terça-feira, 22 de dezembro de 2015

MPF PEDE PROIBIÇÃO DA VACINA CONTRA O VÍRUS HPV


O Papiloma Vírus Humano é responsável por 70% dos casos de câncer de colo de útero, sendo a terceira causa de morte de mulheres no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. 

Uma das principais formas de prevenir a doença é por meio da vacina contra o vírus HPV, que desde 2014 é disponibilizada para meninas entre 9 e 13 anos no país.  Porém, a vacina contra o vírus HPV contém alguns efeitos colaterais, sendo alvo de muitas polêmicas. 



Como  a intenção de evitar futuras contaminações pelos vírus, o Ministério da Saúde do Brasil adotou uma medida preventiva que deve ser somada ao uso do preservativo e ao exame de papanicolau: A campanha de vacinação contra o HPV, iniciada no dia 10 de março de 2014.  

Cerca de 2 milhões de meninas de 09 a 13 anos já foram imunizadas contra quatro tipos do vírus: dois de alto risco (16 e 18)  e dois causadores das verrugas genitais benignas (6 e 11). 


O ministério  também conseguiu negociar e comprar a vacina pelo preço mais baixo do mundo: cada dose saiu por R$30. Como são três, cada menina gera um gasto de R$ 90 para o governo, que oferece gratuitamente as três doses. 

Mesmo não sendo um valor baixo, o preço está muito mais em conta do que o oferecido pela rede privada, que chega a cobrar R$1.500 pelas três doses.



A tese é que a vacina administrada durante a infância contribui para prevenir a doença e protege as meninas desde o início da vida sexual.

No Brasil, desde 2014 o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza a vacina para meninas entre 9 e 13 anos, em três doses. Após seis meses da primeira, deve-se receber a segunda injeção. Já a terceira, considerada um reforço, é feita após um período de cinco anos da primeira imunização.

No entanto, a vacinação contra o vírus HPV contém sérios efeitos colaterais, sendo alvo de uma grande polêmica. 




Quando o Ministério da Saúde anunciou a campanha de vacinação, algumas analises sobre a segurança da imunização, principalmente a respeito dos efeitos colaterais, começaram a ser levantadas.

O pediatra Daniel Becker é um dos especialistas que questiona a exposição dessas meninas a efeitos colaterais que, segundo ele, podem ser gravíssimos. 



“Antes de mais nada, estou me posicionando de forma bem clara como opinador, não sou infecto nem imunologista, sou um médico com opinião formada embasada em muita leitura”, frisa Becker. “Por mais que falem da proteção contra o câncer, ainda há controvérsias, com histórico perigoso. São efeitos colaterais graves, incluindo eventos neurológicos.”

"O fato é que a recomendação da vacina vem sendo questionada. O governo japonês, por exemplo, abandonou a recomendação após a reação da sociedade civil, pela ocorrência de casos de problemas graves em seguida à aplicação: síndrome de Guillain-Barré (uma polineurite grave), uveítes, convulsões e encefalites agudas. Muitos dirão que ainda não há estudos demonstrando a falta de segurança da vacina. Que as análises até o momento não mostram relações causais. Mas os relatos se repetem em diversos países." - Daniel Becker (pediatra, fundador e conselheiro do Centro de Promoção da Saúde e pioneiro da Pediatria Integral no Brasil).


Esse é o motivo da ação civil pública, por parte do Ministério Público Federal, pedindo que a Justiça Federal proíba a rede pública de Saúde de aplicar a vacina contra o HPV em todo o território nacional.


Natália Barbosa, 13 anos de idade, internada após tomar vacina contra HPV
O MPF tomou a decisão a partir da representação feita pela mãe de uma adolescente. Após receber a vacina, a menina desenvolveu vários problemas de saúde com sequelas definitivas. 

Durante as investigações, o MPF ouviu um neurocirurgião de Uberlândia que relatou a ocorrência de quadros clínicos neurológicos em meninas que haviam tomado a vacina. 



Vejam o que o MPF – Ministério Público Federal informa:


“Entre os problemas, foram citados esclerose múltipla, neuromielite ótica, paraplegias, tumor de medula espinhal, lesões oculares, déficit de memória e aprendizado, pseudotumor cerebral e trombose venosa cerebral. (…) Não foram realizados estudos científicos que comprovem a eficácia ou os efeitos colaterais da vacina contra o HPV.”

Além de proibir a aplicação da vacina contra o vírus HPV em todo o Brasil, a ação também pede a nulidade de todos os atos normativos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que autorizaram a importação, a produção, a distribuição e a comercialização da vacina no país. 



A Procuradoria da República também pede o fim de qualquer campanha de vacinação, inclusive por meio de propaganda em veículos de comunicação. 


O pedido judicial, feito pelo procurador da República Cléber Eustáquio Neves, foi baseado no fato de que não foram realizados estudos científicos que comprovem a eficácia ou os efeitos colaterais da vacina contra o HPV, apontando que, de fato, ela não protege as mulheres contra o câncer de colo de útero.


Outra determinação do pedido é que a Anvisa seja condenada a publicar resolução tornando a aplicação da vacina proibida em todo e qualquer estabelecimento de saúde, público e particular, além de ser condenada juntamente com a União por dano moral coletivo.




Fonte: http://saude.terra.com.br/mpf-pede-proibicao-da-vacina-contra-o-virus-hpv,88a3c98412c68d9346ce7242a41ec9285bxmv5et.html
http://drauziovarella.com.br/mulher-2/a-seguranca-da-vacina-contra-hpv/
http://verdademundial.com.br/2015/12/voce-confiou-no-governo-e-nas-campanhas-de-vacinacao-do-hpv-entao-leia-esta-materia/
http://www.noticiasnaturais.com/2014/03/vacina-contra-o-hpv-nem-tudo-que-reluz-e-ouro/#




Nenhum comentário:

Postar um comentário