domingo, 1 de novembro de 2015

LUZES DO MUNDO - Anand Nisargan



Anand Nisargan é um mestre em meditação, disciplino e um dos mais respeitados tradutor da obra de Osho no Brasil.

Nisargan formou-se em Medicina na Unicamp, no entanto exerceu a profissão de médico por apenas uns dois anos, como psiquiatra. Logo percebeu que a psiquiatria não era a linha que confiava para dar um bom direcionamento contra os distúrbios psíquicos.

Estava convencido, de que a causa de todos os males do psiquismo humano é o pensar desenfreado e incontrolável; em outras palavras, Nisargan afirma que o mal maior da humanidade é o pensar demais.

"Alguns excessos de pensamentos levam a determinado distúrbio psíquico, como ansiedade, por exemplo, outros excessos de pensamentos levam a outros descompassos, como a insegurança, ou timidez, ou irritabilidade, ou arrogância, ou fobias, ou depressão, ou insônia… Não importa o distúrbio, a causa básica é o pensar desenfreado e sem controle por parte da pessoa."


Abandonou seu trabalho como médico psiquiatra para tornar-se instrutor de meditação, continuando esse trabalho ininterruptamente até os dias de hoje.

Hoje seu foco de trabalho é meditação, ou seja, treinamento da consciência a estar no momento presente, pois segundo ele: "ao estarmos mais e mais no momento presente, menos e menos pensamentos perturbadores passam pela nossa mente… E o resultado é um alívio crescente…"

Em 1981 fez sua primeira meditação do Osho, e em apenas uma meditação percebeu mudanças profundas. Nisargan conta que ficou realmente fascinado por essas mudanças e sentiu um impulso interno, acima de sua vontade, instigando-o a prosseguir no caminho da meditação.

"A mudança principal foi presenciar um ser humano fluindo a partir de uma dimensão interna silenciosa, amorosa e sábia, dando-me a certeza de que este estado é possível a todos. A mudança de hábito foi incorporar a meditação em meu dia a dia."




Bebeu da fonte do Mestre Osho em sua própria presença física tanto nos Estados Unidos como na Índia e foi membro de suas comunidades na Alemanha, Itália e Brasil, sendo tradutor de dezenas de seus livros e vídeos.

Esteve presente na comuna do Osho, em Poona, Índia, nos momentos intensos em que ele deixou o corpo, acompanhando sua cremação e as celebrações posteriores, e é testemunha, até hoje, da verdade de que o campo de energia do Osho está ainda mais disponível do que antes, nos corações dos que sabem se conectar com ele de uma maneira mais profunda do que a física e a verbal.

Nisargan afirma que solicitou ao Mestre Osho ser iniciado ao sannyas, que é uma espécie de sinalização da intenção de seguir um caminho de encontro consigo mesmo sob a inspiração do Mestre.



Havia na ocasião a opção de receber ou não um nome iniciático, como sua opção foi sim, recebeu o nome de Swami Anand Nisargan. 

Swami significa “mestre de si mesmo”, Anand significa “bem-aventurança” e Nisargan significa “natureza”. Significado geral: “Bem-aventurança é a minha natureza”.

Tornou-se praticante fiel de técnicas ativas e passivas de meditação, com uma bagagem de vários retiros de 21 dias de silêncio e meditação, inclusive um de 21 dias com reclusão total e outro de 21 dias com jejum durante todo o processo, entre muitos outros retiros por períodos menores.





Nisargan esteve seis anos no exterior participando de vivências, cursos e treinamentos em Meditação, especificamente na Índia e em comunidades espirituais da Alemanha, Itália e Estados Unidos. 

Traduziu para o português aproximadamente 40 livros e 55 vídeos do Mestre em Meditação, Osho. 




Nisargan realiza um trabalho quase que individual (apenas três pessoas por retiro) no Espaço Presença, localizado no topo da Serra da Mantiqueira, no distrito de São Francisco Xavier (São José dos Campos/SP). O objetivo é aflorar a Presença através de Retiros de Silêncio e Meditação. 

Em sua jornada, percebeu que não basta ensinar técnicas consagradas de meditação, e em 2000 escreveu o livro “A Arte de Estar no Presente”, que acompanhava um CD com uma técnica própria inovadora, a Meditação Fluir Consciente, na qual o meditador escolhe, entre vários estágios, quais os que deseja praticar.

Elaborou mais uma abordagem inovadora, Meditações Interativas, praticada em duplas ou com um número maior de pessoas, servindo de ferramenta para um grupo de meditadores.

Outra de suas inovações no universo do despertar a Presença é a abordagem de Meditações Intercaladas, em que meditações se alternam seguindo critérios de qualidade de Presença.



Criou também o Sistema Espaço Presença, que resumidamente consiste em fragmentar períodos de tempo em que a proposta principal é a manutenção da Presença. Assim, subdividindo o período total em períodos menores, a realização da proposta se torna mais acessível, período por período.

Nisargan classifica seus Retiros como “respeitosos”, ao propor uma estrutura básica a ser seguida e, ao mesmo tempo, oferecendo liberdade a que cada participante flua de acordo com o seu próprio ritmo.

O propósito básico de Nisargan é desmistificar a meditação, tornando-a acessível, prazerosa e de fácil aplicação, permitindo assim que no cotidiano seus praticantes se desloquem dos pensamentos incessantes para a preenchedora PRESENÇA.





Sobre Osho:

"Minha primeira consideração é que não combina com Osho dizer que ele tem uma filosofia. Filosofia é algo que vem do intelecto, e toda a mensagem do Osho não vem do intelecto e não tem interesse em ativar nosso intelecto.


Osho é (foi) um Mestre Iluminado Revolucionário que fez questão de se contradizer, para que não ficássemos presos às suas palavras e inclusive tivéssemos liberdade de não concordar com o conteúdo do que ele dizia, e assim passamos a buscar mais intensamente o mestre interno que todos nós temos e, aos poucos, nos libertemos do apego a mestres externos, inclusive dele.

Por exemplo, se um dia você ouve dele que Jesus Cristo é um grande Mestre Espiritual, mencionando a fala de Jesus e enaltecendo a sua mensagem, e em outro dia você ouve dele que Jesus Cristo é um esquizofrênico, entre outros adjetivos depreciativos, com qual mensagem você ficaria? Você ficaria com a sua própria, mas agora vinda de você mesma e sem poder sustentá-la com as palavras do Mestre.

Ou você poderia sair correndo e nunca mais querer se envolver com o Osho, principalmente se uma das mensagens contradiz a sua crença. Nesse caso, você estaria mais apegada à sua crença do que ligado ao Osho que está além das palavras.

E o Osho fazia isto sempre: intencionalmente afugentava pessoas apegadas às suas crenças, às vezes afugentando em um só golpe centenas ou milhares delas, a fim de dar espaço para que se aproximassem pessoas mais interessadas em vivenciar do que em crer.




Ele é um Mestre Iluminado Revolucionário que aponta claramente os truques das religiões para manterem seus seguidores dependentes, temerosos e, portanto, impotentes, e apontando também o conchave entre sacerdotes e políticos.


Sobre Meditação:




"Meditação é algo mais simples do que normalmente muitas pessoas imaginam. Meditação é estar presente. Todos temos momentos de presença, o que já dá a base necessária para que todos vivam a meditação. Ter momentos de presença nada mais é do que ter percepções do aqui e agora.

Só que nossas percepções são intercaladas com pensamentos diversos. Temos em média 50 a 60 mil pensamentos desnecessários por dia. E há uma relação inversa entre perceber o aqui e agora e pensar. Quando pensamos não percebemos e quando percebemos não pensamos…



De uma maneira mais completa, meditação é manter percepções do aqui e agora sem pensamentos intercalados pelo período que mantemos essas percepções.

O período pode ser curto, alguns segundos, ou quase um minuto, ou um pouco mais… O importante é: sempre que por um determinado período mantemos percepções do aqui e agora sem pensamentos intercalados, estamos meditando.

Como todos sabem ter percepção do aqui e agora pontualmente, isto é, por um instante, o ponto é “esticar” este instante e ter cada vez mais instantes contínuos de presença.

Isso pode realmente simplesmente acontecer, mas um meditador é aquele que faz acontecer, isto é, ele se mobiliza a isso, e quanto mais ele se mobiliza, mais ele efetivamente amplia os momentos de presença.Posso falar dos benefícios, mas eu falar não vai mudar muita coisa. O importante é vivenciar a presença contínua e perceber a diferença que ela faz em nossas vidas.




A presença contínua gera transformação, isto é, fazermos algo de uma maneira inconsciente e fazermos a mesma coisa mantendo a percepção do aqui e agora contínua gera atitudes e comportamentos bem diferentes. É experimentar e comparar… Às vezes as diferenças são sutis, mas significativas, e nem sempre é fácil perceber essas sutilezas; e às vezes a diferença é evidente…

Minha experiência: quanto mais percebo a diferença entre estar presente de uma maneira contínua e estar ausente, mais me motivo a me aprofundar em meditação!

Para mim, a mensagem central é: a verdadeira busca é a interna, ou seja, a busca do aflorar da própria Presença, e o caminho para isso não é através do intelecto."









Baseado nas seguintes Fontes:
http://espacopresenca.com.br/
http://lindasgerais.blogspot.com.br/2014/09/espaco-presenca.html
http://camaleao.org/vale-do-paraiba/tradutor-de-osho-brasil-relaciona-vegetarianismo-e-meditacao/

Nenhum comentário:

Postar um comentário