sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

A tal "Nova Humanidade da Nova Era"



Não escondo de ninguém meu ceticismo em relação a tal "nova humanidade da nova era". 
Tem muita gente que vê. Eu não.

Confesso que me esforço e tudo que vejo são movimentos naturais de avanço tecnológico, cientifico, aprimoramento de leis, debates sobre ética, mudança de linguagem, mas, adiante, depois de determinadas fronteiras, vejo a humanidade exatamente igual ao que sempre foi.



"Jesus" seria crucificado novamente. Os mártires seriam os mesmos e a resistência em quebrar paradigmas se expressa eloquentemente em nossos valores politicamente corretos, em nossa resignação em nos mantermos como sempre. 

Veja a política, veja todas as religiões, veja a sociedade.

O que há de promissor a não ser pequenos movimentos promovidos por indivíduos? 




Há muita gente do bem e reconheço a importância de tantos que trabalham para minimizar o sofrimento do outro, mas, vejo esses vagalumezinhos como "um beijar flor apagando o incêndio em uma floresta". O fogo continuará...

Rubem Alves dizia o seguinte: "Sou um construtor de altares. Construo meus altares à beira de um abismo. Eu os construo com poesia e beleza. Os fogos que acendo sobre eles iluminam o meu rosto e aquecem o meu corpo. Mas o abismo continua escuro e silencioso."



Quando escrevo meus textos, faço a rádio ou gravo meus vídeos sei que o máximo que posso fazer é falar com uma minoria interessada, mas o abismo continuará lá.


É por isso que meu trabalho sempre será para minorias. Jamais serei popular, a não ser que mude meu discurso e comece a dizer o que as pessoas querem ouvir. 





A consciência de que a massa sempre será massa, informe, instintiva, inconsciente, me tira a avidez de penetrá-la.

Apesar de minha incredulidade em relação as massas, creio nos indivíduos.

Como sempre aconteceu na história, esses serão em menor quantidade, terão dificuldades em serem compreendidos por um numero maior de pessoas, serão vistos como utópicos, loucos ou sonhadores. Indivíduos não aderem as massas porque não aceitam modelar-se. 



As massas tendem serem homogenias, os indivíduos não. Esses preferem manter-se íntegros na própria Consciência e, por isso mesmo, reconhecem o movimento da vida, as quebras de paradigmas e sabem que tudo acontece dentro, no secreto, em Simplicidade.

Não precisam da legitimação das massas, são indivíduos e, por isso mesmo, projetam sua individualidade em direção ao outro, não como "humanidade", mas como humano, como gente. Não posso ajudar a humanidade, mas posso ajudar um humano. 

Meu discurso é dissolvido com facilidade no meio das vozes da humanidade, mas, entre humanos, ele penetra.

Quando vejo uma multidão não vejo ninguém, mas se quiser, nela, verei indivíduos. 




Quem pensa assim não adere a nenhum movimento de massa (esses sempre massificarão mesmo os bem intencionados), não elege "mestres", não admite fixar-se, seja na mais "iluminada" das ideias. 

Aceita que a vida é movimento e caminho.

Esse enxerga o abismo onde constrói altares, mas como o poeta, sabe que tudo o que pode fazer é iluminar o próprio rosto e permitir que essa luz ilumine quem está perto. Lá embaixo a escuridão continuará. 

Um altar a beira de um abismo

*Flavio Siqueira






Fonte:http://flaviosiqueira.com/2015/11/10/nao-acredito-na-nova-era/


5 comentários:

  1. Belo depoimento! Mas penso diferente em apenas um aspecto: tenho esperança de ver a nova cultura mundial, a qual dissemino da mesma maneira,incógnito, um a um, contaminar a massa e muda-la aos poucos, à conta-gotas.

    Tenho esperança e não desisto, pacientemente, como manda a boa fé.

    Um fraternal abraço!

    ResponderExcluir
  2. “Dizem que de boas intenções o inferno está cheio.
    Eu concordo tanto com esse pensamento que por um tempo fiquei meditando o tanto de mal que o excesso de caridade tem provocado na humanidade.” [William Robson]

    Em termos de natalidade brasileiros estão bem evoluídos, falta uma guinada para Direita e voto facultativo/distrital com urnas confiáveis.
    Vejam esses números, mas antes entendam que quanto maior que “2” ele for mais a população cresce.
    Se é menor que 2 a população diminui ... a não ser que receba muitos imigrantes.

    Culturas Problemáticas:
    6,67 nascimentos por mulher (2012) Somália
    5,14 nascimentos por mulher (2012) Afeganistão
    3,21 nascimentos por mulher (2012) Haiti
    3,00 nascimentos por mulher (2012) Síria

    Culturas Evoluídas:
    1,90 nascimentos por mulher (2012) Reino Unido
    1,88 nascimentos por mulher (2012) USA
    1,81 nascimentos por mulher (2012) Brasil
    1,38 nascimentos por mulher (2012) Alemanha

    Vejam que em termos de procriação brasileiros estão bem civilizados, quem sabe abracemos agora um capitalismo de melhor qualidade e comecemos a deslanchar economicamente.

    Observem que ocorrência interessante:

    “A preocupação dos israelenses com o futuro se reflete no número de bebês que põem no mundo.
    O povo de Moisés registrou fertilidade de 2,96 filhos por mulher em 2008.
    O número torna Israel um dos poucos países do primeiro mundo com taxa de natalidade próxima de 3 filhos por mulher, o que pode ser interpretado como uma resposta à pressão demográfica entre judeus e árabes.

    No território israelense, os judeus são maioria (76% da população, ou 6 milhões de pessoas), mas nos territórios palestinos ao redor a população já é de quase 4 milhões, com taxa de fertilidade que alcança 5,1% na Faixa de Gaza.
    Em Israel, as famílias árabes muçulmanas têm em média 3,8 filhos.
    Há o temor de que, num período de 10 anos, os judeus sejam ultrapassados.” [Gazeta do Povo]

    Judeus estão procriando mais para não serem substituídos por árabes.

    Dos povos pouco civilizados já está difícil convence-los da necessidade de reduzirmos a população, se os povos civilizados começarem uma corrida populacional ... os 4 cavalheiros do Apocalipse nos farão uma visita daqui há poucas décadas.
    Essa lógica entra em sua mente?

    “Os Quatro Cavaleiros são personagens descritos na terceira visão profética do Apóstolo João no livro bíblico de Revelação ou Apocalipse.
    Os quatro cavaleiros do apocalipse são Peste, Guerra, Fome e Morte.
    Que para os cristãos vai acontecer antes do fim de todas as coisas.”

    Se você tiver no máximo 2 filhos a vinda dos 4 cavalheiros permanecerá só mais uma lenda cristã.

    Amém?
    ▬▬▬//▬▬▬
    PS: Essas culturas pra lá de ineficientes, que não conseguem arrumar o país de origem irão eleger nossos políticos!!!
    Eu daria direito de voto depois de no mínimo 15 anos e muito a contra gosto dependendo da nacionalidade.

    “O deputado estadual Marco Aurélio (PT) recebeu um parecer da diretora de Gestão Interna do Gabinete Regional da Presidência da República em São Paulo, Elisa Smaneoto, sobre o pedido feito à presidente Dilma Rousseff (PT) para a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 347/2013,

    QUE PERMITE A ESTRANGEIROS RESIDENTES EM TERRITÓRIO BRASILEIRO, POR MAIS DE QUATRO ANOS E LEGALMENTE REGULARIZADOS, O ALISTAMENTO COMO ELEITORES.

    A PEC é de autoria do deputado federal Carlos Zarattini (PT).”

    http://filosofiamatematicablogger.blogspot.com.br/2015/11/refugiados-e-o-planeta-terra.html
    __________

    ResponderExcluir
  3. Certo,eu tambem nao vejo melhoria,mais ainda confio na humanidade,acho que o ser humano è um viandante na terra,somos almas caida no lixo e a tarefa de cada alma e a de se manter limpa no meio de todas sujeiras, è uma prova dificil mais necessario para o expirito se elevar;E cada um de noz no nosso pequeno mundo ajudamos as almas a nao se sujar mais.
    Agradeço muito todos vcs. um bom dia feliz a toda humanidade.

    ResponderExcluir
  4. O texto é perfeito. Tudo que eu queria dizer. Satyapren diz algo interessante: "Para de tentar melhorar o mundo, é nesta tentativa que criamos as divisões, fome e guerras." Resumindo: menos palavras e ideias malucas, só nos resta o AMOR.

    ResponderExcluir