quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Incrível Descoberta no Brasil é Comparada as Pirâmides do Egito



Um grupo de arqueólogos, liderados pelo finlandês Martti Pärssinen, fez uma descoberta chocante anos atrás no Brasil, na Amazônia, no estado do Acre. 

Todavia, muitas pessoas não têm a menor ideia de que esta descoberta ocorreu.  Pelo seu tamanho e magnificência, a descoberta é comparada às pirâmides do Egito; no entanto a imprensa deixou a descoberta para trás.  

Por que?  Pela maior parte devido a cobertura seletiva da imprensa, a qual tem sido inadequada quando se refere às descobertas que mudam a história da civilização, tal qual a conhecemos.




Provando que em lugares onde antes acreditava-se não haver nada, encontrou-se vestígios de que estas áreas já foram povoadas por uma civilização desconhecidas há mais de 2000 anos.

O tamanho e magnificência da descoberta, foi equiparada às pirâmides do Egito. 



Rosto do passado - O primeiro e o mais completo
 artefato encontrado nos sítios arqueológicos ficou
conhecido como Vaso da Careta
Nas escavações foram encontrados diversos artefatos de madeira e cerâmica. A descoberta só foi possível devido ao desmatamento daquela região. 

Através de um voo de reconhecimento, foi possível observar uma área com formas misteriosas no solo.




Traços de uma cultura - As formas circulares e quadrangulares delimitavam o espaço das aldeias, conectadas entre si e a mananciais de água


Durante o voo pode-se observar grandes estruturas em formatos geométricos, formadas por montes e colinas. As formas geométricas (ou geoglifos) são compostas de montes e colinas, e muitas delas são enormes, com lados medindo várias centenas de metros em comprimento.

Geoglifos são vestígios arqueológicos representados por desenhos geométricos (linhas, quadrados, círculos etc) de grandes proporções, que podem ser melhor observados do alto. 

O paleontólogo Alceu Ranzi destaca: "Estes geoglifos foram feitos há milhares de anos, são profundos, colossais e exigiram muito esforço", Ranzi ainda salienta que a geometria destas estruturas ocorre em regiões onde se pensava que a floresta era virgem. (Alceu Ranzi fez parte da equipe de pesquisa que descobriu o primeiro geoglifo no Acre, ainda em 1977)


Geoglifo do Acre


Segundo Martti Pärssinen arqueólogo chefe da expedição, estas estruturas podem ser comparadas as antigas construções egípcias. 

O arqueólogo defende que as pessoas que construíram tais estruturas devem ter despendido muita energia, transformando o gigante monte em múltiplas e complexas construções, bem como os escravos teriam feito no antigo Egito.


Esta foi uma descoberta sensacional pelos pesquisadores, já que pensava-se que a maioria da Amazônia era escassamente populada.  

Ivandra Rampanelli, uma estudante recentemente graduada na Universidade de Valência (Espanha), acredita que os padrões encontrados estão reescrevendo a história de quão populosa a Amazônia era no passado; uma área que anteriormente era considerada desprovida de grande civilizações.

Esta descoberta nos diz que em lugares onde os pesquisadores pensavam não haver nada as pessoas têm feito grandes descobertas, as quais estão nos contando uma história muito diferente do que os estudiosos convencionais sugerem.

Professor Martti Pärssinen (no topo à esquerda) supervisiona as escavações no Brasil

Denise Schaan, uma das co-autoras do estudo, disse que pode haver outras 2.000 estruturas escondidas na selva: “Está claro para nós que a procura não vai cessar aqui.  Continuaremos com as extensivas escavações, a fim de investigarmos mais profundamente as atividades que ocorreram nestes locais.”

De acordo com os dados obtidos através de testes de radiocarbono, as estruturas mais antigas foram construídas há aproximadamente 2.000 anos.  

O estudo também mostra que esta civilização se extinguiu rapidamente há aproximadamente 700 anos, talvez devido às doenças trazidas pelos europeus.

Riscos e espirais - As escavações revelaram
uma cerâmica ornamentada, além de
artefatos de madeira e pedra
As escavações têm desenterrado muitos detalhes sobre a vida destes povos antigos, e aproximadamente 300 quilos de cacos de cerâmica.







A expedição arqueológica também mostrou que alguns dos ornamentos encontrados são completamente novos para a ciência, enquanto outras figuras mostram uma conexão clara entre estas civilizações com outras localizações distantes nos Andes.  

Pärssinen disse estar muito empolgado, pois este pode ser um dos últimos locais no planeta que ainda se pode fazer tais descobertas. “A maioria das coisas descobertas nesta área fornecem novas visões do passado”, adicionou Pärssinen.



Alceu Ranzi 
Martti Pärssinen, atualmente diretor científico do projeto Man and Nature in Western Amazonian History, financiado pela Universidade de Helsinque, ressalta que Alceu Ranzi é a alma da investigação dos geoglifos porque foi ele quem mobilizou todos os pesquisadores a formarem um grupo de investigação. 

A descoberta não somente prova que há incontáveis descobertas lá fora, mas também prova que nossa história antiga é muito mais surpreendente do que imaginávamos ser possível.

Descobertas como esta merecem uma grande cobertura da imprensa, porque esses achados são importantes para a maioria da humanidade.  













Fontes:
http://www.ancient-code.com/shocking-discovery-in-brazil-compared-in-size-and-complexity-to-the-egyptian-pyramids/
http://ovnihoje.com/2015/12/06/descoberta-chocante-no-brasil-e-comparada-ao-tamanho-e-complexidade-das-piramides-do-egito/

2 comentários:

  1. Sono orgogliosa di questa scoperta,è da molto tempo che vado affermando che il popolo Tupy vivevano in Brasile dalla pre-storica.

    ResponderExcluir