quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O RETORNO - Por Robert Happé




Vivemos atualmente em uma era de mudanças que está transformando literalmente cada aspecto de nossas vidas.

É altamente recomendável que sejamos flexíveis e abertos a novas possibilidades.

As experiências que se apresentam a cada um de nós precisam ser vivenciadas, para que possamos desenvolver uma versão mais leve e refinada de nós mesmos.

A criação existe por causa do trabalho duro que cada indivíduo faz para melhorar a si mesmo e ao mundo à sua volta.


Viver não é estar em conflito e em competição com os outros. Esta é uma visão falsa da vida.

Viver é uma competição consigo mesmo para vir a ser aquele amor que buscamos nos outros.

É amor sem expectativas.

A vida em si é uma experiência espiritual. E espírito é amor!

Quando permitimos que os medos em nossa mente controlem o coração, não conseguimos mais enxergar claramente, e nossas expressões se tornam poluídas pelo medo ao invés de amor.


Isso gera confusão, é claro, mas ao mesmo tempo cria um anseio por um retorno ao amor.

Tal anseio é interpretado como saudade e, de fato, trata-se da voz da sua alma estimulando a mente em desenvolvimento a confiar que o amor não conhece o medo.

Quando nossos pensamentos se tornam mais amorosos e úteis, quando reconsideramos os valores do nosso coração e espírito, quando passamos a ser aquilo que esperamos que os outros sejam, então o sol no coração irrompe, afastando as nuvens do medo presentes na mente.

Quando passamos por essas experiências e aprendemos suas respectivas lições, depositamos finalmente a confiança em nós mesmos e deixamos que o amor nos guie.

O amor é nossa casa e no amor não há separação.


O processo de crescimento até este nível de consciência implica no abandono de infantilidades e de crenças simplistas e ingênuas às quais tantas pessoas se apegam.

A questão é discernir a verdade e a beleza de todas as coisas. Quando sabemos a verdade, logo reconhecemos as trivialidades e armadilhas que as forças das sombras colocaram no nosso caminho para impedir nosso processo de crescimento.

Foi-nos dado a liberdade de escolha entre servir às sombras que se expressam através do controle, da desonestidade e do medo, ou a luz que se expressa através do amor, da sabedoria e da responsabilidade.
Aqueles que despertam ao ponto de entenderem que há uma escolha encontram-se na viagem de volta à compreensão plena.

Eles confiam em seus sentimentos e sabem intuitivamente o que tem valor.


Há um poder silencioso no fundo de nós que nos conecta à nossa essência espiritual.

Quando abrimos conscientemente nossas mentes a esta força divina, somos guiados a nos unirmos ao todo da vida e logo compreendemos por nós mesmos nosso verdadeiro propósito neste planeta incrível.

Robert Happé
Fundador do Centro de Educação Espiritual –CEE



Robert Happé - Servindo a onda da luz

vídeo: FiatLux2u

3 comentários:

  1. Ufa! Foi com grande alívio, de minha parte, que pude "saborear" o texto acima.
    Afinal, se todas as vezes que estamos a Compartilhar, o que quer que seja, nos pômos a "dissecar" o sentido das palavras, tais como: "espiritual", "espírito" e "espiritualidade" vamos nos perder, totalmente, nos meandros do mental e aí, nada, absolutamente nada, fará sentido. Seja o que fôr...
    Não estaremos a pedalar sobre o celim de uma "magrela" - leia-se bicicleta, livres com o vento a tocar-nos o rosto.
    Estaremos "girando" as engrenagens velhas e carcomidas de "conceitos" pré-estabelecidos - quer seja por nós mesmos, quer seja por outros.
    Porque, de certa forma, palavras são ondas, são vibração. E, como dissecar a vibração?!...
    Não há o que fazer disso! Há, apenas que sentir!

    Foi-nos dito: É preciso "matar" os modelos. E isso toca a tudo. Então, não há que aderir a nada. Pois, que toda "aderência" gera um "conceito" e uma "crença" e está bem colocado, entre aspas.

    Confiar em sí é confiar no seu Coração.
    Isso, basta-se a sí mesmo.
    Então, podemos, sim, usar e servir-nos de qualquer referência sem o medo de recair no passado. Estaremos livres de "moer e remoer" o que se passou há um (01) instante atrás.
    Esse é o Presente! Com P maiúsculo.

    Bem, cá entre nós, até Einstein falou de "espiritualidade". O que importa?!
    E, sim! Somos espíritos habitando um corpo de carne, em retôrno ao Lar. Ou seja, a nós mesmos!
    Pois o Lar eu o Trago em meu Coração!

    Simples assim!... :)
    Isso é leveza e fluidez - além de qualquer "conceito" ou "medida".
    No fluxo da vida, não existe "régua nem compasso". É a Vida que nos leva!

    Abraços leves e liberados in Blue! \0/\0/\0/
    Cecy. ;D

    ResponderExcluir
  2. Uma bela postagem que faz-nos refletir um pouco mais da vida, lindo mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja Bem Vindo Voz do Povo !
      Gratas pela presença, estamos felizes pela sua visita !!
      Um Grande abraço !!

      Excluir