sexta-feira, 13 de novembro de 2015

O MAIOR CRIME AMBIENTAL DOS ÚLTIMOS 30 ANOS



Uma tragédia imensurável...
Para quem ainda não entendeu a dimensão da catástrofe que se deu ao longo do Rio Doce, segue o impacto dessa tragédia para nosso pais.

O que está acontecendo no Rio Doce é pior do que a soma dos piores desastres ambientais ocorridos no Brasil dos últimos 30 anos. 

Por qualquer critério disponível, seja extensão ou volume de rejeitos, a soma de todas as catástrofes já ocorridas no brasil, não se compara ao que ocorreu com o Rio Doce.

Por que motivo, até agora, a mídia não deu a devida atenção a essa tragédia? Que interesse há em esconder o maior crime ambiental, de proporções épicas, do povo brasileiro?



O impacto ambiental causado pelo rompimento de duas barragens em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, na região Central de Minas, no último dia 5, ainda é pouco divulgado pelos órgãos oficiais. Mas para os ambientalistas já é tido como certo a impossibilidade de se recuperar o rio Doce.

As imagens aéreas de Mariana, em Minas Gerais, são impressionantes. A lama tomou conta de tudo. Dias depois do rompimento de duas barragens da mineradora Samarco (Já se sabe que 50% da Samarco pertence à Vale, a Vale que tirou o Rio Doce de seu nome e nele despejou lama tóxica), bombeiros ainda trabalham à procura de vítimas desaparecidas e a lama já chegou ao Espírito Santo. 




Já é possível fazer uma previsão dos principais danos que os rejeitos de minério tóxicos, despejados na natureza, podem causar. De intoxicação à morte do rio Doce, estes são os principais impactos:


O rompimento das barragens de Fundão e Santarém despejou 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos de vários minérios no meio ambiente – a lama que podemos ver nas muitas imagens chocantes feitas após o desastre. 




O desastre começa a ganhar números que dão a dimensão da catástrofe ambiental. Amostras da enxurrada de lama que foram coletadas cerca de 300 km depois do distrito de Bento Rodrigues apontam concentrações absurdas de metais como ferro, manganês, alumínio e especula-se que também mercúrio.

Segundo o chefe do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas da USP, Anthony Wong, a concentração comprovada mais preocupante é do manganês.


— É um metal tóxico que, por ser mais pesado, devia estar depositado no fundo. Pode provocar alterações nas contrações musculares, problemas ósseos, intestinais e agravar distúrbios cardíacos. O alumínio não traz riscos para a população em geral, mas nestas quantidades pode trazer riscos para diabéticos, pessoas com tumores ou problemas renais crônicos. O organismo mais ácido absorve mais alumínio. 


Segundo o Jornal Hoje, o serviço autônomo de água e esgoto de Governador Valadares, uma das cidades atingidas pela lama, fez uma análise química da água do rio Doce. A análise encontrou alto índice de ferro, o que era esperado, mas também "uma grande quantidade de mercúrio". 

O mercúrio é altamente tóxico. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, ele pode "afetar o cérebro, o coração, os rins e pulmões e o sistema imune dos seres humanos". 

De acordo com confirmação do prefeito da cidade de Baixo Guandu, Neto Barros, a análise laboratorial das amostras da água do Rio Doce, coletada em Minas Gerais, aponta a presença de metais pesados em concentração acima do aceitável. Segundo o prefeito, foi detectada a presença de metais como mercúrio, alumínio, ferro, chumbo, boro, bário, cobre, entre outros. 


Isso se as pessoas forem expostas a grandes quantidades de mercúrio e por tempo prolongado. Ainda não é certo que o mercúrio tenha vindo especificamente da lama de rejeitos, mas essa é uma possibilidade que precisa ser analisada.

O biólogo e ecólogo André Ruschi, que atua na Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi em Aracruz, Santa Cruz, no Espírito Santo, acredita que os rejeitos só começarão a ser eliminados do mar em 100 anos, no mínimo.

Segundo ele, a substância poluente já é conhecida na região, porque está na praia de Cambuí, entre outros locais no Espírito Santo. "Assim como mercúrio, há também cromo, arsênio, e outras substâncias que são venenos poderosíssimos”, explica.

Ainda de acordo com o biólogo André Ruschi, substâncias como o mercúrio não são eliminadas pelo organismo, uma vez que já foram absorvidas. “Elas vão se acumulando cada vez mais, pouquinho a pouquinho, até atingir uma concentração que causa ou uma doença ou mata o indivíduo”, diz.

“Isso pode durar anos, mas vai acontecer. E tudo vai terminar na cadeia alimentar, esses elementos vão ser absorvidos pelo homem. São elementos químicos puros, e não simplesmente uma molécula que vai se desfazer e vai virar outra coisa. Vai sempre ser uma substância venenosa se acumulando na cadeia alimentar”, analisa.



Se considerarmos que a lama é segura do ponto de vista da saúde humana, o que fatalmente não é, o maior impacto que ela causará será no meio ambiente. 

Esses rejeitos devem deixar o solo de toda a área atingida infértil. Segundo professores da URJ, o resíduo é pobre em material orgânico, e por isso não favorece o nascimento de plantas ou de vegetação. Aos poucos, a lama vai secando, criando uma capa ressecada no solo onde nada nasce. É como se a terra fosse "cimentada". Hortas e roças de pequenos agricultores estarão inviabilizadas.


O pior impacto, sem dúvida, será no rio Doce. O jornal O Tempo, de Minas Gerais, falou com responsáveis por um projeto que monitora os impactos ambientais nos rios mineiros. 

O cenário que os pesquisadores descrevem é devastador. A lama deverá matar peixes, algas, invertebrados, répteis e anfíbios. Ou seja, toda a vida que depende do rio. As nascentes, locais importantes para as espécies de peixes do rio se reproduzirem, foram soterradas pelos rejeitos, comprometendo a saúde do rio, das espécies e o abastecimento de cidades. 

No curto prazo, o leito do rio se tornará estéril.



Ao descer pelo rio Doce, a lama afetou 15 municípios. Desses, apenas um não depende exclusivamente do rio para abastimento de água. Alguns municípios já interromperam o abastecimento. A expectativa é que 500 mil pessoas fiquem sem água. 

Ao seguir o curso do rio Doce, os 62 milhões de metros cúbicos de lama da Samarco percorreram um trajeto de cerca de 400 quilômetros até chegar na costa do Espírito Santo. É muita lama.

E estamos falando da mais importante bacia hidrográfica dentro da Região Sudeste.


A mídia não divulga, mas especula-se que são centenas de pessoas desaparecidas. Só em Bento Rodrigues, metade dos moradores (cerca de 300 pessoas) não conseguiram sair a tempo. Sem contar os milhares de animais mortos ao longo do rio.

Seria como uma longa estrada com quase 600 km de extensão onde se vê apenas destruição. Visualize peixes, vacas, cavalos, cachorros, plantas, enfim, tudo que estava na frente da intitulada LAMA.


Segundo os moradores, "toda a economia dos municípios está comprometida. As escolas suspenderam as aulas, a agricultura está inexistente, porque não tem chuva, o comércio já quase parou, pois não tem água, nem para os banheiros; bares e restaurantes estão adotando material descartável para servirem, mas não existem panelas descartáveis e essas precisam ser lavadas.

A construção civil também foi afetada; não há água para o banho das pessoas. Hospitais e asilos, presídios e serviços essenciais estão sendo abastecidos por caminhões pipa, que precisam ir a outros municípios para se abastecerem de água,  o que está onerando os cofres públicos com o alto consumo de combustível – isso quando conseguem passar pelas estradas bloqueadas pela manifestação de caminhoneiros.

O Rio Doce, um dos MAIORES DO BRASIL, está morto! 

As populações, desde Mariana-MG até Linhares-ES (e depois no Oceano Atlântico) estão sofrendo as consequências do que já é considerado  a maior tragédia ambiental, ecológica, econômica, hídrica, já ocorrida no país. 

E as consequências  serão sentidas por muitos décadas. Somente em Governador Valadares são 260 mil pessoas afetadas. 



Todos os peixes morreram envenenados e já se pode sentir o “cheiro” a kms de distância. ”


Ninhos de tartarugas na foz do rio estão sendo removidos para tentar salvar antes que os rejeitos chegue. 

Esta sopa de lama tóxica que desce no rio Doce e descerá por alguns anos toda vez que houver chuvas fortes irá para a região litorânea;  Além disso, o rio passa por 230 municípios que dependem dele para subsistência e trabalho. Atividades como extração de ouro e outros minerais, materiais de construção, agropecuária e pesca, também serão drasticamente prejudicadas.

O mais grave é que a água de rejeitos vai atingir o Corredor Central da Mata Atlântica, uma área prioritária para a conservação de várias espécies e que engloba os estados da Bahia, Espírito Santo e uma pequena parte de Minas Gerais.


Ainda conforme Ruschi, o rio é o eixo dos nutrientes. “Essa lama vai poluindo tudo e deixando resíduos em toda a cadeia, todo o leito do rio. E como o PH já é muito alto no rio, em 10, e é extremamente cáustico, essa lama matará completamente qualquer coisa do rio, inclusive, espécies exóticas do Rio Doce que estão extintas a partir de hoje”, determina.

Este é o nosso vazamento de óleo do Golfo México, nosso vazamento da Exxon no Alasca, nosso Fukushima, mas quem se importa?









Fonte:http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2015/11/estes-sao-alguns-dos-danos-ambientais-causados-pela-lama-da-barragem-da-samarco.html
 http://www.pescamadora.com.br/2015/11/rio-doce-a-fukushima-brasileira/
http://vivoverde.com.br/naofoiacidente-a-tragedia-anunciada-em-minas-gerais-e-a-negligencia-por-parte-dos-orgaos-empresa-e-jornalismo/
http://jornalggn.com.br/noticia/o-tamanho-do-impacto-ambiental-da-lama-da-vale-samarco



5 comentários:

  1. O Brasil está cheio de perigos assim, mas as grandes empresas conseguem manipular, enganar, subornar e abafar acontecimentos parecidos. Tudo em nome da ganância de uns. Que vergonha!

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante a matéria, irei colocar o link no meu blog. :)
    Luana.

    ResponderExcluir
  3. Algo em mim também morreu18 de novembro de 2015 13:00

    Fomos expulsos do paraíso. Não temos mais o Rio Doce. Doce Rio. Mais de 850 km de Bacia Hidrográfica exterminada. Sobre o Vale do Rio Morto, eu sentei e chorei. Vale de lágrimas. Nos perdoe águas sagradas, a vida que o belo manancial sustentou agora não é mais vida. Tudo se foi até a esperança de que um dia houvesse ressurreição do lindo Vale.

    I
    O Rio? É doce.
    A Vale? Amarga.
    Ai, antes fosse
    Mais leve a carga.
    II
    Entre estatais
    E multinacionais,
    Quantos ais!
    III
    A dívida interna.
    A dívida externa
    A dívida eterna.
    IV
    Quantas toneladas exportamos
    De ferro?
    Quantas lágrimas disfarçamos
    Sem berro?

    Carlos Drumond de Andrade


    ResponderExcluir
  4. Amigos se fosse a primeira vez que este tipo de acidente acontece seria uma fatalidade, Mas pesquisando descobri que não foi a primeira vez A BHP BILLINTON já é reincidente
    vejam mais em :

    http://www.becodofuxico.com.br/qual-o-impacto-ambiental-da-tragedia-de-mariana-mg-samarco/

    Ajudem a divulgar por favor

    ResponderExcluir
  5. Poxa, nem comentei sua matéria. Muito mas muito boa mesmo, gostaria de também reproduzi-la no meu blog, Parabéns

    ResponderExcluir