quarta-feira, 4 de março de 2015

Também isto irá passar - Eckhart Tolle


"Ao tomarmos consciência da transitoriedade de todas as formas, o nosso apego a elas diminui e deixamos em certa medida de nos identificar com elas. 

O reconhecimento de que "Também isto irá passar" traz consigo o desapego e, com o desapego, outra dimensão entra na nossa vida - o espaço interior. 


Através do desapego, bem como do não-julgamento e da não-resistência, ganhamos acesso a essa dimensão.

Quando deixamos de nos identificar totalmente com as formas, a consciência - quem somos - é liberada do seu aprisionamento à forma. 

Esta libertação é o despontar do espaço interior. 


Chega como uma espécie de quietude, uma paz sutil que se apodera do fundo de nós mesmos, inclusive perante algo aparentemente negativo. 

Também isto irá passar. 

De repente, cria-se um espaço à volta do acontecimento. Há igualmente um espaço em redor dos altos e baixos emocionais, e até mesmo à volta da dor. 


E, acima de tudo, existe um espaço entre os nossos pensamentos. E esse espaço emana uma paz que não é "deste mundo", pois este mundo é a forma, e a paz é o espaço. 

Esta é a paz de Deus.

Agora podemos apreciar e honrar as coisas deste mundo sem lhes dar uma importância e um significado que elas não tem. 


Podemos participar na dança da criação e ser ativos sem apego aos resultados e sem fazer exigências despropositadas ao mundo: faz-me sentir realizado, faz-me feliz, faz-me sentir seguro, diz-me quem sou. 

O mundo não nos pode dar estas coisas e, quando deixamos de ter estas expetativas, todo o sofrimento criado por nós próprios chega ao fim.


Todo este sofrimento deve-se a uma sobrevalorização da forma e a uma inconsciência da dimensão do espaço interior. 

Quando esta dimensão está presente na nossa vida, podemos desfrutar das coisas, das experiências e dos prazeres dos sentidos sem nos perdermos neles, sem um apego interior a eles, ou seja, sem nos viciarmos no mundo.



As palavras "Também isto irá passar" são indicadores da realidade. Ao apontarem para a impermanência de todas as formas implicitamente também estão a apontar para o eterno. Apenas o que há de eterno em nós pode reconhecer a impermanência como impermanência."


Eckhart Tolle (Um Novo Mundo, pág. 185)



Nenhum comentário:

Postar um comentário