domingo, 24 de agosto de 2014

LUZES DO MUNDO - JACQUE FRESCO



Nascido em 1916 –  atualmente com 98 anos – na cidade de Nova Iorque, Jacque Fresco é um autodidata projetista industrial, engenheiro social, escritor, professor, futurologista e inventor, que trabalhou numa grande variedade de áreas desde inovações bio-médicas, a sistemas sociais totalmente integrados. Usando toda essa experiência, ele pensa em modificar o sistema social no qual vivemos. 

Segundo o próprio conta, sua consciência social começou a mudar na Grande Depressão de 29. Fresco observou que tudo estava no mesmo lugar: as fábricas produziam e os recursos existiam, mas ninguém tinha dinheiro para comprar nada. Isso o levou a questionar as “regras do jogo”.   

Para o designer, os problemas do mundo, como as guerras, a fome e a poluição são resultados do sistema monetário, pois a busca pelo lucro acaba gerando má distribuição de recursos. Por isso ele propõe, como parâmetro social, a eliminação do sistema monetário e a utilização livre dos recursos como patrimônio de todos os habitantes do planeta.   

Jacque Fresco cresceu em Bensonhurst, no Brooklyn. Por não ter interesse nenhum na educação formal, Fresco, segundo ele próprio, largou a escola aos 14 anos. Durante essa época, costumava passar seu tempo livre na biblioteca local, onde investigava assuntos do seu próprio interesse.  O talento de Fresco em atuação o levou a ganhar um prêmio em uma competição dramática em Nova York. Fresco também desde cedo expressou suas aptidão artística em pintura e desenho.

Fresco sempre se referiu à pobreza que vivenciou na infância durante a Grande Depressão como influência na sua atitude perante a sociedade. Fresco participou, durante a juventude, da Liga Comunista da sua cidade. No entanto, após uma discussão com o presidente da Liga durante um encontro, Fresco foi "expulso" após dizer em voz alta que "Karl Marx estava errado!"  Nos anos 30, passou a se dedicar à Tecnocracia. Foi durante essa época que também iniciou sua carreira como designer estrutural.



Para Fresco, a economia baseada no lucro – o atual sistema monetário – gera escassez, pobreza, crime, corrupção e guerra. Impede também o saudável desenvolvimento da tecnologia, que deveria ser utilizada para benefício da sociedade e não em prol da poluição, da construção de armas, da massificação do consumo e da alienação. 


Segundo o “designer social” e futurista, como Fresco gosta de se chamar, a humanidade já tem em suas mãos as ferramentas necessárias para inovar e reconstruir nosso mundo. Ciência e tecnologia não bastam: é necessário ter uma visão otimista, e a vontade de redesenhar completamente a nossa cultura e o nosso modo de vida.




Fresco tem sido rotulado de gênio, profeta, visionário, às vezes de excêntrico e outras vezes ignorado por ser um sonhador utópico.


Toda a vida de Fresco é, talvez, a definição de segunda oportunidade, uma nova hipótese de progresso social em harmonia com o nosso planeta e a tecnologia. 

O Projeto Venus reflete o culminar de um trabalho de vida de Fresco: a integração do melhor da ciência e da tecnologia em um plano abrangente para uma nova sociedade baseada na preocupação humana e ambiental. É uma visão global de esperança para o futuro da humanidade em nossa era tecnológica. Um trabalho monumental de vários campos do conhecimento que unificam o conceito de um novo futuro para a civilização humana. 


O Projeto Venus:



O Projeto Venus foi iniciado em 1975 por Fresco e Roxanne Meadows em Venus, Florida. Seu centro de pesquisa é uma propriedade de 21 acre (85,000 m2) que contêm várias construções de seu design, onde eles trabalham em livros e filmes para demonstrar seus conceitos e ideias. 

Fresco produziu um extenso número de modelos em pequena escala baseados em seus desenhos, bem como várias edificações construídas com base em seus conceitos de simplicidade, sustentabilidade e estética. Com edifícios em forma de [domo] altamente resistentes e eficientes, separados por lagos, jardins e trilhas projetados de maneira que de uma construção não seja possível ver a outra, dando a oportunidade à frequentes visitantes de vislumbrar um pouco do mundo do amanhã de Fresco. O Projeto Venus foi incorporado em 1995.

O projeto foi fundado na ideia de que a pobreza é causada pela sufocação do progresso da tecnologia, causada pelo sistema econômico mundial baseado no lucro e as instituições conservadoras que nele se apoiam.

O Projeto Venus é uma organização que propõe um plano factível de ação para a mudança social, um que trabalha no sentido de uma civilização global pacífica e sustentável. Ele delineia uma alternativa para lutar para que os direitos humanos, uma proclamação apenas no papel, se tornem um modo de vida.



"O Venus Project é uma tentativa de trazer a paz ao mundo e juntar todas as nações. Se não quisermos guerra, mortes, a maior parte dos crimes, temos de redesenhar o modo como a sociedade funciona. Temos de declarar todos os recursos da terra como herança comum de todos os povos do planeta. Depois temos de descartar o sistema monetário que é essencialmente corrupto. Temos também de ultrapassar gradualmente a necessidade de termos fronteiras artificiais que separam as pessoas. E assim temos um mundo a trabalhar cooperativamente, preservando o ambiente e todas as manifestações de vida, tal como nós as conhecemos."

Quando se considera a dimensão dos desafios que a sociedade enfrenta hoje em dia, podemos concluir com segurança que o tempo é tempo para nós, para re-examinar os nossos valores e refletir e avaliar algumas das questões e os pressupostos subjacentes que temos como sociedade. Esta auto-análise põe em causa a própria natureza do que significa ser humano, o que significa ser um membro de uma "civilização", e que escolhas podemos fazer hoje para garantir um futuro próspero para todos os povos do mundo.

No presente momento, nos restam muito poucas alternativas. As respostas de ontem já não são mais relevantes. Ou continuamos com nossas formas de pensar e costumes sociais obsoletos, sendo que desta forma o nosso futuro estará em perigo, ou podemos aplicar um conjunto mais apropriado de valores que são relevantes para uma sociedade emergente.



A experiência nos diz que o comportamento humano pode ser modificado, tanto para uma atividade construtiva como para uma destrutiva. É disso que o Projeto Venus trata - direcionar a nossa tecnologia e recursos de forma positiva, para o benefício máximo das pessoas e do planeta, procurando novas maneiras de pensar e viver que enfatizem e celebrem o vasto potencial do espírito humano. Temos à mão as ferramentas para projetar - e construir - um futuro digno do potencial humano. 

O Projeto Venus apresenta uma direção nova e arrojada para a humanidade, que requer nada menos que o redesenho total da nossa cultura. O que se segue não é uma tentativa de predizer o que será feito, mas apenas o que pode ser feito. A responsabilidade do nosso futuro está em nossas mãos, e depende das decisões que tomamos hoje. O maior recurso disponível hoje é a nossa própria engenhosidade.

Enquanto reformistas sociais e grupos de pesquisa formulam estratégias que tratam somente dos sintomas superficiais, sem tocar no funcionamento social básico, o Projeto Venus aborda esses problemas de forma um pouco diferenciada. "Sentimos que não podemos eliminar esses problemas dentro da estrutura atual do sistema político e monetário. Levaria muitos anos para atingir qualquer mudança significativa, e muito provavelmente estas ainda seriam diluídas e enfraquecidas de tal forma que se tornariam indistinguíveis."



O Projeto Venus defende uma visão alternativa para uma nova civilização mundial sustentável, diferente de qualquer sistema social que já existiu. Apesar desta descrição ser extremamente sucinta, ela é baseada em anos de estudo e pesquisas experimentais realizados por inúmeras pessoas de variadas áreas científicas.

Propomos uma abordagem nova e holística - uma que é dedicada às questões humanas e ambientais. É uma visão alcançável de um futuro promissor e otimizado, e apropriada para os tempos em que vivemos, sendo exequível e viável para buscarmos um futuro positivo para todas as pessoas do mundo.

O Projeto Venus apela a uma abordagem direta ao redesenho da cultura, em que antigas inadequações como guerra, pobreza, fome, dívida, degradação ambiental e sofrimento humano desnecessário são vistas não só como evitáveis, mas também como totalmente inaceitáveis.

Uma das premissas básicas do Projeto Venus é que trabalhamos com o objetivo de ter todos os recursos da Terra como herança comum de toda a população mundial. Qualquer coisa menos que isso resultará apenas na continuação do mesmo conjunto de problemas inerentes ao sistema atual.



Ao longo do curso da história, a mudança tem sido lenta. Grupos sucessivos de líderes incompetentes têm substituído aqueles que os precederam, mas os problemas sociais e econômicos subjacentes perduram porque os sistemas básicos de valores permanecem inalterados. 

Os problemas que hoje enfrentamos, não podem ser resolvidos politicamente ou financeiramente porque eles são de natureza inegavelmente técnica. Ainda, que não exista dinheiro suficiente para pagar as mudanças necessárias para isso, mas existem recursos em quantidade mais do que suficiente. 

É por isso que o Projeto Venus propõe uma transição de uma sociedade baseada no sistema monetário para uma eventual concretização de uma economia global baseada nos recursos.



"Nós temos a consciência de que a transição da nossa cultura atual; que é politicamente incompetente, obsoleta e orientada pela a escassez; para uma nova sociedade mais humana, requererá um salto quântico tanto no pensamento como na ação."

Muitos entendem o Projeto Venus como uma reinterpretação do comunismo, mas Fresco deixa claro que o comunismo é um dos muitos sistemas que falharam em melhorar a qualidade de vida humana. O que ele prega é uma “Economia Baseada em Recursos”, ambientalmente sustentável, em que, uma vez que há recursos e serviços disponíveis para todos, não seriam necessários governos e outras estruturas sociais.  

Sistema Monetário Obsoleto:



O sistema monetário evoluiu há séculos atrás. Todos os sistemas econômicos mundiais - socialismo, comunismo, fascismo e até mesmo o famoso sistema de livre mercado - perpetuam a estratificação social, elitismo, nacionalismo e o racismo, baseados principalmente na disparidade econômica. Enquanto um sistema social usar o dinheiro ou permuta, povos e nações procurarão manter a vantagem econômica competitiva, ou se não puderem fazê-lo através dos meios do comércio, irão fazê-lo através da intervenção militar. Nós ainda utilizamos estes métodos antiquados.

Nosso atual sistema monetário não é capaz de fornecer um alto padrão de vida para todos, nem pode garantir a proteção do meio ambiente, porque a principal motivação é o lucro. Estratégias como a redução de empregados e o despejo de resíduos tóxicos aumentam a margem de lucro. Com o advento da automação, cibernética, inteligência artificial e da subcontratação, haverá uma substituição cada vez maior de pessoas por máquinas. Como resultado, menos pessoas serão capazes de comprar bens e serviços mesmo que nossa capacidade de produzir abundância continue a existir.

Nossos atuais sistemas políticos e econômicos, antiquadas são incapazes de aplicar os verdadeiros benefícios de uma tecnologia inovadora de hoje para atingir o maior bem para todas as pessoas, e para superar as injustiças impostas sobre tantos. Nossa tecnologia está correndo para a frente ainda nossos projetos sociais mantiveram-se relativamente estática. Em outras palavras, a mudança cultural não acompanhou o ritmo da mudança tecnológica. Nós agora temos os meios para produzir bens e serviços em abundância para todos.



Infelizmente, a ciência e a tecnologia de hoje vêm se distanciando do objetivo de atingir o bem maior por razões de interesse próprio e de lucro através da obsolescência planejada, que as vezes referida como perda consciente da eficiência. 

Por exemplo, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, cuja função prevista é conduzir a investigação de modo a alcançar maiores rendimentos das culturas, atualmente paga aos seus agricultores para não produzirem à sua capacidade máxima. O sistema monetário tende a atrasar a aplicação destes métodos que nós conhecemos e que serviriam melhor os interesses das pessoas e do ambiente.

Num sistema monetário, o poder de compra não está relacionado com a nossa capacidade de produzir bens e serviços. Por exemplo, durante uma crise, há computadores e DVD's nas prateleiras das lojas e automóveis nas revendedoras, mas a maioria das pessoas não têm poder de compra para adquiri-los. 

A Terra ainda é o mesmo lugar; são apenas as regras do jogo que são obsoletas e que resultam em luta, privação e sofrimento humano desnecessário.



O sistema monetário foi desenvolvido muito tempo atrás como uma ferramenta para controlar o comportamento humano em um ambiente com recursos limitados. Atualmente o dinheiro é usado para regular a economia não para o benefício da população em geral, mas em prol daqueles que controlam a riqueza financeira das nações.

Economia Baseada em Recursos



Um dos temas principais de Fresco é seu conceito de uma economia baseada em recursos que substitui a necessidade da economia monetária orientada à escassez, que temos atualmente. Fresco argumenta que o mundo é rico em recursos naturais e energia, e que - com a tecnologia moderna e a eficiência - as necessidades da população global podem ser atendidas com a abundância, e ao mesmo tempo remover as limitações atuais de que o que é considerado possível devido às noções de viabilidade econômica.

Todos os sistemas sócio-econômicos, independentemente da filosofia política, crenças religiosas ou costumes sociais, em última análise, depende de recursos naturais, ou seja, ar e água limpos, terra arável e a tecnologia necessária e pessoal para manter um alto padrão de vida.



Simplificando, uma economia baseada em recursos utiliza os recursos existentes, em vez de dinheiro e fornece um método justo de distribuir esses recursos da maneira mais eficiente para toda a população. É um sistema em que todos os bens e serviços estão disponíveis sem o uso de dinheiro, créditos, troca ou qualquer outro tipo de dívida ou servidão.

Terra é abundante, com recursos abundantes, hoje a nossa prática de racionamento de recursos através de métodos monetários é irrelevante e contraproducente para a nossa sobrevivência. A sociedade moderna tem acesso a tecnologias altamente avançadas e pode disponibilizar comida, vestuário, habitação, cuidados médicos, um sistema educacional relevante e desenvolver um suprimento ilimitado de energia renovável e não-poluente de energia, como energia geotérmica, solar, eólica, das marés, etc Agora é possível ter todos desfrutar de um alto padrão de vida com todas as amenidades que uma civilização próspera pode proporcionar. Isso pode ser feito através da aplicação inteligente e humana da ciência e da tecnologia.

Para entender melhor o significado de uma economia baseada em recursos, considere o seguinte: se todo o dinheiro do mundo foram destruídos, enquanto solo, fábricas e outros recursos foram deixados intactos, poderíamos construir qualquer coisa que optar por construir e realizar o que qualquer ser humano precisa. Não é o dinheiro que as pessoas precisam, mas sim, é o acesso livre às necessidades da vida. Em uma economia baseada em recursos, o dinheiro seria irrelevante. Tudo o que seria necessário se os recursos e a fabricação e distribuição dos produtos.

Quando a educação e os recursos são disponibilizados para todas as pessoas sem uma etiqueta de preço, não haveria limite para o potencial humano. Embora isso seja difícil de imaginar, mesmo a pessoa mais rica de hoje estaria muito melhor em uma sociedade baseada em recursos, como proposto pelo Projeto Venus. Hoje, as classes médias vivem melhor do que os reis de tempos passados. Em uma economia baseada em recursos todos viveria melhor do que os mais ricos de hoje.



Em uma sociedade baseada em recursos, a medida do sucesso seria baseada na satisfação das atividades individuais em vez da aquisição de riqueza, propriedade e poder.

A Escolha é Nossa:



O comportamento humano está sujeito às mesmas leis que qualquer outro fenômeno natural. Nossos costumes, comportamentos e valores são subprodutos da nossa cultura. Ninguém nasce com ganância, preconceito, intolerância, patriotismo e ódio; todos estes são padrões de comportamento adquiridos. Se o ambiente não for alterado, comportamentos similares continuarão a ocorrer.

Hoje, grande parte da tecnologia necessária para se realizar uma Economia Baseada em Recursos em nível global já existe. Se optarmos por nos acomodarmos às limitações da atual economia monetária, é provável que continuemos a viver com seus resultados inevitáveis​​, como: guerra, pobreza, fome, privação, crime, ignorância, estresse, medo e desigualdade. 

Por outro lado, se abraçarmos o conceito de uma economia baseada em recursos global, se aprendermos mais sobre o assunto e partilharmos a nossa compreensão com nossos amigos, isso irá ajudar a humanidade a evoluir além de seu estado atual.



Fresco acha que se o progresso da tecnologia fosse exercido independente da necessidade de lucro, poderiam ser postas em prática maneiras (já prontas e à inventar) de multiplicar e aproveitar melhor os recursos naturais da terra, criando assim uma [economia baseada em recursos], que eliminaria a escassez e permitiria que ninguém sofresse de privações. 

Esta abundância recém-descoberta reduziria a tendência humana à dependência, corrupção e à ganância. Sem privações e sem a alienação do próprio potencial de criação perante a necessidade de lucro, as pessoas seriam livres para criar e desenvolver seus projetos pessoais, ajudando, assim, no desenvolvimento de toda a comunidade. 


Masdar: primeira cidade 100% sustentável:



A empresa de energia árabe Masdar Initiative, junto aos arquitetos americanos da Foster and Partners, estão envolvidos no projeto da cidade-modelo Masdar, a primeira no mundo a ser abastecida exclusivamente por energia renovável e livre de emissões de carbono. 

Masdar City - que significa “A Cidade Fonte” em árabe – vai custar 22 bilhões de dólares e está sendo erguida na periferia da cidade de Abu Dhabi – o maior de todos os sete Emirados Árabes Unidos, com previsão de oito anos para ficar pronta.



A primeira etapa de concepção foi iniciada em 2006, começou a ser construída em 2009, era planejado que fosse concluída em 2016 e teria uma população de 50 mil pessoas. Com a recessão econômica global, os investimentos diminuíram e os planos tiveram que ser revistos, a expectativa de conclusão é entre 2021 e 2025.

Ao final de todas as obras, aproximadamente 50 mil pessoas devem se mudar para a cidade, para morar lá e trabalhar. Anunciada como a primeira cidade no mundo que terá 0% de emissão de carbono e 0% de lixo não-reciclável ao se produzir energia.



A energia usada em Masdar vai ser produzida por painéis solares, e os residentes vão usar como meio de transporte vagões sem condutores que vão circular em trilhos magnéticos. A água será fornecida através dos processos de dessalinização, e vai ser reutilizada para evitar desperdício. A maioria das ruas da cidade terão apenas 3 metros de largura e 70 de comprimento para facilitar a passagem do ar e incentivar a caminhada.



O projeto tem o propósito de se tornar modelo e provar que a vida sustentável é possível.

Assim como idealizou Fresco, a construção da cidade bem como seu conceito, nos mostra que é possível aplicar as mais modernas tecnologias aliadas ao conceito de cidade sustentável. 


O Movimento Zeitgeist

O Projeto Venus é mostrado no documentário de 2008, Zeitgeist - Addendum, como uma possível solução para os problemas globais explicados no filme. 

O filme foi premiado no 5º Festival Anual de filmes ativistas, em Los Angeles, California em 2 de Outubro de 2008, vencendo seu maior prêmio, e ele foi lançado online gratuitamente no Google Video em 4 de Outubro de 2008. Após o filme Zeitgeist, o movimento de mesmo nome, foi criado para a transição da economia com base monetária para uma economia baseada em recursos.






Future by Design -  O Desenho do Futuro:
O filme Future by Design foi produzido em 2006 descrevendo sua vida e trabalho. Atualmente ele escreve e ensina extensivamente sobre assuntos desde o holístico projeto de cidades sustentáveis, eficiência energética, gerenciamento de recursos naturais e automação avançada, focando nos benefícios que irão trazer à sociedade.








Fonte:http://pt.thevenusproject.com/sobre/the-venus-projeto

Um comentário: