terça-feira, 29 de setembro de 2015

VIDA EM MARTE?




Depois de um enorme suspense, a NASA confirmou as principais suspeitas: muito provavelmente há água líquida em Marte atualmente. A constatação torna a noção de vida no planeta vermelho ainda mais plausível. 

Então era essa a grande revelação? Alguém, em sã consciência no planeta terra, ainda tinha alguma dúvida sobre essa obvia constatação?


A existência ou não de água em Marte tem sido tema de debate por anos entre cientistas. No entanto segundo a Nasa, Marte pode ter oferecido condições para suportar a vida muito antes do que se imaginava. 

Até pouco tempo, sempre se cogitou que este período considerado habitável do planeta tivesse ocorrido há centenas de milhares de anos, uma “janela” considerada muito pequena para os padrões da origem da vida. Diante das novas descobertas reveladas pela Nasa, essa contagem mudou drasticamente.

"Marte não é o planeta seco que pensávamos. Em certas circunstâncias, existe água líquida em Marte", disse Jim Green, diretor de ciência planetária da Nasa, em anúncio nesta segunda-feira 28/09/2015.

Linhas que aparecem e somem em montanhas de Marte são formadas por água salgada escorrendo, indica novo estudo da Nasa (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)

Em uma entrevista coletiva, cientistas da agência espacial americana afirmam que manchas escuras observadas na superfície de Marte podem estar ligadas à existência de água corrente durante o verão no planeta.

"Precisamos de múltiplas espaçonaves durante muitos anos para resolver esse mistério, e agora sabemos que há água líquida na superfície deste planeta frio e deserto", afirmou Michael Meyer, cientista-chefe do programa de exploração de Marte da Nasa, durante a coletiva.


Essas manchas escuras estão provavelmente ligadas à existência de água corrente no planeta.


"Essas manchas se formam no fim da primavera, aumentam no verão e somem no outono. Por 40 anos, não pudemos explicar por que elas existiam", afirmou Green.

"Marte sofreu uma enorme mudança climática e perdeu sua água. Mas há muito mais umidade no ar do que jamais havíamos imaginado."

Dados do satélite Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) mostram que as linhas escuras, que aparecem em declives marcianos, estão associadas a depósitos de sal, que podem alterar os pontos de congelamento e evaporação da água, fazendo com que ela fique líquida por tempo suficiente para se mover. Sem isso, a água congelaria nas baixas temperaturas do planeta.

Monte no centro da cratera Horowitz com linhas recorrentes em Marte (Foto: Nasa/JPL/Universidade do Arizona)

A aparente existência de água líquida e corrente aumenta a possibilidade de que micróbios também possam existir hoje – ou ter existido – no planeta vermelho, segundo os cientistas.

A descoberta também tem implicações para os planos de enviar astronautas a Marte, já que a identificação de córregos perto da superfície poderia facilitar o estabelecimento de colônias.


Lujendra Ojha
Minutos antes do anúncio, o estudo de Lujendra Ojha, do Instituto de Tecnologia da Georgia, nos Estados Unidos, foi divulgado na publicação científica Nature Geoscience.

"Nossas descobertas apoiam fortemente a hipótese de que as linhas recorrentes em declives se formam como resultado de atividade contemporânea de água em Marte", afirma o estudo, esclarecendo que "a origem da água que forma as atuais linhas em declives ainda não foi compreendida".

A importância da descoberta está sendo realçada pelo que os cientistas escreveram. "Determinar se água líquida existe na superfície marciana é central para a compreensão do ciclo hidrológico e para o potencial da existência de vida em Marte", escreveu Ojha em estudo publicado na revista "Nature Geoscience".

"A água é essencial para a vida como a conhecemos. A presença de água líquida em Marte hoje tem implicações astrobiológicas, geológicas e hidrológicas que podem afetar a futura exploração humana."



As imagens divulgadas pela agência espacial mostram penhascos e paredões em vales e crateras, marcados por linhas que podem se estender por centenas de metros durante o verão marciano. Em alguns pontos, as linhas se combinam formando padrões intrincados.

Os cientistas ainda não sabem de onde poderia vir a água, mas o estudo levanta possibilidades, ainda não comprovadas, como a de que ela venha de aquíferos salgados, se condense a partir da fina atmosfera marciana, ou mesmo de uma combinação de ambos os fatores, em diferentes partes do planeta.

O pesquisador Alfred McEwen, membro da equipe de pesquisadores do MRO e professor de geologia planetária na Universidade do Arizona, afirma que ainda não foi encontrada "água parada" no planeta, mas, sim, camadas finas de solo molhado. "Essa água é mais salgada do que a dos oceanos da Terra", afirmou.

Três espaçonaves devem ir a Marte nos próximos três anos. Uma delas é o veículo ExoMars, da agência espacial europeia (ESA), que vai perfurar a superfície do planeta para buscar vestígios de vida.

De acordo com John Grunsfeld, chefe da equipe científica da Nasa, Marte já foi um planeta "muito parecido com a Terra, com mares salgados e mornos e lagos de água fresca".

"Mas algo aconteceu com Marte, que perdeu sua água. Será que já houve vida no planeta e podemos descobrir isso?"

Pesquisadores já haviam encontrado provas de que o planeta tinha água congelada em seus polos, em sua fina atmosfera e, mais recentemente, em pequenas poças que pareciam se formar à noite na superfície.

Em março, a Nasa revelou ter descoberto que um vasto oceano pode ter ocupado quase metade do hemisfério norte do planeta.

Imagem cedida pela Nasa


De acordo com os pesquisadores, o oceano teria existido por cerca de 1,5 bilhão de anos, mas, com o tempo, a atmosfera do país ficou mais fina, e a queda na pressão do ar fez com que mais água fosse perdida para o oceano.

O planeta também teria perdido a maior parte de seu isolamento térmico e, sem calor suficiente para manter a água líquida, o oceano diminuiu e acabou congelando. 

Hoje, apenas cerca de 13% da água permaneceria, congelada nos polos marcianos.

Em abril, a agência espacial divulgou que o veículo Curiosity encontrou informações que mostravam a existência de água bem salgada – uma espécie de salmoura – no solo marciano.



O que isso significa?

O estudo da NASA acaba de ser publicado na Nature Geosciences e mostra o que muitos já devem estar esperando. A comprovação de que existe água em Marte faz com que aumentem as chances de se encontrar vida no Planeta Vermelho. 

Com as condições atmosféricas que podemos observar atualmente, é bem provável que existam microrganismos por lá .

Lujendra Ojha foi bem enfático na publicação: "Não estamos falando de vida como a terrestre, mas formas adaptadas à alta concentração de sais são uma grande possibilidade". Quais serão as próximas descobertas?

Segundo Eduardo Cypriano, Professor do Departamento de Astronomia da USP: "Já haviam sido encontradas evidências da existência de vapor dágua e gelo em Marte, mas nunca haviam sido apresentados indícios fortes de que este planeta pode ter água em estado líquido.

Dessa vez, os cientistas da Nasa fizeram uma análise do especto luminoso da superfície de Marte e concluíram que o padrão desse espectro corresponde ao de um determinado sal hidratado – ou seja, sal e água em estado líquido. 

A descoberta é importante por que a água líquida é um meio facilitador de uma série de reações químicas essenciais a vida. Então, podemos dizer que ela aumenta a esperança de que se possa encontrar algum tipo de vida em Marte. "



Assim, a descoberta é extremamente importante, já que ela abre portas para outra questão: é possível ter vida em Marte?

"A presença de água em estado líquido na superfície de Marte aponta que há ambientes que são mais habitáveis do que se pensava”, disse Lujendra Ojha, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, e membro do estudo ao site Space.

Quais são as evidências?

Neste momento, os cientistas estão tratando as evidências como indiretas, mas extremamente confiáveis.

A descoberta veio após pesquisas sobre linhas escuras em Marte. Elas eram chamadas de inclinações lineares recorrentes, por aparecerem sazonalmente em encostas marcianas quentes e relativamente íngremes.

A novidade anunciada faz parte de um conjunto de evidências de que essas linhas provavelmente foram formadas por água líquida salgada.

Isso foi identificado graças ao rastro químico deixado pela água. “Tudo que está fluindo em Marte está hidratando o sal e nós estamos vendo a hidratação como uma assinatura espectral”, disse Ojha ao site da Wired.


“Algo está hidratando estes sais, e parece ser estas faixas que vêm e vão com as estações do ano”, disse Ojha em um comunicado. “Isto significa que a água em Marte é salgada, e não pura. Faz sentido, porque sais diminuem o ponto de congelamento da água. Mesmo se a água está ligeiramente no subsolo, onde é ainda mais frio do que a superfície, os sais mantém a água em forma líquida e a permitem fluir pelas encostas marcianas “.



A descoberta da equipe é que os sais tinham moléculas de água intercaladas em suas estruturas cristalinas. Para os cientistas, isto é uma evidência muito forte de que eles foram depositados por água corrente. 

De onde vem?

O grande mistério agora é descobrir de onde a água está saindo. A equipe já tem algumas hipóteses. A primeira é que a água está congelada sob a superfície. Com o calor, o gelo derreteria e subiria à superfície.

Outra hipótese é que o sal possa ter absorvido a umidade da atmosfera de Marte para criar água em estado líquido. Uma terceira possibilidade é a existência de aquíferos subterrâneos.


Missões anteriores já sugeriam que Marte tinha um passado aquoso. Cientistas haviam encontrado pontos que acreditavam ser antigos leitos de rios, por exemplo.

A NASA atesta que conseguiu encontrar evidência de que a própria água flui por lá — não apenas as substâncias salinas. A Agência revela que é possível afirmar que a água na superfície de Marte flui periodicamente. Os sais já mencionados são cloratos e percloratos, que possuem a capacidade de reter a água e evitar que ela seja evaporada tão rapidamente.

Sabe-se com certeza que Marte no passado era um planeta muito mais quente e úmido. Pode até mesmo ter sido coberto por um oceano global. Mas por anos os cientistas têm debatido se a água líquida pode existir na superfície marciana frígida e seca hoje. 


Se a água líquida em Marte existe nos dias atuais, reforça substancialmente o caso para a vida microbiana. Aqui na Terra, no deserto de Atacama, sabemos que a deliquescência de certos sais oferece o único refúgio conhecido para comunidades microbianas ativas.










Baseado nas seguintes fontes:
http://misteriosdomundo.org/nasa-anuncia-descoberta-de-agua-salgada-liquida-em-marte/
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150928_marte_descobertas_cc
http://www.tecmundo.com.br/nasa/87131-nasa-confirma-existe-agua-marte-ela-parecida-nossa.htm

Um comentário:

  1. Imagine que um grande meteoro está em rota de colisão com a Terra, a NASA manter os povos em desenvolvimento bem alimentados não vai evitar essa tragédia, todos morreremos.
    Por outro lado se a NASA desenvolver um sistema para desviar esse meteoro a vida continua para TODOS.
    Quando for criticar as pesquisas dos povos melhor adaptados...PENSE NISSO.
    Mais cedo ou mais tarde esse planeta será destruído e é pouco provável que seja por uma ação nossa, lembre-se que o Universo até onde podemos enxergar é DESOLAÇÃO.
    Quero dizer que um dia precisaremos de uma nova casa ou evitar a destruição dessa, se você faz parte das mentes que só vivem o hoje...tudo bem, eu faço parte das mentes que planejam o amanhã, cada macaco no seu galho.
    Quem quiser um galho melhor busque CONHECIMENTO E SABEDORIA!

    http://terapiadalogica.blogspot.com.br/2013/07/espaco-fronteira-final.html
    _________________

    ResponderExcluir