quarta-feira, 29 de julho de 2015

NASA descobre um planeta muito similar à Terra



A agência espacial NASA, vinha fazendo um grande suspense desde o dia 22/07/2015, sobre uma nova revelação para a humanidade


Finalmente, A NASA anunciou uma descoberta incrível: seu telescópio espacial Kepler descobriu um planeta semelhante em tamanho à Terra, com a distância ideal de uma estrela maior que possibilita a existência de água líquida e, portanto, vida como a conhecemos. Se trata, portanto, de um "planeta gêmeo" da Terra, uma "espécie de primo mais velho" do nosso mundo.

Na conferência de imprensa divulgada , a NASA anunciou que agora acredita na existência de vários outros planetas similares à Terra, os quais poderiam abrigar a vida. 



A "nova Terra" foi batizada de "Kepler 452B".
Kepler-452B foi chamado pelos cientistas de "primo distante" da Terra. Ele é 60% maior e tem boa chance de ser rochoso, embora sua massa e composição ainda não tenham sido determinados. Esse exoplaneta apresenta características muito similares às da Terra e orbita uma estrela semelhante ao Sol. 

Ele demora 385 dias para dar uma volta completa ao redor de sua estrela, chamada de Kepler-452, astro do sistema que está a 1.400 anos-luz de distância da Terra.


John Grunsfeld, que é administrador associado do Diretorado de Missão Científica da NASA em Washington, disse: “No vigésimo aniversário da descoberta que provou que outros sóis abrigam planetas, o explorador de exoplanetas Kepler descobriu um planeta e uma estrela que mais se assemelham à nossa Terra e ao nosso Sol”.

"Os anos no Kepler 452B tem quase a mesma duração que aqui na Terra e ele está há milhares de anos na "zona habitável" de sua estrela. Isso significa que pode ter hospedado vida sobre sua superfície em um certo momento ou que ainda pode hospedá-la", destacou Grunsfeld. "Essa possibilidade é real!"

O recém descoberto planeta, chamado de ‘Kepler-452b, é o menor planeta já descoberto orbitando na zona habitável de uma estrela do tipo G2, como o nosso Sol.  

A zona habitável é a região ao redor de uma estrela onde a temperatura é adequada para manter a água no estado líquido.


Essa estrela é um pouco mais velha que o Sol (tem "só" 1,5 bilhão de anos a mais), tem a mesma temperatura, é 20% mais brilhante e possui um diâmetro 10% maior.


Em comunicado divulgado pela Nasa, Jon Jenkins, chefe do projeto do satélite Kepler, disse que a descoberta fornece uma oportunidade de entender e refletir sobre o ambiente em evolução da Terra.

John Jenkins, o chefe de análise de dados do telescópio, disse na conferência: “Ele despendeu seis bilhões de anos na zona habitável – mais do que a idade da Terra – e um tempo considerável para a vida surgir em algum lugar na terra ou no oceano. Há uma chance melhor do que nunca dele ser rochoso. É um outro lugar que alguém pode chamar de lar“.


Ele ainda adicionou: “…Sabemos agora que estes planetas são comuns através da galáxia, assim certamente mais serão descobertos”


“É inspirador considerar que este planeta despendeu seis bilhões de anos na zona habitável de sua estrela; mais do que a Terra.  Isso é uma oportunidade substancial para a vida surgir, se todas as condições e ingredientes necessários para vida existirem neste planeta“, disse ainda Jenkins.

Além de confirmar a existência do Kepler-452b, a equipe de pesquisadores aumentou o número de novos candidatos a exoplanetas em 521, a partir de sua análise das observações conduzidas de maio de 2009 a maio de 2013, levantando o número de candidatos a exoplanetas detectados pela missão Kepler para 4.696.

Estes candidatos a planetas ainda requerem maiores análises e observações para verificar se são realmente planetas.

Jeff Coughlin, disse: “Conseguimos automatizar por completo nosso processo de identificação de candidatos a planetas, o que significa que podemos finalmente avaliar rapidamente e uniformemente cada trânsito em todo o conjunto de dados Kepler. Isto dá aos astrônomos uma população concreta de candidatos a planetas, para a determinação do número de pequenos planetas, possivelmente rochosos como a Terra, em nossa galáxia, a Via Láctea“.

 Telescópio espacial Kepler 


A busca de planetas similares à Terra é uma das maiores aventuras na pesquisa espacial, e embora já tenham sido detectadas centenas de planetas do tamanho do nosso e outros menores, eles circulam em órbitas próximas demais de suas estrelas para que haja água líquida em sua superfície.






Fonte:http://verdademundial.com.br/2015/07/nasa-descobre-o-planeta-mais-similar-a-terra-ja-encontrado/
http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2015/07/nasa-encontra-planeta-similar-terra-em-potencial-zona-habitavel.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário