sábado, 27 de junho de 2015

AGROTÓXICOS E CÂNCER: ATÉ QUANDO?



Finalmente o assunto recebeu a divulgação que merece. No Dia Mundial da Saúde, 8 de abril, o veneno que está em nossa mesa foi apontado pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer) como causador de vários tipos de câncer – e a informação, sempre abafada, chegou aos telejornais. 

Relatório sobre o uso de agrotóxicos nas lavouras alerta para a gravidade do problema para a natureza, os trabalhadores e toda a população. O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo: mais de um milhão de toneladas por ano, ou 5,2 kg por habitante.

O mundo tem usufruído muito do boom de cultivo de alimentos no Brasil. A população deve crescer quase 30 por cento ao longo das próximas três décadas, o que representa outros 2 bilhões de bocas para alimentar.


O crescente setor agrícola do Brasil será uma fonte crucial na alimentação. Mas em razão de sua luz solar equatorial, do clima e das plantações que vicejam o ano todo, o Brasil também é um terreno fértil para insetos, fungos e ervas daninhas – e os agricultores aplicam cada vez mais agrotóxicos para mantê-los sob controle.



Cerca de 280 estudos sobre a relação entre câncer e pesticidas vêm sendo publicados anualmente em revistas científicas internacionais – ressaltou o pesquisador do Inca "Luiz Felipe Ribeiro Pinto", no lançamento do documento – quatro vezes mais que vinte anos atrás. 

O Inca recomenda criar políticas de controle e combate desses produtos, cujos fabricantes são isentos de impostos, para proteger a saúde da população. 

Apoia o consumo de alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos, e reivindica políticas públicas que apoiem a agroecologia com mais recursos – hoje, muito menores que os carreados para o agronegócio.

Recorda que o país isenta de impostos a indústria produtora de agrotóxicos. Alerta que o Brasil permite o uso de agrotóxicos proibidos em outros países.



Não há mais como esconder, a associação de vários tipos de câncer, com o uso indiscriminado de agrotóxicos no Brasil.

“No Brasil, a venda de agrotóxicos saltou de US$ 2 bilhões para mais de US$7 bilhões entre 2001 e 2008, alcançando valores recordes de US$ 8,5 bilhões em 2011. Assim, já em 2014, alcançamos a indesejável posição de maior consumidor mundial de agrotóxicos, ultrapassando a marca de 2 milhão de toneladas, o que equivale a um consumo médio de 8,2 kg de veneno agrícola por habitante”, informa o Inca.



Contudo, são venenos para nós e o ambiente. Para quem trabalha em contato direto com eles, o risco é de intoxicação aguda, caracterizada por irritação da pele e olhos, coceiras, dificuldades respiratórias, convulsões e até morte. 


Já quem ingere – os 99% da população brasileira – pode ter intoxicação crônica, que demora vários anos para aparecer, resultando em infertilidade, impotência, cólicas, vômitos, diarreias, espasmos, dificuldades respiratórias, abortos, malformações, neurotoxicidade, desregulação hormonal, efeitos sobre o sistema imunológico e câncer


Segundo Luiz Felipe Ribeiro Pinto, "O Inca não faz isso por achismo ou por questão ideológica. Segue as evidências cientificas, fruto do trabalho de sua equipe e de cientistas no mundo inteiro".

Pinto justifica o alerta afirmando também que a Organização Mundial de Saúde e o Inca preveem que, em 2020, o câncer se torne a principal causa de morte no Brasil. 




Para ele, os efeitos do aumento do uso de agrotóxicos nos últimos anos devem se refletir em ainda mais casos da doença em 15 ou 20 anos: "Houve uma explosão dos pesticidas. Em 10 anos, subiu oito vezes e meia o gasto econômico [com agrotóxicos], o que é um indicador disso".


Para o produtor orgânico Alcimar do Espírito Santo, há grande interesse dos agricultores em mudar sua produção para orgânica, mas hesitações econômicas ainda são um entrave. "Há toda uma cultura da agricultura convencional, em que eles já estão acostumados com seus compradores", diz ele, que explica também que a transição é difícil, porque a terra que recebia pesticidas e fertilizantes precisa "descansar" por um tempo para produzir produtos livres dessas substâncias.






“Mês passado, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc) publicou relatório no qual classificou cinco agrotóxicos como ‘provavelmente’ ou ‘possivelmente’ cancerígenos, dos quais três são permitidos no Brasil pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). 


Diante da publicação, o órgão afirmou que reavaliará a segurança dos produtos. No Brasil, além disso, pelo menos outras dez substâncias usadas na lavoura estão proibidas em países como Estados Unidos e os da União Europeia. E mesmo proibidos ou não, as evidências científicas não garantem a segurança dos agrotóxicos, critica o Inca.”

Mais impactante, o aumento do consumo se deu com a liberação e expansão das lavouras de transgênicos. 

“É importante destacar que a liberação do uso de sementes transgênicas no Brasil foi uma das responsáveis por colocar o país no primeiro lugar do ranking de consumo de agrotóxicos, uma vez que o cultivo dessas sementes geneticamente modificadas exigem o uso de grandes quantidades destes produtos.” – afirma o relatório. 

Ironicamente, um dos argumentos favoráveis a sua liberação era de que reduziriam o uso de agrotóxicos, visto que a semente geneticamente modificada vinha justamente combater as pragas de cada lavoura.




O Brasil é hoje – recorde alarmante – o segundo maior produtor mundial de transgênicos, com mais de 42 milhões de hectares plantados com sementes geneticamente modificadas: 65% do algodão, 93% da soja, 82% do milho que consumimos são transgênicos. 

Assim, podemos estar ingerindo transgênicos + veneno não apenas nos alimentos in natura, mas também em muitos produtos industrializados, tais como biscoitos, salgadinhos, pães, cereais matinais, lasanhas, pizzas e outros que tenham como ingredientes o milho e a soja, por exemplo. 


O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) se posicionou contra o modo como os agrotóxicos são usados no Brasil, recomendando sua redução em um documento de cinco páginas, no qual ressaltou os riscos dessas substâncias para a saúde e de contribuírem para a incidência de câncer.




A recomendação do instituto é que se adote "a redução progressiva e sustentada do uso de agrotóxicos", prevista no Programa Nacional de Redução de do Uso de Agrotóxicos e a produção agroecológica, segundo a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica.

O Inca explica no documento que a presença de agrotóxicos não se restringe a produtos in natura, como legumes e verduras, mas também existe em alimentos industrializados com ingredientes como trigo, milho e soja.

Unindo-se ao INCA, O IBGE e a Fundação Oswaldo Cruz, estão condenando publicamente a quantidade massiva de agrotóxicos jogados na agricultura brasileira. 



Também é público, que a maior causa da epidemia de câncer em andamento no país, tem origem nos agrotóxicos. 

E o governo já declarou que nada fará sem uma determinação internacional. A ANVISA, também nada pode fazer, pois o mesmo poder que tem para retirar remédios das prateleiras das farmácias, não o tem para remover os agrotóxicos do poderoso mercado do agronegócio,mesmo que hajam agrotóxicos falsos.

Não basta lavar os alimentos

Quando pensamos em “intoxicação crônica por agrotóxicos”, uma das primeiras coisas que nos ocorre é a sessão de hortifrúti do supermercado e cenas de reportagens indicando como lavar e armazenar bem estes alimentos. Porém, não podemos esquecer que o perigo mora também em alimentos industrializados, fabricados, por exemplo, com milho, soja e trigo. 

O Inca ressalta: “A preocupação com os agrotóxicos não pode significar a redução do consumo de frutas, legumes e verduras, que são alimentos fundamentais em uma alimentação saudável e de grande importância na prevenção do câncer”.



O Inca não poderia ter sido mais contundente em seu alerta à população e ao governo. “Ainda podem estar presentes nas carnes e leites de animais que se alimentam de ração com traços de agrotóxicos, devido ao processo de bioacumulação. 

O foco essencial está no combate ao uso dos agrotóxicos, que contamina todas as fontes de recursos vitais, incluindo alimentos, solos, águas, leite materno e ar. Ademais, modos de cultivo livres do uso de agrotóxicos produzem frutas, legumes, verduras e leguminosas, como os feijões, com maior potencial anticancerígeno” – afirma o Inca.




Não há fiscalização de fato para o uso do veneno. Os últimos resultados do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos (PARA) da Anvisa revelaram amostras com resíduos de agrotóxicos em quantidades acima do limite máximo permitido e com a presença de substâncias químicas não autorizadas para o alimento pesquisado. Constataram também a existência de agrotóxicos em processo de banimento pela Anvisa ou que nunca tiveram registro no Brasil.

Outras questões merecem destaque, recorda o Inca. Uma delas é o fato de o Brasil ainda realizar pulverizações aéreas de agrotóxicos, que ocasionam dispersão destas substâncias pelo ambiente, contaminando amplas áreas e atingindo populações. 

A outra é a isenção de impostos que o país continua a conceder à indústria, um grande incentivo ao seu fortalecimento, na contramão das medidas recomendadas. E ainda, o fato de o Brasil permitir o uso de agrotóxicos já proibidos em outros países.



"Os agrotóxicos são extremamente relevantes no modelo de desenvolvimento da agricultura no país” - declarou o Ministério da Agricultura Brasileiro.

Na grande mídia, o Ministério da Agricultura declarou que os agrotóxicos são “extremamente relevantes no modelo de desenvolvimento da agricultura no país” e que “a legislação para o setor agrícola é a mais rigorosa do mundo e adota padrões reconhecidos pela comunidade científica internacional”, inclusive para os transgênicos. 

Na contramão de todas as evidências, a indústria de agrotóxicos e transgênicos limitou-se a negar as evidências apontadas pelo Inca, e a CTNbio acaba de aprovar o plantio de eucalipto transgênico.


Os fazendeiros do Brasil se tornaram os maiores exportadores mundiais de açúcar, suco de laranja, café, carnes e soja. Também conseguiram uma distinção nada boa: em 2012, o Brasil superou os Estados Unidos como maior importador de agrotóxicos do globo.

Esse rápido crescimento fez do Brasil um mercado atraente para agrotóxicos proibidos ou que tiveram a produção suspensa em países mais ricos por riscos à saúde e ao meio ambiente.



Pelo menos quatro grandes fabricantes de defensivos agrícolas, vendem em solo brasileiro produtos banidos em seus mercados domésticos, conforme revelou uma análise de agrotóxicos registrados realizada pela Reuters.

Entre as substâncias amplamente vendidas no Brasil estão a paraquat, que é rotulada como “altamente tóxica” por órgãos reguladores dos EUA. Tanto a Syngenta como a Helm estão autorizadas a vender o produto no mercado brasileiro.




As próprias agências reguladoras do Brasil alertam que o governo não foi capaz de garantir o uso seguro de agrotóxicos, como são conhecidos os herbicidas, inseticidas e fungicidas. 

Em 2013, um avião pulverizador lançou inseticida sobre uma escola em Goiás. O incidente, que causou vômitos e tontura em alunos e professores e levou mais de 30 pessoas ao hospital, ainda está sendo investigado.

“Não conseguimos acompanhar…”, admite Ana Maria Vekic, chefe de toxicologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão federal encarregado de avaliar os riscos dos agrotóxicos à saúde. “Não temos o pessoal ou os recursos para o volume e a variedade de produtos que os fazendeiros querem usar.”



Avaliações das agências reguladoras mostram que grande parte dos alimentos cultivados e vendidos no Brasil viola as regulamentações nacionais.

Especialistas em saúde pública dizem que as cifras reais são imensuráveis, porque o acompanhamento continua sendo incompleto.

Em 2013, o último ano com números disponíveis, os produtores brasileiros compraram o equivalente a 10 bilhões de dólares, ou 20% do mercado global desses produtos. Desde 2008, a demanda do país aumentou 11% por ano, mais do que o dobro da média mundial.



Um fator que vem impedindo salvaguardas mais rígidas para os agrotóxicos é o lobby cada vez mais poderoso do setor agrícola do Brasil, representado pela bancada ruralista.


No Congresso, quase metade dos 594 parlamentares tem identificação com a chamada “bancada ruralista”, grupo que aliviou as leis que proíbem plantações geneticamente modificadas e diminuiu os limites de desmate na Floresta Amazônica e em outras áreas florestadas. 

Propuseram, ainda, leis para deixar a regulamentação dos agrotóxicos a cargo de uma única agência, em vez das leis atuais que dão poder a Anvisa e as pastas de Agricultura e Meio Ambiente.


A influência da indústria e os orçamentos apertados das agências reguladoras limitam a capacidade brasileira para aplicar a regulamentação dos defensivos agrícolas.



A FMC afirma que vem tentando limitar as vendas do poderoso produto químico para grandes fazendas e para setores onde sua aplicação pode ser realizada sobretudo por máquinas, como o de cana-de-açúcar.



A Organização Mundial de Saúde estima que, para cada caso notificado, outros 50 não foram comunicados — afirma Márcia Sarpa de Campos Mello, da Unidade Técnica de Exposição Ocupacional e Ambiental do Inca.

Proposta de solução



Ao final do documento, o instituto afirma apoiar a produção de base agroecológica, também em acordo com a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. “Este modelo otimiza a integração entre capacidade produtiva, uso e conservação da biodiversidade e dos demais recursos naturais essenciais à vida. 

Além de ser uma alternativa para a produção de alimentos livres de agrotóxicos, tem como base o equilíbrio ecológico, a eficiência econômica e a justiça social, fortalecendo agricultores e protegendo o meio ambiente e a sociedade”. 

Situação Atual:



A fiscalização é inexistente, e qualquer pequeno e médio agricultor pode comprar livremente o veneno e aplicá-lo independentemente de capacitação. 

E o pior, que os agricultores são obrigados a pulverizar o veneno sobre os alimentos, devido a contratos públicos do programa “agricultura familiar”.


Sendo assim, a ordem para nos matar,está vindo de fora, um holocausto que deixaria Hitler como estagiário no processo de morte coletiva.



E vamos morrendo sem reclamar? Nossas entranhas estão sendo comidas pelo veneno nos alimentos, e continuaremos permitir o andamento do maldito processo? 

Os irresponsáveis traidores e homicidas pela gestão de governo que permitiram e continuam permitindo tamanho massacre no Brasil,continuarão dando às cartas? 



Aceitaremos o câncer dentro de nós e consequentemente a morte de forma torturante e dolorosa, ao invés de forçar a retirada do poder daqueles que nos matam?

Até quando?









Fonte:http://outraspalavras.net/blog/2015/04/14/agrotoxicos-e-cancer-tudo-a-ver/
http://verdademundial.com.br/2015/06/agrotoxicos-governo-revela-que-ordem-para-nos-matar-vem-de-fora/
http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/06/uso-de-agrotoxico-no-brasil-mais-que-dobrou-em-dez-anos-aponta-ibge.html
http://www.ebc.com.br/noticias/2015/04/inca-condena-uso-de-agrotoxicos-e-recomenda-reducao-para-prevenir-cancer

Um comentário:

  1. Parabéns por divulgar esse importante texto, que ajuda na autoconscientização da pessoas... Quando residi dois anos em s.Pedro da Serra/RJ convivi com alguns agricultores que usavam agrotóxicos... Alertei então a um deles sobre o veneno que o agrotóxico impregnava em nosso alimento e no lençol freático, aconselhando-o a voltar a usar o antigo sistema biológico natural, que é ainda o mais saudável para nosso organismo. E ele respondeu-me: "Olha, tudo o que hoje tenho, foi graças aos agrotóxicos!" Sai de lá e voltei a morar em Nova Friburgo. Anos depois, encontrei-o casualmente na rua, e ele não estava nada bem, e me disse estar ali fazendo tratamento de saúde devido a problemas de respirar o veneno contido nos agrotóxicos que usava na agricultura. Lembrei a ele nossa conversa, e que agora estava comprovando o perigo a que ele se expunha ao usá-lo... As pessoas desconhecem as leis que regem a vida, e tudo o que fazemos consciente ou inconscientemente que predjudica o próximo, volta-se mais tarde contra nós mesmos... Infelizmente, talvez pela burrice e cegueira do ego, nós só aprendemos pela dura experiência: "vivendo e aprendendo"... Por tudo isso, repassarei também mais este texto seus na íntegra com os respectivos créditos, em nosso blogger anjosensinosluz.blogspot.com/ - como já repasamos outros bons textos de vcs... PARA FINALIZAR: Desculpe, a intromissãi, mas a imagem de ABERTURA (pano de fundo) anterior, estava mais condizente com o título "muito além", do que o atual que mostra uma simples paisagem. Deveria ser algo mais abrangente ou cósmico... Que os Anjos de Deus iluminem sempre o Trabalho e o Caminho de cad um de vcs. (Campos de Raphael).

    ResponderExcluir