domingo, 31 de maio de 2015

Espiritualismo



Espiritualismo é a doutrina ou sistema que admite a presença, no homem e no mundo em geral, do elemento espiritual. Desse modo, a maior parte das religiões são espiritualistas, uma vez que creem na existência da dualidade corpo e alma. 

O Espiritualismo é o oposto do materialismo, que afirma não existir nada além da matéria. Não confundir com o Espiritismo, que significa Doutrina dos Espíritos. Ou seja, há um parentesco significativo entre ambas, mas não são a mesma coisa. Aliás, elas apresentam práticas bastante diferentes.


A Expressão Espiritualismo é uma corrente filosófica que crê em Deus e na alma, na imortalidade do ser, nos princípios morais e espirituais. É a crença que somos todos parte de um todo, que estamos conectados a tudo que existe.

O espiritualismo vai além da crença de que há um mundo fora da matéria. É a convicção de que há uma "fonte criadora", e de que somos todos frutos dessa divindade.

Todas as religiões que admitem a existência de Deus e da alma podem ser chamadas de espiritualistas, assim tanto católicos, quanto protestantes, umbandistas, adeptos do candomblé, judeus, muçulmanos, budistas, hinduísta, entre outros, são incluídos nesta categoria. Aliás, mesmo pessoas que não têm uma religião definida, se acreditam nestes mesmos preceitos básicos, também são consideradas espiritualistas.


Mas nem todos os seguidores do Espiritualismo acreditam em espíritos, ou na comunicação entre estes e os homens encarnados, crença que define os espíritas, que adotam o Espiritismo. 

Allan Kardec, criador da Doutrina Espírita, intuiu esta confusão lingüística, pois evitou o termo ‘espiritualismo’ para conceituar a nascente corrente filosófica que ele contribuiu para divulgar em nosso planeta. 

Assim, ele preferiu as expressões ‘espírita’ e ‘Espiritismo’ para diferenciar esta nova religião, expressando desde o próprio nome a essência de sua crença nos espíritos.


Embora outras correntes filosóficas também professem estes mesmos princípios, elas os mesclam com concepções culturais provindas do Oriente, da África e da cultura indígena.


Enquanto o Materialismo explica fenômenos como a memória, a capacidade de raciocinar, as emoções e os sentimentos como impulsos apenas físico-químicos do sistema nervoso, do sangue, enfim, do complexo orgânico do Homem, e o Universo como uma obra do acaso, perfeitamente explicável pelas leis das Ciências Exatas, os adeptos do Espiritualismo creem na Criação Divina e na alma como fonte dos sentimentos, das sensações, das paixões e dos pensamentos humanos.

O Espiritualismo, além da rica tradição oriental, tem como pilares também o legado ocidental, sob inspirações que remontam à Filosofia Grega – os Daimons socráticos, seres divinos que eram como vozes interiores guiando o homem em sua jornada, e a Metafísica Platônica -, à mensagem do Evangelho de Jesus, ao desenvolvimento do Cristianismo, ao Neoplatonismo, à herança dos celtas, que acreditavam na imortalidade da alma, à influência da Mitologia, às correntes heréticas, principalmente os Cátaros e os Templários, ao Luteranismo, às descobertas de Giordano Bruno, a filósofos como Descartes, Espinosa, Kierkegaard, ao Romantismo Alemão, ao Existencialismo, ao nascimento do Espiritismo e da Física Moderna, à Psicologia Analítica de Jung, à Parapsicologia e aos modernos paradigmas que orientam a Humanidade.

Há algumas semelhanças entre as religiões cristãs que integram o Espiritualismo, pois alguns pesquisadores revelam que no início do desenvolvimento da cultura judaico-cristã era comum acreditar na reencarnação, pilar das doutrinas que envolvem a mediunidade, sendo eliminada da crença católica no ano de 553 d.C., durante o Concílio de Constantinopla, atual Turquia. 



O Hinduísmo e o Budismo, também membros do Espiritualismo, também têm como princípio a Reencarnação, embora a percebam de maneira diferenciada.

O Espiritualismo acredita na condição de que nada, nem o universo ou a natureza, por mais simples que sejam são separados ou distantes; ao contrário, o todo está unido, conectado.

O espiritualista é uma estudante da verdade, que se dedica à descoberta do que é útil e que faz o bem "ao outro", em oposição a simples aparência ou modismo.

A própria Ciência vem, ultimamente, comprovando fatos relacionados à existência da alma, a sua influência no cotidiano, principalmente no que diz respeito à saúde, campo no qual têm ocorrido maiores progressos, por meio da comprovação de curas realizadas através de tratamentos com terapias consideradas alternativas e por meio de cirurgias espirituais. 

A Física também tem avançado muito na explicação de fatos que antes eram apenas do domínio religioso, principalmente a Física Quântica.


Ser espiritualista é ser um “cientista”, um pesquisador e autopesquisador da holossomática e da consciência, sem perder o sentimento e a afetividade. 

É não se perder na intelectualidade vazia, teórica, arrogante e vaidosa. É trocar a fé cega pela serena convicção íntima. É ser cobaia consciencial de si mesmo, é ser pesquisador (sujeito), pesquisado (objeto) e pesquisa (ação, observação e inteligência).


É viver no Paradigma Consciencial, considerando as muitas vidas (multiexistencialidade), muitos corpos (multicorporeidade – holossomática), as bioenergias (bioenergética), e a evolução consciencial ao infinito. 


É estar acima de livros, autores, gurus, médiuns, projetores, casas, templos, instituições, paranormais, avatares, epicentros conscienciais, questionando tudo. É melhor aprender errando no próprio rumo (autopesquisa independente, avançada e despojada), do que acertar, trilhando o rumo dos outros.

É buscar ser assistencial as seus semelhantes da forma que melhor puder no momento, procurando-se priorizar o caminho das tarefas de esclarecimento, sem desprezar cegamente as tarefas de consolação, conjugando-se o melhor custo-benefício evolutivo, na ponderação contextual entre as duas.

É procurar arriscar a crescer e tocar sua empreitada consciencial sozinho, do que pegar o vácuo confortável de outros,  que são mais maduros e experientes que você, ou que se auto intitulam "mestres".


É galgar a evolução com vontade vulcânica, confiando em si e nos amparadores, acreditando na qualidade de seu próprio trabalho (autoconfiança evolutiva), a despeito das críticas.

É ter coragem de bancar o próprio custo-benefício evolutivo (autoconfiança consciencial) sem desmerecer ninguém.

Ser espiritualista é não possuir qualquer preconceito, conseguindo falar qualquer linguagem, sem se deter em apenas uma delas. É não possuir apenas uma linha de pensamento como fonte de pesquisa e reflexão, estudando todas elas, não vivenciando apenas uma ciência, mas auto-experimentando todas elas, sendo receptivo às conclusões e vivências dos outros, mas priorizando a sua própria, com coragem para discordar.

É seguir seu próprio caminho com o corpo mental projetado no cosmos e os pés fincados na rocha, sem necessidade da fuga do místico ou do ego “importante” do pesquisador consciencial.

Ser espiritualista é jamais se sentir superior, mais importante, especial, seja para seu próprio umbigo, seja para seu grupo, seja para os amparadores, seja para a sociedade e a humanidade em geral. O espiritualista tem que ser uma minipeça de um macromecanismo.


É não seguir nada e nem ninguém, pois bebe da fonte extrafísica de onde veio, sem se viciar nas muletas conscienciais.

Ser espiritualista é ser anímico, mediúnico, inspirado e intuitivo, exercer a projeção (de preferência a consciente) e a espiritualidade, procurando ser multifacetado.

Ser espiritualista é ser transdisciplinar, sobrepairando todas as linhas e ciências, com uma visão de conjunto holística e integral de todas elas, enxergando as contradições e observando os paradoxos, se mantendo ao largo das disputas evolutivas infundadas, das fugas da realidade em escala individual e coletiva e das paixões ignorantes e exacerbadas.






Fonte:http://www.infoescola.com/religiao/espiritualismo/
http://www.consciencial.org/textos/86-espiritualidade/mediunidade-espiritualidade-evolucao/108-ser-espiritualista-espiritual-consciencial.html

sábado, 30 de maio de 2015

A Profecia de Chico Xavier




O Jornal Folha Espírita apresentou a seguinte chamada de capa na edição nº 439,  de maio de 2011: "Revelações apontam que o futuro da Terra está nas mãos do homem."

Essa edição trazia aos leitores da Folha Espírita a revelação feita pelo mais importante médium da história humana, Francisco Cândido Xavier, à Geraldo Lemos Neto, fundador da Casa de Chico Xavier, de Pedro Leopoldo (MG), e da Vinha de Luz Editora, de Belo Horizonte (MG), em 1986, sobre o futuro que está reservado ao planeta Terra e a todos os seus ha­bi­tantes nos próximos anos.



Geraldo Lemos Neto com Chico Xavier

"Há muito tempo carrego este fardo comigo e sempre me preocupei no sentido de que Chico Xavier não me falaria tudo o que relato nesta edição da Folha Espírita à toa, senão com uma finalidade específica. Na ocasião da conversa que descrevo nas páginas seguintes, senti que minha mente estava recebendo um tratamento mnemônico diferente para que não viesse a esquecer aquelas palavras proféticas, e que, em momento oportuno do futuro, eu seria chamado a testemunhá-las.

Assim, tive a felicidade de conviver na intimidade com Chico Xavier, dialogando com ele vezes sem conta, madrugada a dentro, sobre variados assuntos de nossos interesses comuns, notadamente sobre esclarecimentos palpitantes acerca da Doutrina dos Espíritos e do Evangelho de Jesus", recorda.

"Lembro-me, como hoje, a expressão surpresa do Chico me respondendo:

'Ora, Geraldinho, você está querendo privilégios para a Pátria do Evangelho, quando o fundador do Evangelho, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, viveu na pobreza, cercado de doentes e necessitados de toda ordem, experimentou toda a sorte de vicissitudes e perseguições para ser supliciado quase abandonado pelos seus amigos mais próximos e morrer crucificado entre dois ladrões?

Não nos esqueçamos de que o fundador do Evangelho atravessou toda sorte de provações, padeceu o martírio da cruz, mas depois ele largou a cruz e ressuscitou para a Vida Imortal! Isso deve servir de roteiro para a Pátria do Evangelho. Um dia haveremos de ressuscitar das cinzas de nosso próprio sacrifício para demonstrar ao mundo inteiro a imortalidade gloriosa!', esclareceu".



Geraldo Lemos Neto - Na sequência da nossa conversa, perguntei ao Chico o que ele queria exatamente dizer a respeito do sacrifício do Brasil. Estaria ele prevendo o futuro de nossa nação e do mundo? Chico pensou um pouco, como se estivesse vislumbrando cenas distantes e, depois de algum tempo, retornou para dizer-nos:


"Você se lembra, Geraldinho, do livro de Emmanuel A Caminho da Luz? Nas páginas finais da narrativa de nosso benfeitor, no capítulo XXIV, cujo título é O Espiritismo e as Grandes Transições?

Nele, Emmanuel afirmara que os espíritos abnegados e esclarecidos falavam de uma nova reunião da comunidade das potências angélicas do Sistema Solar, da qual é Jesus um dos membros divinos, e que a sociedade celeste se reuniria pela terceira vez na atmosfera terrestre, desde que o Cristo recebeu a sagrada missão de redimir a nossa humanidade, para, enfim, decidir novamente sobre os destinos do nosso mundo."

Pois então, Emmanuel escreveu isso nos idos de 1938 e estou informado que essa reunião de fato já ocorreu. Ela se deu quando o homem finalmente ingressou na comunidade planetária, deixando o solo do mundo terrestre para pisar pela primeira vez o solo lunar.

O homem, por seu próprio esforço, conquistou o direito e a possibilidade de viajar até a Lua, fato que se materializou em 20 de julho de 1969.

Naquela ocasião, o Governador Espiritual da Terra, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, ouvindo o apelo de outros seres angelicais de nosso Sistema Solar, convocara uma reunião destinada a deliberar sobre o futuro de nosso planeta.


O que posso lhe dizer, Geraldinho, é que depois de muitos diálogos e debates entre eles foram dadas diversas sugestões e, ao final do celeste conclave, a bondade de Jesus decidiu conceder uma última chance à comunidade terráquea, uma última moratória para a atual civilização no planeta Terra. Todas as injunções cármicas previstas para acontecerem ao final do século XX foram então suspensas, pela Misericórdia dos Céus, para que o nosso mundo tivesse uma última chance de progresso moral.

"O curioso é que nós vamos reconhecer nos Evangelhos e no Apocalipse exatamente este período atual, em que estamos vivendo, como a undécima hora ou a hora derradeira, ou mesmo a chamada última hora".

Perguntei-lhe sobre qual fora então as deliberações de Jesus, e ele me respondeu:

"Nosso Senhor deliberou conceder uma moratória de 50 anos à sociedade terrena, a iniciar-se em 20 de julho de 1969, e, portanto, a findar-se em julho de 2019. Ordenou Jesus, então, que seus emissários celestes se empenhassem mais diretamente na manutenção da paz entre os povos e as nações terrestres, com a finalidade de colaborar para que nós ingressássemos mais rapidamente na comunidade planetária do Sistema Solar, como um mundo mais regenerado, ao final desse período.

Algumas potências angélicas de outros orbes de nosso Sistema Solar recearam a dilatação do prazo extra, e foi então que Jesus, em sua sabedoria, resolveu estabelecer uma condição para os homens e as nações da vanguarda terrestre.



Segundo a imposição do Cristo, as nações mais desenvolvidas e responsáveis da Terra deveriam aprender a se suportarem umas às outras, respeitando as diferenças entre si, abstendo-se de se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. A face da Terra deveria evitar a todo custo a chamada III Guerra Mundial.

Segundo a deliberação do Cristo, se e somente se as nações terrenas, durante este período de 50 anos, aprendessem a arte do bom convívio e da fraternidade, evitando uma guerra de destruição nuclear, o mundo terrestre estaria enfim admitido na comunidade planetária do Sistema Solar corno um mundo em regeneração. 

Nenhum de nós pode prever, Geraldinho, os avanços que se darão a partir dessa data de julho de 2019, se apenas soubermos defender a paz entre nossas nações mais desenvolvidas e cultas!"

"Nós alcançaremos a solução para todos os problemas de ordem social, como a solução para a pobreza e a fome que estarão extintas;

Teremos a descoberta da cura de todas as doenças do corpo físico pela manipulação genética nos avanços da Medicina;

O homem terrestre terá amplo e total acesso à informação e à cultura, que se fará mais generalizada;



Também os nossos irmãos de outros planetas mais evoluídos terão a permissão expressa de Jesus para se apresentarem abertamente, colaborando conosco e oferecendo-nos tecnologias novas, até então inimagináveis ao nosso atual estágio de desenvolvimento científico;

Haveremos de fabricar aparelhos que nos facilitarão o contato com as esferas desencarnadas, possibilitando a nossa saudosa conversa com os entes queridos que já partiram para o além-túmulo;

Enfim estaríamos diante de um mundo novo, uma nova Terra,uma gloriosa fase de espiritualização e beleza para os destinos de nosso planeta."

"Caso a humanidade encarnada decida seguir o infeliz caminho da III Guerra mundial, uma guerra nuclear de consequências imprevisíveis e desastrosas, aí então a própria mãe Terra, sob os auspícios da Vida Maior, reagirá com violência imprevista pelos nossos homens de ciência.

O homem começaria a III Guerra, mas quem iria terminá-la seriam as forças telúricas da natureza, da própria Terra cansada dos desmandos humanos, e seríamos defrontados então com terremotos gigantescos;

Maremotos e ondas (tsunamis) consequentes;

Veríamos a explosão de vulcões há muito extintos;



Enfrentaríamos degelo arrasadores que avassalariam os povos do globo com trágicos resultados para as zonas costeiras, devido à elevação dos mares;

E, neste caso, as cinzas vulcânicas associadas às irradiações nucleares nefastas acabariam por tomar totalmente inabitável todo o Hemisfério Norte de nosso globo terrestre".

"Em todas as duas situações, o Brasil cumprirá o seu papel no grande processo de espiritualização planetária. Na melhor das hipóteses, nossa nação crescerá em importância socio-cultural, política e econômica perante a comunidade das nações.

Não só seremos o celeiro alimentício e de matérias-primas para o mundo, como também a grande fonte energética com o descobrimento de fontes alternativas de energia.



"O Brasil crescerá a passos largos e ocupará importante papel no cenário global, isso terá como consequência a elevação da cultura brasileira ao cenário internacional e, a reboque, os livros do Espiritismo Cristão, que aqui tiveram solo fértil no seu desenvolvimento, atingirão o interesse das outras nações também.

Agora, caso ocorra a pior hipótese, com o Hemisfério Norte do planeta tornando-se inabitável, grandes fluxos migratórios se formariam então para o Hemisfério Sul, onde se situa o Brasil, que então seria chamado mais diretamente a desempenhar o seu papel de Pátria do Evangelho, exemplificando o amor e a renúncia, o perdão e a compreensão espiritual perante os povos migrantes.

"A Nova Era da Terra, neste caso, demoraria mais tempo para chegar com todo seu esplendor de conquistas científicas e morais, porque seria necessário mais um longo período de reconstrução de nossas nações e sociedades, forçadas a se reorganizarem em seus fundamentos mais básicos".

"Nosso Brasil como o conhecemos hoje será então desfigurado e dividido em quatro nações distintas.



Somente uma quarta parte de nosso território permanecerá conosco e aos brasileiros restarão apenas os Estados do Sudeste somados a Goiás e ao Distrito Federal.

Os norte-americanos, canadenses e mexicanos ocuparão os Estados da Região Norte do País, em sintonia com a Colômbia e a Venezuela.

Os europeus virão ocupar os Estados da Região Sul do Brasil unindo-os ao Uruguai, à Argentina e ao Chile.

Os asiáticos, notadamente chineses, japoneses e coreanos, virão ocupar o nosso Centro-Oeste, em conexão com o Paraguai, a Bolívia e o Peru.

E, por fim, os Estados do Nordeste brasileiro serão ocupados pelos russos e povos eslavos.

Nós não podemos nos esquecer de que todo esse intrincado processo tem a sua ascendência espiritual e somos forçados a reconhecer que temos muito que aprender com os povos invasores. 

O Brasil não terá privilégios e sofrerá também os efeitos de terremotos e tsunamis, notadamente nas zonas costeiras.

Acontece que, de acordo com o médium, o impacto por aqui será bem menor se comparado com o que sobrevirá no Hemisfério Norte do planeta. 

A última hora está de fato aí demonstrada. Basta termos “olhos de ver e ouvidos de ouvir”, segundo a assertiva de Jesus. É a nossa ultima chance, é a ultima hora… Não há mais tempo para o materialismo. 



Não há mais tempo para ilusões ou enganos imediatistas. Ou seguiremos com a Luz que efetivamente buscarmos, ou nos afundaremos nas sombras de nossa própria ignorância.

A res­posta está em nosso livre-ar­bí­trio, in­di­vi­dual e co­le­tivo. É a nossa escolha de hoje que vai gerar o nosso destino. Poderemos optar pelo melhor caminho, o da fraternidade, da sabedoria e do amor, e a regeneração chegará para nós de forma brilhante a partir de 2019; 

ou poderemos simplesmente escolher o caminho do sofrimento e da dor e, neste caso infeliz, teremos um longo período de reconstrução que poderá durar mais de mil anos,segundo Chico Xavier. 

Entretanto, sejamos otimistas. Lembremo-nos que deste período de 50 anos já se passaram 46 anos em que as nações mais desenvolvidas e responsáveis do planeta conseguiram se suportar, umas as outras, sem se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. 

Essa era a pré-condição imposta por Jesus. Até aqui seguimos bem, embora entre trancos e barrancos. Faltam-nos hoje apenas o percurso da última milha, os últimos quatro anos deste período de exceção e misericórdia do Altíssimo. 



Tudo virá de acordo com nossas escolhas de agora, individuais e coletivas. Oremos muito para que os Benfeitores da Vida Maior continuem a nos ajudar e incentivar a seguir pelo Caminho da Verdade e da Vida.

O próprio espírito Emmanuel, através de Chico Xavier, respondendo a uma entrevista já publicada em livro nos diz que as profecias são reveladas aos homens para não serem cumpridas.

São na realidade um grande aviso espiritual para que nos melhoremos e afastemos de nós a hipótese do pior caminho. 



O Livro: "Não Será Em 2012 - Chico Xavier Revela a Data-limite do Velho Mundo" - A obra reproduz a entrevista original concedida por Geradinho à Folha Espírita, na qual menciona e traz a público as informações sobre a Data Limite, segundo Chico Xavier.


"Não estamos entregues à fatalidade nem predeterminados ao sofrimento, mas diante de uma encruzilhada do destino coletivo que nos une à nossa casa planetária, aqui na Terra. Temos diante de nós dois caminhos a seguir. O caminho do amor e da sabedoria levar-nos-á à mais rápida ascensão espiritual coletiva. O caminho do ódio e da ignorância acarretar-nos-á mais amplo dispêndio de séculos na reconstrução material e espiritual de nossas coletividades."





* Atendendo a Sugestão de Postagem do Leitor: Antonio Moura.






Fonte:https://docs.google.com/document/d/17OINTVqZC2ZxgoOLnUPaLkzsCu6tfRzMPYjZo_HieYc/edit?hl=pt_BR
http://verdademundial.com.br/2015/03/a-profecia-de-chico-xavier-para-2019-para-ler-reler-refletir-e-meditar/

quinta-feira, 28 de maio de 2015

DEPRESSÃO – Morte em vida



A depressão é um manto escuro que envolve a pessoa, como uma espécie de teia silenciosa, formada por pensamentos ameaçadores de fracasso, derrotismo e diversos riscos. Trata-se de um mundo de horror que perturba de dia e assombra durante a noite. Esse processo fragmenta a alma, provocando a perder de contato consigo mesmo e com as forças que orientam o curso da vida.



A pessoa não se dá conta de que está à mercê de forças emocionais poderosas, produzidas por ela mesma. Essas forças arrastam para um ambiente interior, que se encontra desabitado da alma e dominado por emoções ruins, levando-a ao isolamento do mundo exterior e entregando-se aos sentimentos de desesperança, de medo, angústias e outros estados emocionais, que tornam os seus dias e noites um pesadelo. 


A entrada para esse mundo de horror é alargada pelas obsessões mentais e a saída é estreita. É necessário muita força de vontade e motivação, para romper essa barreira e voltar a interagir com a realidade.

O deprimido precisa muito de si para acionar a disposição e atravessar a estreita fenda de interação entre os mundos interno e externo. 


Esses componentes motivacionais são os mesmos necessários para a pessoa permanecer envolvida com o meio e ligada aos movimentos existenciais. Trata-se das forças de vida que acendem a vontade, a esperança e a positividade.

A chama de vida pode ser comparada com uma vela; ela precisa de ar (oxigênio) no ambiente para permanecer acesa. Basta uma corrente de vento para apagá-la. 


Analogamente, a pessoa deprimida precisa encontrar motivos para interagir com o meio, focalizando as condições promissoras para a sua existência, como se a chama da vontade fosse alimentada pelo ar do ambiente que a mantém acesa. 

Deve-se evitar as tormentas existenciais, que são como vendavais, apagando a sensível chama da disposição para agir. Essas turbulências levam ao desespero e ao recolhimento dentro de si, caindo novamente na depressão.



O deprimido não precisa de cobranças ou de obrigações do cotidiano, mas sim de condições apropriadas para despertar a sua luz da vida, tais como sugestões, convites, apresentações de possibilidades. Esses componentes exteriores são como a parafina da vela, necessária para manter a chama acesa. Não significa que as primeiras opções tenham adesão por parte do deprimido, mas elas vão compondo um campo de possibilidades, que ele se mova para fora de sua bolha comprimida pelas emoções negativas, e venha para a vida.



Tirar alguém da depressão é o mesmo que esculpir um ser para a vida. Cada movimento em sua direção deve ser suave como a mão de um artesão, valorizando sempre os componentes internos do Ser; tal qual a escultura possui a riqueza do material do qual ela é feita. Qualquer ajuda exterior ou de alguém é bem-vinda, mas o que o deprimido realmente precisa é dele mesmo.


Ele deve acionar as forças interiores, sua ignição da vontade é que o coloca para fora do seu marasmo existencial. Manter-se envolvido com as situações exteriores e resgatar o seu encantamento com os acontecimentos exteriores. Esses componentes interiores equivalem a parafina da vela e ao ar do ambiente que mantem a chama bem acesa. A manutenção desse estado deve ser baseada na condição interna de satisfação pelo dever cumprido, pela autoadmiração e auto apreço. Esses componentes positivos do Ser estão sufocados no deprimido. Ele privilegia as tormentas psíquicas e não manifesta os seus sentimentos positivos, tampouco esses atributos internos.


Para que a pessoa consiga fazer esse movimento interno que a tire da depressão, precisa de ajuda terapêutica e à vezes, até medicamentosa. Numa depressão leve, ela própria, com incentivo das pessoas em volta, pode superar esse quadro, porém, se ela não apresentar melhora, é fundamental procurar ajuda, antes de se tornar uma depressão profunda.




Fonte:http://causaemocional.blogspot.com.br/2015/01/depressao-morte-em-vida.html?m=1

terça-feira, 26 de maio de 2015

HERÓIS E VILÕES DA HUMANIDADE



Recentemente, um grupo de cientistas internacional surpreendeu o mundo ao revelar o resultado de uma investigação para determinar que personagens da história são considerados os maiores heróis e vilões da humanidade. 

O estudo, publicado na revista científica Plos One, foi realizado consultando-se em torno de 7000 estudantes universitários de diversos países, para ter um publico bem diversificado. 

Os jovens, que possuíam a idade média de 23 anos, participaram voluntariamente desta pesquisa internacional; eles foram retirados de 37 países, tais como Argentina, Brasil, Austrália, Paquistão, Coréia do Sul, EUA, Índia, Tunísia, Itália e Japão. 


Os idealizadores da pesquisa queriam saber a opinião deles sobre as 40 personalidades e acontecimentos mais significativos na história da humanidade.




Visando descobrir o top 10 dos maiores heróis e vilões da história do mundo, o estudo resultou em algo surpreendente, para muitas pessoas. É que, entre outras coisas, o resultado apresenta o ex-presidente americano Bush mais odiado do que Stalin. Ao mesmo tempo, a pesquisa mostra que Einstein é uma inspiração maior do que Martin Luther King, Madre Teresa, Mahatma Gandhi e Jesus.


Os resultados? 

O top 10 dos heróis da história deste mundo, mostra um conglomerado heterogêneo de políticos, cientistas e figuras religiosas: De acordo com esse novo estudo seriam: Einstein, Madre Teresa, Gandhi, Martin Luther King Jr., Newton, Jesus, Mandela, Edison, Lincoln e Buda; nessa ordem. 



O fato de Einstein vencer os maiores líderes religiosos do mundo tem uma explicação simples. A pesquisa foi feita no universo estudantil, onde o nome do cientista Einstein é citado, constantemente, durante a vida escolar e universitária dos pesquisados. É natural, portanto, que este nome estivesse no top da lista.





O grupo de vilões é algo mais homogêneo em termos de disciplina (embora díspares ideológico), desde os líderes políticos e militares, as primeiras 10 posições são ocupadas por: Adolf Hitler, Osama bin Laden, Saddam Hussein, George W. Bush, Stalin, Mao Tsé-Tung, Genghis Khan, Saladin, o imperador Qin e Napoleão.




George W. Bush está lá embaixo na história, ao ser considerado como a quarta pessoa mais odiada do mundo, perdendo apenas para Adolf Hitler, Osama bin Laden e Sadan Hussein. Ao mesmo tempo Bush ganha em maldade para Stalin, Mao e Genghis Khan.






Segundo os autores da pesquisa, o tempo é o principal responsável pelos resultados estranhos.

Stalin e Genghis foram responsáveis pela morte de centenas de pessoas, mas isso em um passado mais remoto. Mais a memória recente dos que responderam está relacionada a Bush, que foi presidente dos Estados Unidos há pouco tempo.


Os resultados da avaliação afirmam que figuras históricas ajudam a criar a base para a construção e transmissão de valores morais.

Os resultados confirmam que há um consenso entre as diferentes culturas sobre quem são os "heróis" da história mundial, mas há uma discrepância maior sobre quem são os "vilões". 



Os heróis são claramente os cientistas, os descobridores, e pessoas que lutaram pelas liberdades e líderes humanitários, a exemplo de Jesus Cristo, Mahatma Gandhi, Isaac Newton e Buda.


Por outro lado, a diferenciação entre os vilões é muito maior. Os vilões são os que causaram mal a milhares de pessoas. Mas aí entra um conceito relativo, sobre a dialética do mal e do bem. Alguns personagens são considerados "legítimos Heróis" em seus países, e verdadeiros vilões para o resto da humanidade.



Mas em quase todas as culturas o maior vilão é Hitler, existe variabilidade em algumas culturas no qual ele é avaliado menos negativamente, sobretudo entre os vilões mais recentes, como Saddam Hussein, Osama bin Laden ou George W. Bush, sendo este último prova clara da perda de poder simbólico da sociedade americana em todo o mundo, segundo a publicação da revista científica PLoS ONE.

“Há uma maior disparidade de opinião sobre os vilões”, disse Dario Paez, professor na UPV/EHU-University, do País Basco. ‘O mesmo valor pode ser avaliado de forma muito negativa em um país, pode ser avaliado positivamente em outra parte do mundo, esse é o caso de Osama bin Laden, por exemplo”, disse para o jornal britânico.






Fonte: http://seuhistory.com/noticias/heroes-y-villanos-de-la-historia-mundial
http://www.jacksonrubem.com.br/terra-gente/top-10-maiores-herois-e-viloes