quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Cientistas dizem ter evidências de um novo planeta no Sistema Solar



Desde o rebaixamento de Plutão, o Sistema Solar passou a não ter mais nove, e sim oito planetas. 

No entanto, a suposta existência de um novo planeta gigante pode fazer com que o número volte ao que antes se tinha como real.

O planeta número 9 pode estar entre nós - e, dessa vez, parece que é para valer. 

Em um estudo publicado no Astronomical Journal, cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech, na sigla em inglês) dizem ter encontrado "evidências sólidas" de que mais um planeta deve fazer  parte da configuração atual do Sistema Solar. Um nono planeta, com órbita estranhamente alongada para esse tipo de corpo celeste, na periferia do Sistema Solar.

Evidência encontrada é a órbita estranhamente alongada para esse tipo de corpo celeste

A alegação é a mais forte ainda na busca secular para um "Planeta X" além de Netuno. 

A busca tem sido atormentada por reivindicações rebuscadas e até mesmo charlatanismos sem rodeios. Mas a nova evidência vem de um par de cientistas planetários respeitados, Konstantin Batygin e Mike Brown, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em Pasadena, que se prepararam para o inevitável ceticismo com análises detalhadas das órbitas de outros objetos distantes e meses com simulações de computador. 

Mike Brown

"Se você diz,  'Temos provas para o Planeta X', quase qualquer astrônomo vai dizer, 'De novo isto'? 'Esses caras são claramente loucos'! ", disse Brown. "Por que esse é diferente? Esse é diferente porque desta vez estamos certos. "

Ele teria 10 vezes mais massa massa que a Terra e, provavelmente, é coberto de gelo, pedras e gás. 

O planeta ainda não foi encontrado, mas telescópios em pelos menos dois continentes estão vasculhando o espaço à sua procura. 

O nono planeta ficaria entre 32 e 160 bilhões de quilômetros de distância do Sol (mais longe do que Plutão, cuja órbita fica a quase 6 bilhões).

O principal indício da existência do planeta é uma observação de muitos astrônomos: seis pequenos corpos no espaço em uma órbita altamente elíptica. 


Segundo os pesquisadores, o que surpreende é que as órbitas de todos os seis são inclinadas em um ângulo muito parecido, e estão no mesmo quadrante do Sistema Solar. 

As chances de isso acontecer por "coincidência" são de 1 em 14.000. Assim, acredita-se que um corpo muito maior (um planeta) esteja atraindo gravitacionalmente esses corpos.

Mike Brown e Konstantin Batygin 

Michael Brown, um dos autores do estudo, explica que, de primeira, nem ele acreditou que o responsável pelo fenômeno seria um novo planeta. 

Segundo ele, essa é e a explicação que os astrônomos dão para qualquer comportamento orbital que eles não conseguem explicar. 

Mas as equações matemáticas e os modelos de computador foram convincentes. "Aquele foi um momento em que fiquei de queixo caído, quando a ideia passou de uma coisa pequena para algo que pode ser real", afirma.

Segundo os autores do estudo, a existência do "Planeta Nove" ajudaria a explicar uma série de fenômenos misteriosos que ocorrem com um conjunto de objetos congelados e destroços localizados além de Netuno, conhecido como Cinturão de Kuiper.

Suposto planeta 9
"A princípio, estávamos céticos de que este planeta poderia existir, mas continuamos a investigar sua órbita e o que isso significaria para a periferia do Sistema Solar e ficamos cada vez mais convencidos de que ele existe", diz Batygin, coautor do estudo. "Pela primeira vez em mais de 150 anos, há evidências sólidas de que o censo planetário do Sistema Solar está incompleto."

Não é a primeira vez que um astrônomo propõe a existência de um "Planeta X", mas desta vez a alegação parte de um cientista altamente prestigiado no meio. Michael Brown, do Caltech, foi o primeiro a enxergar Sedna, o planeta-anão cuja descoberta culminou no rebaixamento de Plutão.

O mais irônico dessa descoberta é que Michael Brown é o mesmo astrônomo responsável pelo rebaixamento de Plutão, 10 anos atrás.  Ele diz que sua filha ainda está brava com ele por toda a história do planeta-anão: "Ela sugeriu alguns anos atrás que ela me perdoaria se eu achasse um planeta novo". Dito e feito.

Brown e Batygin

Se o Planeta X existir, disseram Brown e Batygin, os astrônomos devem encontrar mais objetos em órbitas reveladoras, formadas pela força do gigante escondido. 

Mas Brown sabe que ninguém vai realmente acreditar na descoberta até Planeta X só aparecendo dentro de um visor telescópio. 

"Até que haja uma detecção direta, é uma boa hipótese ainda que seja hipótese em potencial", disse ele. A equipe esperar usar o grande telescópio no Havaí, que é adequado para a pesquisa, e eles esperam que outros astrônomos participem da caçada.

O coautor da pesquisa,  diz que a existência do planeta ainda é uma incógnita: "Até nós vermos ele de fato, sempre vai ser questionável se ele existe ou não". 

Agora, os cientistas continuarão a aprimorar suas simulações e a estudar o "Planeta Nove" e sua influência na periferia do Sistema Solar. Também já começaram a buscar por sinais dele no céu, já que apenas sua órbita é conhecida, mas não sua localização exata.


"Adoraria encontrá-lo", afirma Brown. "Mas também ficaria feliz se outra pessoa o encontrasse. É por isso que estamos publicando este estudo. Esperamos que pessoas se inspirem e comecem a buscá-lo."

A comunidade científica, no geral, parece esperançosa. 







Fonte:http://super.abril.com.br/ciencia/cientistas-acham-que-descobriram-um-novo-planeta-no-sistema-solar
http://www.misteriosdouniverso.net/2016/01/astronomos-da-caltech-podem-ter.html
http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/encontradas-evidencias-de-nono-planeta-no-sistema-solar


Nenhum comentário:

Postar um comentário