quarta-feira, 23 de julho de 2014

Os passos para alcançar nossa iluminação são possíveis?



Os passos para alcançar nossa iluminação são possíveis?

Todos o seres de luz, mestres e  gurus já nos transmitiram em sua imensa sabedoria, o caminho a percorrer, para aqueles que querem alcançar uma maior evolução espiritual.

Em suas mensagens, tudo é tão simples e  obvio, nos dando a impressão que a qualquer momento transcenderemos a matéria e atingiremos um estágio de plena consciência.

Os sábios já enfatizaram a absoluta necessidade de superação do ego. Na vida carnal, são formados certos “pré-conceitos” e crenças que revelam a manipulação do ego sobre o ser, com acordos internos que existem devido a uma vida cercada de medos, culpas, julgamentos, acompanhando sempre a busca pela satisfação ilusória das suas (do ego) insaciáveis paixões.

Muito falamos sobre o Ego, como “vilão da alma” , que efêmera neste plano, vislumbra através de sucessivas encarnações, a superação, a libertação de suas sombras, mas pouco falamos sobre os passos transformadores, de iluminação da alma, que são caminhos seguros de avanço sobre o pseudopoder egótico, e que está embasado em  princípios nos quais todos devem se sustentar: o Amor e a Perseverança, absolutos no processo de amadurecimento da alma.


Faz-se necessário  reconhecer-se como criatura ainda condicionada a muitos padrões de comportamento voltados apenas para a auto-satisfação.

Estar consciente do Ego como o supressor da expansão da Luz, gerando uma realidade voltada para conforto da sua insegurança – sim, porque o ego tudo faz em verdade para tentar preencher o seu vazio sentido de ser.

Apenas este reconhecimento pode deflagrar o movimento para as mudanças, para as transformações.

Devemos ser observadores de  nós mesmos. Para transcender o ego, é preciso compreender que não somos esse ego, não somos essa ânsia louca e desgovernada, não somos o medo e o desejo,  nós somos amor.


Essa dicotomia entre o efêmero (nosso ego) e o eterno (nossa essência), nos impossibilita, enquanto matéria, de alcançar a verdade de quem realmente somos.
Mas, como fazer isso??
Dizem os mestres que devemos nos manter no momento presente.

"Quando a mente está parada, tranquila, sem procurar qualquer resposta ou qualquer solução, nem resistindo ou evitando – é somente então que pode haver regeneração, porque então a mente é capaz de perceber o que é verdade; e é a verdade que liberta, não seu esforço de ser livre”.  -Krishnamurti


Mas como evitar que a mente divague em hipóteses e suposições, que relembre o passado ou viaje para o futuro? Como controlar a mente?

Ela parece ter vida própria, caminha sozinha, desenfreada e quando nos damos conta, já perdemos o momento presente.

“A mente humana divaga sobre constantes incertezas na esperança de nelas encontrar o verdadeiro espírito de sua natureza.”  ―Roberto Fraga


Voltando aos mestres, eles afirmam que a mente no seu estado natural está destreinada; está suja e não clara. Ainda não é a mente que buscamos. 


Devemos treinar esta mente por meio da prática da meditação, um estado em que a mente é levada ao repouso, focalizando apenas um item, não se permitindo que ela divague. 

Quando se alcança isto, o corpo e a mente são tomados de uma profunda calma, um estado de tranqüilidade que deve ser experimentado para ser compreendido. 

Em que ponto ela está focada? No ponto de equilíbrio. Esse é o ponto. 

Mas as pessoas praticam a meditação tentando silenciar suas mentes. Elas dizem: “Eu tento sentar em meditação, mas minha mente não para nem por um minuto. Num instante ela voa para um lugar, no seguinte, para outro… Como eu posso fazê-la parar?” 


Você não tem que fazer a mente parar, não é esse o ponto. 

Onde há movimento é onde pode surgir o entendimento. As pessoas reclamam: “Ela foge e eu puxo de volta; em seguida, ela sai de novo e eu puxo de volta mais uma vez…” Então, elas apenas sentam, puxando a mente para trás e para a frente.

A mente tem uma função na vida prática, em  nosso dia a dia, mas na busca espiritual, ela deve ser observada.

Apesar de tudo isso, sabemos que existe uma outra maneira de viver, uma maneira melhor de ver o mundo, um modo de tocar a vida plenamente. As vezes, por acaso, compreendemos isso subitamente. 
Mas até isso se esvai como fumaça ao vento. Isso permanece apenas como memória. Isso e a vaga consciência de que algo está errado. 


Existe um outro mundo de profundidade e sensibilidade acessível na vida, mas nós, meros mortais, não estamos vendo. 

Alguns até tentam com empenho, se esforçam para meditar, e depois, até mesmo aquela vaga consciência desaparece, e se vêem de volta à velha realidade. O mundo parece com aquele mesmo lugar sem sentido, que é no mínimo entediante. É uma montanha russa emocional, e nós dispendemos muito tempo na parte baixa da rampa, desejando estar nas alturas. 

Como, como se manter no momento presente, sem estar enclausurado num mosteiro? A vida humana requer esforço, uma labuta sem fim, emprego, família, filhos, amigos, saúde... são tantas coisas enebriando nossa mente, que a ideia de meditação por horas a  fio, parece utópica.


Somos apenas humanos. Sofremos do mesmo mal que infecta todos os seres humanos. Dentro de nós existe um monstro de muitos tentáculos: tensão crônica, falta de genuína compaixão pelos outros, inclusive pelas pessoas próximas, sentimentos bloqueados e entorpecimento emocional. Ninguém está completamente livre disso. A vida parece ser uma luta interminável, um esforço enorme contra essas coisas estranhas.

O importante é entender que não podemos fazer mudanças radicais nos padrões de nossas vidas até que comecemos a enxergar exatamente como somos.  Assim que isso acontecer, mudanças fluirão naturalmente. Não precisamos forçar ou lutar ou obedecer a regras ditadas por quem quer que seja. Nós simplesmente mudamos. É automático. 

Mas chegar até este insight inicial é a questão. Precisamos ver quem somos e como somos, sem ilusão, julgamento ou nenhum tipo de resistência.


Precisamos compreender que evolução espiritual, expansão da consciência, iluminação, nada tem a ver com as lutas do dia a dia. Ninguem atinge uma elevação de seus padrões vibracionais, uma maior sutileza de seu ser, entre uma lavagem e outra de roupas. É preciso reservar um tempo para dedicar-se a seu crescimento interno.

Segundo reflexões cedidas pelos seres transcendidos de todos os aspectos egóticos, a contemplação se processa exclusivamente ao nível da consciência, quando se cede ao momento presente sem se deixar limitar por dispersões temporais, e vivencia-o atemporalmente.

É importante estarmos lúcidos de que todos os seres, Sopros que são da Divina Luz , têm as mesmas condições de retornar a seus estados originais, de puro amor.


No entanto o ritmo, o tempo em que percorrerão este caminho, não é igual ou predeterminado para todos, pois foram criados sustentados pela livre condução de suas vidas. 

A vida, como um grande leque de oportunidades que se abre ao longo do caminho, é parceira segura da alma, e trabalha sempre a favor de sua elevação, de seu avanço como ser cósmico, universal que é em essência.  Está no verdadeiro Princípio da alma, o dom de iluminar-se.


Respaldado nesta assertiva podemos concluir que reside também no seu íntimo o momento de despertar, reforçado pela colaboração das suas programações existenciais.






2 comentários:


  1. Saber que somos LUZ, não basta! Precisamos nos sentir LUZ!

    ResponderExcluir
  2. Cada uma das diversas Correntes Espiritualista têm seu próprio método aplicado á Evolução Espiritual, um mais complexo outro mais simples, mas nenhum pode estar ao nível da simploriedade humana, pois o objetivo de todas é superá-la. A dificuldade na Evolução é compatível com o nivel alcançado até o momento em que se tomou consciência, pois até aquele ponto ela se processou de forma compulsória, de forma quase imperceptível e em alguns casos, em ciclos de estagnação. A condição essencial para se proceder á Evolução Consciente é ter clareza do real objetivo da existência, proceder á erradicação de nossas imperfeições é a fase primária, de grandes dificuldades e pouco estímulo, com o progresso começamos á ter percepções mais claras de prioridades e as soluções emanam, fruto do trabalho já alcançado e de possíveis créditos anteriores,

    ResponderExcluir