quarta-feira, 26 de agosto de 2015

O Pequeno Príncipe era um ET?



O Pequeno Príncipe é um extraterrestre, vem de outro planeta. 

Não, ele não era um homenzinho verde de olhos amendoados. Nem era um monstro com mil tentáculos ou cuspindo ácido. Era apenas um belo menininho.




Mas, sem sobra de dúvida é o ET mais famoso da história da literatura mundial. Ao ler o livro, magnificamente escrito, ninguém duvida que aquele pequeno ser, não pertence a terra. Saint-Exupéry introduz o conceito alienígena, de forma poética e lúdica.

Sua simbologia, retrata toda amorosidade transmitida pelos seres que, embora encarnados, não se comportam como os que aqui estão. 



Ao contrario dos filmes e livros de ficção cientifica,  O Pequeno Príncipe nos apresenta os seres de LUZ. São seres de planetas mais evoluídos que estão na terra, para transmitir uma mensagem de amor e união.

Esse doce alien é um dos personagens mais famosos e queridos de todos os tempos, que empolga crianças e adultos com ensinamentos inesquecíveis. Sua história deixa marcas pela forma simples de suas mensagens de otimismo, simplicidade e amor ao nosso planeta. 




E é sabido que em 1942, época em que esta encantadora história começou a ser escrita, começaram a proliferar as notícias de OVNI, cuja quantidade aumenta grandemente após o fim da guerra (Segunda Guerra Mundial).

Durante a Segunda Guerra Mundial foram observados na Suécia misteriosos projéteis, que se supunha terem sido inventados pelos russos; também luzes que acompanhavam os aparelhos de bombardeio aliados, em suas incursões à Alemanha.




Logo se seguiram as profusas observações de pós-guerra nos EUA, até chegar ao conhecido caso Adamski, em 1952, que disse ter viajado à Lua em uma nave tripulada por venusianos. 




O Livro "Flying Saucers Have Landed" narra o suposto encontro de Adamski com uma inteligência extraterrestre em 20 de Novembro de 1952, no deserto do Colorado. 

Este ET, apelidado posteriormente de "Orthon" era o único ocupante de um pequeno disco voador que emergiu de uma gigantesca "nave-mãe" em formato de charuto. 





Orthon desceu no deserto, próximo ao local onde Adamski estava com um grupo de amigos e alunos, e, através de gestos e telepatia, explicou que era oriundo de Vênus e que seus concidadãos estariam preocupados com o desenvolvimento de armas nucleares e a incapacidade dos terrestres em promover seu próprio crescimento espiritual.




Em abril de 1943  Saint-Exupéry publica "O Pequeno Príncipe".  No Livro, seu avião tem uma pane no deserto do Saara. Alguma coisa se quebrara no motor, quando conhece "um pedacinho de gente inteiramente extraordinário."

A estranha coincidência entre a narrativa de Adamski e a de Exupéry suscita polêmicas até os dias de hoje.



N'O Pequeno Príncipe, diz o narrador: "tenho sérias razões para pensar que o planeta de onde vem O Pequeno Príncipe é o asteroide B612." 

A grande maioria dos asteroides descobertos até agora está numa região exatamente entre as órbitas de Marte e Júpiter. Na verdade não existe um asteroide B612, mas sim o 612, cujo nome é Verônica, um nome de mulher, e, além disso, é também uma planta herbácea de flores azuis. 



Na obra, o Pequeno Príncipe tem uma relação intensa com uma flor que "havia germinado de uma semente trazida de sabe-se lá onde"- de outro planeta? 

Na carta de Saint-Exupéry, o significado etimológico desta última palavra é "não lugar". Podemos relacionar a flor com uma Vênus que vem de um não lugar. 

Isto se vê também em indivíduos com pouco enraizamento na Terra, cuja consciência está em algum não lugar fora da terra, ou seja, extraterrestre. 



O Pequeno príncipe seria portanto um ser de luz, oriundo de outro planeta. Esteve conosco para nos transmitir toda sua sabedoria, representada através da ingenuidade de uma criança.

Nosso homenzinho parte, abandonando a flor e o planeta. É como se seu amor frustrado lhe tivesse servido de incentivo para afastar-se do lar e chegar finalmente à Terra. 

Mas a flor é também um simbolo do renascimento primaveril e da totalidade em sua manifestação plena, e nesta história funciona como um indicador do processo por desenvolver.

O Pequeno Principe não era um humano mas sim um extraterrestre, que viajava pelo espaço através de cometas, ou pássaros selvagens do espaço (essa era a suspeita do piloto). 


O Pequeno Príncipe é um ser que nos remete ao princípio, ao paraíso terrestre original, razão pela qual, ao voltar a seu asteroide, é picado por uma serpente, que é como o ouroboros da alquimia, a serpente que morde a própria cauda, que é a roda interminável da origem sempre voltando para si mesma, e assim se fazendo eterna. 

Por outro lado a serpente também pode ser a astúcia da terra que nos pica, e esta é outra vertente do mesmo símbolo. 

Mas, ao ser picado pela cobra, nosso pequeno extra terrestre não morreu.

São dois os motivos que levam a crer que ele não morreu, o primeiro é: quando ele tem o primeiro encontro com a serpente, ela diz a ele que era a criatura mais poderosa da terra que tudo que ela tocava morria, que podia matar até um rei, mas não podia matar ele, pois ele era um ser puro. 


O segundo é: quando se despede do piloto do avião ele diz que ele parecerá estar sofrendo, parecerá que estarei morrendo, mas não se preocupe estarei bem, pois acontece que é muito longe de onde venho, e não posso carregar esse corpo. 

Ou seja a cobra apenas faria o espirito dele viajar de volta para o planeta dele que era bem pequenino o asteróide B-632. E se observarmos bem há ainda um terceiro motivo que nos leva a crer que ele não morreu. 

No finzinho do livro o piloto desenha o lugar onde o príncipezinho apareceu na terra que é aproximadamente na África no meio do deserto do Saara, e ele diz: "Foi aqui que o principezinho apareceu na terra a alguns anos, se algum dia alguém passar por ali e o ver diga que estou morrendo de saudades, e desenharei uma fucinheira para o seu carneiro."



Guiado pelas estrelas Antoine de Saint-Exupéry, viajou pelo mundo, decifrou o céu, criou laços entre as pessoas. Diminuindo as distâncias, fez o mundo parecer menor. Escrevendo, fez do nosso planeta, um mundo maior.


O Pequeno Príncipe nos convida a olhar com atenção o planeta que habitamos, cheio de presentes oferecidos pela natureza. Presentes aparentes ou escondidos, renováveis ou limitados. 


Mas todos eles revelam segredos quando os observamos com o olhar cristalino de uma criança.

Estrelas que sabem sorrir.




Antoine de Saint-Exupéry resgatou a criança que existe em cada um de nós, através de um ET, com encanto, ética e beleza.










Fontes:http://www.constelar.com.br/constelar/108_junho07/pequenoprincipe3.php
http://www.opequenoprincipe.com/historia.html
http://singrandohorizontes.blogspot.com.br/2008/06/o-pequeno-prncipe-anlise-sob-o-olhar-da.html

3 comentários:

  1. nossa era marca um passo muito grande de evolução...

    ResponderExcluir
  2. Olá,eu adorei o seu post sobre o Pequeno príncipe ficou muito legal!
    Eu tenho um blog totalmente dedicado ao nosso principezinho se quiser fazer uma visita eu ficarei feliz! Beijos.
    http://opequenoprincipe-e-eu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir