quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Uma Transmissão de Rádio Alienígena?



Antes de o homem pisar na lua, muitos cientistas já dedicavam boa parte de seus estudos a tentar algum tipo de contato extraterrestre, até mesmo a muitos anos-luz de distância do Planeta Azul, principalmente quem faz ou fazia parte do misterioso SETI (Search for Extra-Terrestrial Intelligence), com o intuito claro de ser um instituto caçador de aliens, assim como de outras coisas também.

Por quase uma década, os astrônomos estão intrigados com poderosas rajadas energéticas de rádio que parecem estar vindo de bilhões de anos-luz de distância. 

Recentemente, recebemos relatos de uma nova página a este mistério: As explosões parecem seguir um padrão matemático, um que não se alinha com qualquer coisa que sabemos sobre a física cósmica.


E, claro, quando ouvimos “padrão matemático”, “transmissão de rádio,” e “espaço exterior”, não podemos deixar de pensar em alienígenas. Será?

Desde 2007, os telescópios registraram quase uma dúzia de chamadas “explosões de rádio rápidas”, pulsos que duram apenas milissegundos, mas entram em erupção com tanta energia quanto o sol lança em um mês. 

O fenômeno batizado de "Fast Radio Burst" (explosão rápida de rádio, em português) foi detectado também na Austrália quando astrônomos estavam revisando dados do radiotelescópio Parkes. 

Depois desse dia, outros seis casos foram relatados pelo mesmo equipamento e outro descoberto através do radiotelescópio Arecibo, em Porto Rico. 

O FRB dura apenas alguns milissegundos, então só é possível identificar a sua presença posteriormente. 


Estudos mostram que as chamadas “explosões rápidas de rádio” seguem um padrão matemático estranhamente específico, algo “muito difícil de explicar”. 

“Há algo realmente interessante que precisamos entender”, diz o coautor Michael Hippke, cientista do Instituto de Análise de Dados em Neukirchen-Vluyn, Alemanha. 

“Isto será ou uma nova manifestação física, como um novo tipo de pulsar, ou, no final, se conseguirmos excluir tudo o mais, um ET”.

De onde elas poderiam estar vindo? 



Para descobrir isso, um grupo de pesquisadores se aproveitou de um princípio simples: que as ondas de rádio de frequência mais elevada encontram menos interferência enquanto atravessam o espaço, e são detectadas pelos nossos telescópios mais cedo do que as ondas de baixa frequência. 

O atraso de tempo, ou “medida de dispersão”, entre as ondas de rádio de frequência mais elevadas e mais baixas a partir do mesmo evento pode ser utilizado para determinar a distância percorrida pelas ondas.


Aqui é onde as coisas ficam estranhas. Quando os pesquisadores calcularam a distância de dispersão para cada uma das onze rajadas rápidas de rádio, eles descobriram que cada distância é um número inteiro múltiplo de um número único: 187,5. Quando plotados em um gráfico, os pontos formam um padrão impressionante.

Uma explicação é que as rajadas são provenientes de diferentes fontes, todas em intervalos regularmente espaçados entre a Terra, bilhões de anos-luz de distância. 

Elas também podem ser causadas por um pequeno objeto cósmico muito mais perto de casa, como uma estrela pulsar, comportando-se de acordo com algum tipo de física que ainda não compreendemos. 

E depois há a possibilidade de que os alienígenas estão tentando se comunicar, emitindo padrões numéricos simples para o espaço.


Os cientistas dizem que o sinal não se assemelha a qualquer forma de comunicação usada na Terra.

A verdade é que qualquer uma das hipóteses acima pode ser real, ou talvez, nenhuma esteja correta. O fato é que os cientistas simplesmente não entenderam nada sobre esses misteriosos sinais de rádio.

Para a pesquisa, Michael Hippke, cientista do Instituto de Análise de Dados em Neukirchen-Vluyn - Alemanha e seus colegas, analisaram 11 explosões detectadas desde 2007, a última das quais foi capturada pelo radiotelescópio Parkes em maio de 2014.

Para ele, os pulsos provavelmente são gerados por uma fonte ainda não identificada aqui da Terra que emite ondas de rádio de curta frequência seguidas por aquelas de alta freqüência – talvez algo tão simples como uma estação base de telefonia móvel. 

Se a explicação não for essa, é possível que elas venham de um tipo de objeto cósmico novo e desconhecido no espaço profundo.


No entanto, onze pontos de dados é uma pequena amostra definida para tirar quaisquer conclusões significativas a partir dela. Um punhado de observações desviantes poderia causar todo o padrão.


E isso é exatamente o que parece estar acontecendo. Como Nadia Drake relata para a National Geographic, as observações mais recentes (ainda não publicadas em relatórios científicos) não se encaixam.

“Há cinco explosões de rádio rápidas a serem reportadas”, diz Michael Kramer, do Instituto Max Planck da Alemanha para Radioastronomia. “Elas não se encaixam no padrão”.


Ao trabalhar com uma quantidade limitada de dados – por exemplo, uma população de 11 rajadas de rádio rápidas – é fácil desenhar linhas que ligam os pontos. Muitas vezes, porém, essas linhas desaparecem quando mais pontos são adicionados.

“Minha previsão é que esse padrão será lavado muito rapidamente, uma vez que novas rajadas rápidas de rádio são registradas”, diz Kramer. “É um bom exemplo de como, aparentemente, resultados significativos podem ser encontrados em conjuntos de dados esparsos.”

Essas emissões de rádio misteriosas estão deixando muitos cientistas de "cabelo em pé", e o que poderia estar causando isso parece ser um grande mistério.


"Se é um sinal, certamente não é uma mensagem, exceto se for um 'olá, estamos aqui!'. Essas explosões de rádio rápidas não podem codificar muitos bits. Mas há tantas outras possibilidades, que acredito que atribuir algo que não entendemos à vida extraterrestre é um pouco prematuro", diz Seth Shostak, astrônomo sênior e diretor do Centro para Pesquisa SETI (Projeto de Busca por Inteligência Extraterrestre na sigla em inglês).

“Estas explosões rápidas de rádio poderiam concebivelmente ser ‘alertas’ de outras sociedades, tentando levar a uma resposta de qualquer vida inteligente que esteja equipada com tecnologia de rádio”, pondera Seth Shostak, que não esteve envolvido no estudo. “Por outro lado, elas também poderiam ser fenômenos perfeitamente naturais e astrofísicos”.

Isso é um tanto decepcionante, claro, mas ainda assim, estas explosões são fascinantes, e ainda assim são um mistério, uma vez que não sabemos o que as estão causando.


Se tem alguma coisa que ficou clara em toda essa história, é o fato de que temos muito que aprender sobre os padrões cósmicos, e que o Universo ainda deve continuar nos surpreendendo por muito tempo.






Fontes:http://misteriosdomundo.org/eis-uma-transmissao-de-radio-alienigena/
http://hypescience.com/aliens-estao-nos-mandando-sinais-de-radio/
http://www.galeriadometeorito.com/2015/04/contato-extraterrestre-sinais-radio-galaxia.html#.VdIpLfnF-T8

Nenhum comentário:

Postar um comentário