terça-feira, 8 de setembro de 2015

A BUSCA E A EXPERIÊNCIA DE SI MESMO



Uma ideia experiencial muito comum dominando a maior parte do mundo espiritual é que a Iluminação seja uma experiencia mistica, e que é preciso uma técnica de meditação especial ou um campo ou transmissão de energia para produzir experiências como unidade, não-mente ou samadhi. 

Além disso, acredita-se que o complexo corpo-mente-ego precisa ser transcendido a fim de que alguém possa acessar o experimento ao Ser Universal (Consciência Pura).



Vedanta – que significa “a meta de todo o conhecimento” –  e nossas próprias vivências comuns e cotidianas confirmam que a experiência é por natureza temporária e portanto, impermanente. 

Vedanta também prova que o Ser, a Consciência Pura que todos nós somos, está sempre presente, sem um começo e um fim, e portanto, absolutamente permanente – o único fator constante na existência. 


Assim, em todo e qualquer tempo, estamos experienciando a nós mesmos.

Na verdade, porque toda e qualquer experiência é sempre temporária e impermanente, experiências especiais, tais como unidade, samadhi ou não-mente sempre produzirão frustração na mente do experienciador. 

A única coisa necessária para haver a experiência permanente do Ser é a compreensão de que cada experiência é sempre o Ser Universal experienciando a si mesmo, porque sua natureza é não-dualista.


Se esse entendimento frutifica como um conhecimento direto, o buscador não precisa mais sofrer a agitação, a ansiedade e a frustração de tentar fazer com que uma certa experiência permaneça, porque alem do mais, isso é contra as leis que regem o universo.

Experiência é o Ser, aparentemente fazendo contato com objetos de experiencia e é sempre um fluxo em constante mudança. 


No entanto, o Ser Universal, que é “você” em sua Essência e Consciência, é imutável, eterno, e sempre presente.

Nagarjuna Anand





Fonte:http://estaremsi.com.br/a-busca-e-a-experiencia-de-si-mesmo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário