quarta-feira, 6 de maio de 2015

O APANHADOR DE SONHOS


O Apanhador de Sonhos de origem Xamanica é hoje um dos instrumentos nativo americanos mais conhecidos e admirados.  

Originou-se na tribo dos Ojibwa e durante o movimento indígena dos anos 60 e 70 foram adotados por nativos americanos de diversas nações. 

Passaram a ser vistos como um símbolo da unidade entre as várias nações indígenas, e como um símbolo geral da identificação com as primeiras culturas das nações.

Ele deve conter em si todos os elementos da natureza, o ar representado geralmente pelas penas, a terra representada por pedras ou ossos, a água que pode ser representada por conchas ou até mesmo pelas cores das linhas, e o fogo que é representado pelo trançado da própria teia.

Os nativos americanos viam na "aranha" a medicina da criação e criatividade, com sua teia ela ligava todo o universo, por que todas as coisas são conectadas, por isso acredita-se que a teia da aranha pode capturar sonhos ruins ou energias perniciosas do ar, o que deu origem ao Filtro ou Apanhador de sonhos.


O circulo é uma representação do próprio universo e a teia representa suas múltiplas ligações; com a representação de cada elemento, esse universo torna-se completo e assim nada de ruim pode passar por ele.

Os sábios indígenas nativo–americanos ensinam que a Grande Aranha, teceu a Teia do Universo para relacionar todas as coisas. 

Para eles, a Aranha ao mesmo tempo é Avó e Criadora, que cria novas energias dentro da existência. Ela tem a "Medicina da Criação".

Num dos mitos da Criação, conta-se que no inicio do mundo só havia escuridão, os povos andavam às cegas, e viviam se colidindo, uns com os outros.  Foi então que, a vovó aranha trouxe o sol e o fogo aos índios e ensinou-lhes também a arte de fazer a cerâmica.

Conta uma velha lenda dos nativos norte-americanos, que um velho índio ao fazer uma Busca da Visão no topo de uma montanha, lhe apareceu IKTOMI, a aranha, e comunicou-se em linguagem sagrada. A Aranha pegou um aro de cipó e começou a tecer uma teia com cabelo de cavalo e as oferendas recebidas.

Enquanto tecia, o espírito da Aranha falou sobre os ciclos da vida, do nascimento á morte e das boas e más forças que atuam sobre nós em cada uma dessas fases. Ela dizia:
"Se você trabalhar com forças boas, será guiado na direção certa e entrará em harmonia com a natureza. Do contrário, irá para direção que causará dor e infortúnios".

No final a Aranha devolveu ao velho índio o aro de cipó com uma teia no centro dizendo-lhe:
"No centro está à teia que representa o ciclo da vida. Use-a para ajudar seu povo a alcançar seus objetivos, fazendo bom uso de suas ideias, sonhos e visões. Eles vem de um lugar chamado Espírito do Mundo que se ocupa do ar da noite com sonhos bons e ruins. A teia quando pendurada se move livremente e consegue pegar sonhos, quando eles ainda estão no ar. Os bons sonhos sabem o caminho e deslizam suavemente pelas penas até alcançar quem está dormindo. 
Já os ruins ficam presos no círculo até o nascer do sol, e desaparecem com a primeira luz do novo dia"

Esse círculo é conhecido como "dreamcatcher" (apanhador de sonhos). Aqui no Brasil é também conhecido como Filtro dos Sonhos ou Coletor de Sonhos.

Trata-se de um instrumento de poder para assegurar bons sonhos para aqueles que dormem debaixo dele, e também para trazer visões.


Geralmente são colocados onde a luz bate pela manhã, em frente a janela. Os nativos nos ensinam que os sonhos passam pelo furo no centro e os maus sonhos ficam presos na teia e se dissipam à luz do amanhecer.

É uma mandala. Segundo Jung, a mandala se encontra na própria alma humana, aparecendo nos sonhos e em diversas imagens criadas pelo nosso inconsciente. 

O Circulo representa, o Círculo da Vida. As rodas, ou círculos, representam a totalidade. O círculo é o símbolo do Sol, do Céu e da Eternidade. 

No simbolismo ancestral o círculo é o símbolo do espaço infinito, sem começo e sem fim. Qualquer que seja a representação simbólica em qualquer era e em qualquer cultura, um Círculo de Poder, serve como um espelho, onde podemos ver o reflexo do Universo e o Grande Tudo, que contém a totalidade, trabalhando para o entendimento dos mistérios da vida, do cosmos, e das leis naturais. 

Pode ser colocada uma pena no centro, simbolizando a respiração, o elemento ar, e em alguns são colocados uma pedra/cristal.  Tudo o que é colocado possui um significado. 

O Centro da Teia corresponde ao Grande Mistério, o Criador, a Força que abrange o Universo inteiro.


No xamanismo evoca-se a essência espiritual da aranha para compreender melhor a "teia da vida", para evocar a criatividade e a imaginação. Inspira a visão e o poder para trazer nossos sonhos até a realidade. 

Para se obter independência e coragem, para rompermos com armadilhas que criamos, sejam emocionais ou espirituais. Para rompermos a teia da ilusão, construirmos novos sonhos, para sonharmos mais, para tecermos nossa própria vida.

A metáfora da aranha é a essência espiritual da natureza atuando,  mostrando a “teia da vida” e ensinando que tudo está interligado. 

Nos incentiva a prestarmos mais atenção nos nossos sonhos, na natureza, na nossa vida e em nossa construção; a buscar conexão com Deus e com a coragem, buscando Luz para rompermos a teia da ilusão e nos construindo cada vez mais, ligados ao Grande Espírito.

Mas para alcançar seus objetivos a partir de um apanhador de sonhos é necessário que você mesmo o confeccione, afinal é a sua energia que deve estar presente nele e é com suas intenções que essa teia deve ser trançada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário