncia e combate a todos os tipos de intolerância. 









Fontes:
http://www.espacoacademico.com.br/037/37pol.htm
https://leonardoboff.wordpress.com/2015/01/22/a-intolerancia-no-brasil-atual-e-no-mundo/
http://geoblog-geoblog.blogspot.com.br/2008/01/intolerncia-cultural-uma-atitude-errada.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Intoler%C3%A2ncia






6 comentários:

  1. Respostas
    1. SEJA BEM VINDA! AMIGA VANIA CORREIA.

      NOSSOS ABRAÇOS

      Excluir
  2. Adoro a tua maneira de escrever.
    Se puderes passa no meu blog para me ajudares a crescer! Eu mantenho um registo informal e muito humoristico!

    http://blackheavenwhitehell.blogspot.pt/

    Beijinhos de Portugal! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja Bem Vinda, amiga Ana Oliveira!

      Agradecemos a sua amável presença e convite , vamos lhe visitar com certeza!

      Nossos abraços de Portugal e Brasil \0/ \0/

      Excluir
  3. Ótimo materia, compartilharei na minha pagina do Facebook e google+

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá blogdotadeu , seja bem vindo!

      Nossos agradecimentos pela sua presença e pelo compartilhar, unidos, somos capazes de construir uma nova realidade...sociedade fundada em valores que fortalecem a tolerância múltua!

      Nossos Abraços

      Excluir