quarta-feira, 29 de abril de 2015

O mito do "cérebro direito" e "cérebro esquerdo"





Cientistas estão desacreditando a teoria de que há diferenças entre as pessoas de acordo com o desenvolvimento dos lados do cérebro. A cultura popular nos fez crer que as pessoas lógicas, metodológicas e analíticas possuem o lado esquerdo do cérebro dominante, enquanto os criativos e artísticos têm o lado direito mais desenvolvido. O problema é que a ciência nunca deu suporte para essa noção.

Agora, cientistas da Universidade de Utah (EUA) estão desmistificando de vez essa ideia com uma análise de mais de 1.000 cérebros. Eles não encontraram nenhuma evidência de que as pessoas preferencialmente utilizam a parte esquerda ou a direita do cérebro. Todos os participantes do estudo – e, sem dúvida, os cientistas – estavam usando todo o seu cérebro da mesma forma, durante todo o curso do experimento.

A preferência por usar uma região do cérebro mais do que outras para determinadas funções, o que os cientistas chamam de lateralização, é de fato real, de acordo com o principal autor do estudo, Jeff Anderson, diretor do Serviço de Mapeamento Neurocirúrgico da Universidade de Utah.


Há um equívoco em pensar que tudo a ver com ser analítico, por exemplo, está confinado a um lado do cérebro, e tudo a ver com ser criativo está confinado para o lado oposto. Na verdade, são as conexões entre todas as regiões do cérebro que permitem que os seres humanos sejam tanto criativos quanto tenham um pensamento analítico.

“Não é o caso do hemisfério esquerdo estar associado com a lógica ou raciocínio mais do que o direito”, explica Anderson. “Além disso, a criatividade não é mais processada no hemisfério direito do que o esquerdo”.


A equipe de Anderson analisou imagens cerebrais de participantes com idades entre 7 e 29 anos, enquanto eles estavam descansando. Eles olharam para a atividade em 7.000 regiões do cérebro, e examinaram conexões neurais dentro e entre essas regiões. Embora eles tenham visto bolsões de tráfego neural pesado em algumas regiões-chave, em média, ambos os lados do cérebro eram essencialmente iguais em suas redes neurais e conectividade.



O mito das pessoas terem o lado esquerdo ou direito do cérebro mais desenvolvido pode ter surgido a partir da pesquisa do vencedor do Prêmio Nobel Roger Sperry, feita na década de 1960. Sperry estudou pacientes com epilepsia, que foram tratados com um procedimento cirúrgico que cortava o cérebro ao longo de uma estrutura chamada corpo caloso. O corpo caloso liga os dois hemisférios do cérebro, portanto os lados esquerdo e direito do cérebro desses pacientes não podiam mais se comunicar.

Sperry e outros pesquisadores, por meio de uma série de estudos de inteligência, determinaram que partes, ou lados, do cérebro estavam envolvidos em linguagem, matemática, desenho e outras funções nestes pacientes. Mas, então, entusiastas de psicologia de nível popular aproveitaram esta ideia, criando a noção de que a personalidade e outros atributos humanos são determinados através do domínio de um dos lados do cérebro sobre o outro.

“A comunidade da neurociência nunca comprou essa noção e agora temos evidências de mais de 1.000 imagens do cérebro mostrando absolutamente nenhum sinal de dominância na esquerda ou na direita”, desmente Anderson. 

A pesquisa pretendia, originalmente, entender melhor a lateralização do cérebro para tratar doenças como a síndrome de Down, o autismo ou a esquizofrenia, onde os hemisférios esquerdo e direito têm funções atípicas.



Para o psicólogo Christian Jarrett , o mito do hemisfério esquerdo lógico e o hemisfério direito criativo tornou-se uma poderosa e útil metáfora para o entendimento do cérebro humano e  diferentes formas de pensamento – um lado lógico, focado e analítico, contra um liberal e criativo. 


Bem como um apelo metafórico, a ideia sedutora do lado direito do cérebro e seu inexplorado potencial criativo também tem uma longa história de ser alvo de gurus de auto-ajuda vendendo pseudo-psicologia. 

"Hoje, a mesma ideia é também explorada pelos criadores de jogos e aplicativos de auto-aperfeiçoamento. A última versão do aplicativo The Faces iMake-Right Brain Creativity para iPad, por exemplo, se vangloria de que “é uma extraordinária ferramenta para desenvolver as capacidades criativas do lado direito do cérebro”.


Há mais do que um grão de verdade para o mito dos hemisférios do cérebro. Embora eles sejam diferentes, os dois hemisférios do cérebro funcionam de formas diferentes. 

Por exemplo, já se tornou um conhecimento de senso comum que na maioria das pessoas o lado esquerdo é dominante para a linguagem. O lado direito, por outro lado, é mais ativo no processamento emocional e nas representações do estado mental dos outros. 

Entretanto, a distinção não é totalmente clara como o mito faz parecer. Por exemplo, o hemisfério direito está envolvido em processar alguns aspectos da linguagem, como a entonação e a ênfase.




Na verdade, alguns estudos mostraram que o hemisfério direito parece estar mais envolvido quando temos um lampejo de inspiração. Por exemplo, um estudo descobriu que a atividade cerebral era maior no hemisfério direito quando os participantes resolveram uma tarefa por inspiração ao invés de gradualmente. Outro mostrou que uma pequena exposição a quebra-cabeças é mais útil para o hemisfério direito do que o esquerdo, como se o direito estivesse mais próximo da resposta.

Mas inspiração é apenas um dos tipos de criatividade. Contar histórias é outro tipo. Uma das mais fascinantes revelações dos estudos de divisão de cérebros foi que o hemisfério esquerdo cria histórias para explicar o que o hemisfério direito tem que fazer, – o que Gazzaniga apelidou de “fenômeno intérprete”. 


Fazendo um resumo do estudo de divisão de cérebros em um artigo na Scientific American, Gazzaniga concluiu, baseado no fenômeno interprete e outros resultados, que o hemisfério esquerdo é “inventivo e interpretativo”, enquanto o direito é “verdadeiro e literal”. Isso parece em desacordo com o mito invocado por Rabbi Sacks e muitos outros pseudocientistas.

Suponho que o mito do cérebro esquerdo lógico e do cérebro direito criativo tem uma simplicidade sedutora. As pessoas podem perguntar: “que tipo de cérebro eu tenho?” e assim comprar um aplicativo para treinar a metade fraca. Eles podem categorizar linguagens e pessoas como tendo o cérebro direito predominante ou o esquerdo. 


É complicado combater essa crença dizendo que a verdade é bem mais complicada. 

Mas vale a pena tentar, porque seria uma vergonha se um mito simplista abafasse a história fascinante de como o nosso cérebro realmente funciona."



Artigo publicado originalmente por Christian Jarrett
Traduzido originalmente por Devanil Júnior e Leonardo Soares



Fonte:http://universoracionalista.org/o-mito-do-cerebro-direito-e-cerebro-esquerdo/
http://hypescience.com/estudo-desmistifica-diferencas-entre-os-dois-lados-cerebro/

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Sou artista plástica e arte-educadora. Eu aplico em meus alunos um método de ensino de desenho baseado nos estudos (feitos em pessoas que sofreram acidentes que afetaram partes de seus cérebros), os quais demonstram diferenças entre os hemisferios cerebrais). O método chamado " Desenhando com o hemisferio direito do cérebro" é sensacional.... Garanto que funciona. Pessoas aprendem a desenhar com uita facilidade com a utilização deste método.

    ResponderExcluir