quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Encontradas evidências de 2 planetas desconhecidos em nosso sistema solar



A possibilidade de um planeta à espreita nos confins do sistema solar ganhou novo terreno, com base nas órbitas de objetos recentemente descobertos. Há uma nova reviravolta para a última prova, no entanto, com sugestões de não um, mas dois grandes planetas a distâncias alucinantes do Sol.

Encontradas evidências de 2 planetas desconhecidos em nosso sistema solar




A busca por um “Planeta X” além de Netuno vem acontecendo há mais de um século. Recentemente, dois planetas anões (Sedna e 2102 VP113) foram identificados com órbitas que se estendem até distâncias de centenas de vezes mais longe do Sol do que o nosso.

Distante como essas órbitas são, esses objetos estão muito perto de ser parte da Nuvem de Oort, uma coleção de cometas que orbita principalmente a distâncias superiores a 5.000 UA (1 UA = 1 unidade astronômica, ou a distância Terra-Sol).




Em vez disso, pensa-se que estes objetos se formaram mais perto do sol. A influência gravitacional de um grande planeta é uma explicação de como suas órbitas mudaram. A teoria tem seus próprios problemas – se não podemos explicar como objetos como estes passaram a orbitar a tais distâncias, então é igualmente incerto como um planeta teórico foi parar ali.

Scott Sheppard, da Instituição Carnegie para a Ciência, e do Observatório Gemini Chad Trujillo, notou uma aglomeração nas órbitas mais distantes de entidades conhecidas do sistema solar. Dez objetos do Cinturão de Kuiper, e os planetas menores Sedna e 2012 VP113, têm órbitas que cruzam o plano do sistema solar em ângulos que variam de superficiais a íngremes.



No entanto, todos esses objetos distantes atingem o seu ponto mais próximo do sol apenas quando eles estão perto do plano que os planetas circulam. Os cientistas  consideraram uma coincidência improvável , e especulam que poderia ser um sinal de um planeta que influencia todas as suas órbitas.

Os irmãos Carlos e Raul de la Fuente Marcos, da Universidade Complutense de Madrid, foram um passo além. “A análise de diversos cenários possíveis sugere fortemente que pelo menos dois planetas trans-plutonianos devem existir”, concluem.



Ainda mais recentemente, Lorenzo Iorio, do Ministério da Educação, Universidades e Pesquisas italiano argumentou na mesma revista que se o planeta X existe, ele deve estar muito mais longe do que Trujillo e Sheppard propuseram. O quão longe depende de sua massa, mas um objeto desconhecido duas vezes mais pesado do que a Terra não poderia estar a menos que 500 UA do Sol, Iorio explica.

Outros astrônomos são mais cautelosos. David Jewitt, da Universidade da Califórnia, disse ao Science News, “O sistema solar exterior pode estar cheio de todos os tipos de coisas invisíveis e interessantes”, Jewitt diz “, mas o argumento… para um planeta grande é um pouco intrigante”. Jewitt observa que, se há um objeto influenciando as órbitas, pode muito bem ser Netuno. 



Sedna e 2012 VP113 estão muito longe para que isso seja verdade, mas é muito mais fácil de explicar duas órbitas como coincidências que doze.

Enquanto a questão só pode ser finalmente resolvida pela descoberta de um grande planeta à espreita no espaço, um número de equipes redobrou seus esforços para encontrar objetos de tamanho modesto cujas órbitas possam nos ajudar a dar crédito, ou rejeitar, as teorias propostas até agora. 






Fonte: http://www.iflscience.com/space/signs-planet-x-and-maybe-y
http://ocientista.com/encontradas-evidencias-de-2-planetas-desconhecidos-em-nosso-sistema-solar/

Nenhum comentário:

Postar um comentário