sábado, 8 de fevereiro de 2014

LUZES DO MUNDO - GEMMA GALGANI



GEMMA GALGANI - A MISTICA DA REDENÇÃO

Gemma nasceu a 12 de março de 1878 em Borgo Nuovo, um vilarejo situado perto de Lucca, na Itália. Seu pai era um próspero químico e descendente do Beato Giovanni Leonardi. A mãe de Gemma era também de origem nobre. Os Galgani eram uma família católica tradicional que foi abençoada com oito filhos. Batizaram a filha como "Gemma" que, em italiano, significa jóia. 

Ela foi a quinta a nascer e a primeira menina da família, desenvolveu uma atração irresistível pela oração desde muito pequena. Esse carinho pela oração lhe veio de sua piedosa mãe, que lhe ensinou fé católica. Foi ela também que lhe infundiu o amor pelo Cristo Crucificado. 


Sua mãe morreu de tuberculose quando ela estava com sete anos e desde então passou a ter muito trabalho doméstico e muitos problemas pessoais e espirituais. Mas ela os suportou com paz e extraordinária paciência. Desde muito cedo experimentava fenômenos sobrenaturais como visões, êxtases, revelações, manifestações sobrenaturais miraculosas e estigmas periódicos.

Estava com 15 anos de idade, quando as dificuldades financeiras de seu pai atingiram índices quase insuperáveis. Isto o obrigou a vender uma chácara em Santa Maria Del Giudice, onde a filha passava horas embaixo de uma frondosa árvore, lendo preciosas passagens da vida de JESUS para as crianças da redondeza, que ouviam extasiadas.

Por iniciativa da Diocese, foi organizado um Concurso de Catequese. Gema ficou interessadíssima e se preparou com muita responsabilidade e, no dia 8 de Julho de 1894, participou e venceu o Concurso de Luca, recebendo como prêmio (uma linda Bíblia Sagrada) das mãos de Monsenhor Ghilardi. 

Gema começou cedo a ficar doente. Ela desenvolveu uma curvatura na espinha. Uma meningite também deixou-a temporariamente surda. Grandes abscessos se formaram em sua cabeça, seus cabelos caíram e finalmente ela teve paralisia nos membros. Um médico foi chamado e tentou vários remédios, mas nada adiantou. Ela estava apenas piorando.

Gema tornou-se devota do Venerável Gabriel Possenti de Nossa Senhora das Dores (agora São Gabriel). Acamada pela doença, ela leu a história de sua vida. Mais tarde ela escreveu a respeito de São Gabriel:

“... eu comecei a admirar as suas virtudes e seus hábitos. Minha devoção por ele crescia. À noite eu não dormia sem ter sua imagem debaixo do travesseiro e, depois disso, passei a vê-lo perto de mim. Não sei como explicar isso, mas eu sentia a sua presença. Em todos os momentos e em cada ação, o Irmão Gabriel vinha à minha mente.” 

Aos 18 anos, estava na flor da idade, com boa saúde e disposição, Gemma decide se entregar totalmente nas mãos do SENHOR, repleta de fervor e carinho. Conforme o seu confessor Monsenhor Volpi, Gemma fez particularmente o Voto de Castidade eterna. Na sua “Autobiografia” ela registra este fato, escrevendo: 


“JESUS ficou tão contente que, após a Sagrada Comunhão, me inspirou a LHE fazer a oferta total de mim mesma. Fiz esta oferta com tal alegria, que passei o resto da noite e o dia seguinte, como se estivesse no Paraíso”. 

Foi nesse periodo que seu pai veio a falecer, nesse mesmo ano, durante a missão em S. Martino, Gemma conhece os padres Passionistas que a introduzem na casa Giannini. A principio ela entrou para a casa de Mateo Giannini como serviçal doméstica. 
Ela desejava entrar para o convento das passionistas em Lucca, no qual o seu conselheiro espiritual era o diretor, mas foi rejeitada devido sua fragilidade física, saúde precária, que incluía uma meningite espinhal, e por ter visões místicas. 

A partir desta época, o cenário de sua vida alcançou outro patamar, os “fenômenos extraordinários” passaram a lhe suceder com frequência, sendo eleita a “Vítima de JESUS Crucificado” e para se identificar com JESUS, teve de enfrentar tormentos cruéis, uma terrível luta contra o maligno em sua consciência e a “noite escura” na sua alma. 

A família Giannini era muito responsável e soube educar dignamente os seus filhos. Piedosamente acompanhavam as manifestações sobrenaturais que aconteciam com Gema e a protegiam nas dificuldades. A senhora Cecília de fato amava Gema, por ela ser simples, pobre, órfã e, sobretudo por ser a “Vítima de JESUS”. 
Ela teve a oportunidade de presenciar uma quantidade incontável de êxtases e manifestações extraordinárias. Verdadeiramente ela funcionava como um Anjo tutelar da jovem, proporcionando-lhe o calor do lar e um carinho com muito afeto, quase materno. 

Desconcertado e com receio de formar uma opinião errada em tudo que se passava com Gema, Monsenhor Volpi, Confessor dela, convidou o Padre Passionista Germano, que era um homem muito equilibrado e considerado especialista no assunto, a realizar uma profunda analise dos fenômenos extraordinários que aconteciam com a jovem, a fim de ajudá-lo em sua direção espiritual. O Padre concordou e viajou para Luca. 

Ele descreve a sua impressão: “Gema quando me viu, me reconheceu imediatamente, (algum tempo atrás JESUS tinha proporcionado a Gema uma visão dele) como se já nos conhecêssemos, recebendo-me com sinais de regozijo. Era uma quinta-feira. No meio do jantar, ela pressentindo o êxtase, levantou-se da mesa e tranquilamente retirou-se para o seu quarto. Pouco depois, a senhora Cecília veio me chamar. Vi a jovem rezando em pleno êxtase, suplicando ao SENHOR a conversão dos pecadores.
Padre Germano, um teólogo eminente no tocante à oração mística, percebeu que Gema tinha uma profunda vida de oração e consequente união a Deus. Ele estava convencido de que esta “Jóia de Cristo” tinha passado por todos os nove clássicos estágios da vida interior. Ele era um homem sério e muito respeitado, e tinha uma instrução religiosa tão profunda, que foi nomeado pela Santa Sé como Consultor da Sagrada Congregação das Indulgências.

Ele declarou: “De uma coisa não posso duvidar: a minha alma tem usufruído grandes benefícios espirituais, como resultado do contato com essa serva de DEUS. Tenho vindo a sentir que meu coração tem rejuvenescido na fé, no desejo das coisas do Céu e no amor à virtude”. 

Gema, agora com 20 anos, estava aparentemente em seu leito de morte. Uma novena lhe foi sugerida como a única chance de cura. Dia 23 de fevereiro de 1899, à meia-noite, ela ouviu o chocalhar de um rosário e se deu conta de que o Venerável Gabriel estava aparecendo para ela. 
Ele falou a Gema: “Queres ficar curada? Reza com fé toda noite ao Sagrado Coração de Jesus. Eu virei a ti até a novena terminar, e rezarei contigo a este Sacratíssimo Coração”.

Na primeira sexta-feira de março a novena terminava. A graça tinha sido concedida; Gema estava curada. Quando ela levantou-se, os que estavam à sua volta choraram de alegria. Sim, um milagre havia acontecido! 

Gemma então fala com o seu Anjo da Guarda que lhe dá uma incumbência delicada: entregar em Roma a correspondência ao seu diretor espiritual. 
“A carta, apenas terminada, a dou ao Anjo”, ela escreve. “Está aqui perto de mim que espera”. E as cartas, misteriosamente, chegavam a destinação sem passar através do Correio do Reino. 

Na véspera da festa do Sagrado Coração, no dia 08 de junho de 1899, depois de receber a comunhão, Nosso Senhor deu a conhecer a Sua serva que Ele lhe daria uma graça muito grande. 

Gemma perdeu os sentidos e entrou em êxtase, sentindo um grande remorso por seus pecados, ao acordar, encontrou-se em presença da Santíssima Virgem, que lhe disse: 
“Meu filho Jesus te ama sem medida e deseja dar-te uma graça. Eu serei uma mãe para ti. Serás uma verdadeira filha?” 

A Santíssima Virgem abriu então o seu manto e cobriu Gema com ele. 
Eis como Santa Gemma relata como ela recebeu os estigmas: 
“Naquele momento, Jesus apareceu com todas as suas chagas abertas, mas daquelas chagas não mais saía sangue, mas chamas de fogo. Num instante aquelas chamas vieram tocar minhas mãos, meus pés e meu coração. Senti como se estivesse morrendo, e eu teria caído no chão, se minha Mãe não me tivesse segurado, enquanto todo esse tempo eu permanecia sob o seu manto. Tive de ficar várias horas naquela posição. Finalmente ela beijou minha testa, tudo desapareceu e eu me vi de joelhos. Mas eu ainda sentia uma forte dor nas minhas mãos, pés e coração. Levantei para ir para a cama, e percebi que saía sangue dessas partes onde sentia dor. Cobri-as o melhor que pude, e, ajudada então pelo meu Anjo, pude ir para a cama...” 

Por mais algum tempo permaneceu ela sob o manto da Rainha dos Céus. Maria a osculou na fronte e desapareceu, deixando a jovem ajoelhada com fortes dores nas mãos, nos pés e no coração, de onde escorria sangue: Gemma Galgani havia recebido a graça dos Sagrados Estigmas. 



Muitas pessoas, incluindo respeitosos membros da Igreja, testemunharam este milagre dos estigmas, que se repetiu praticamente até o fim da vida de  Gema.

O fenômeno repetia-se a cada semana. Na quinta-feira, as chagas se abriam à noite, permanecendo até às três horas da tarde de sexta-feira. No sábado, ou o mais tardar no domingo, delas só restavam umas marcas esbranquiçadas. 

Gemma sofreu por 18 meses os estigmas da Crucificação de Cristo (stigmata), além das marcas dos espinhos e dos açoites de Jesus. Experimentou visões de Cristo e da Virgem Maria e do seu Anjo da Guarda. Quando em êxtase, fenômenos sobrenaturais (supranormais) manifestavam-se nela, entre os quais a mudança do som de sua voz e o falar em linguagem usada na época de Cristo (aramaico), da qual não poderia ter conhecimento, visto que apenas poucos luminares em Roma foram capazes de decifrar suas visões e revelações (fenômeno conhecido como glossolalia religiosa). 

Com suas próprias palavras, ela assim descreveu o seu primeiro encontro íntimo com Cristo no Santíssimo Sacramento: “É impossível explicar o que se passou então entre mim e Jesus. Ele se fez sentir, oh tão fortemente, na minha alma.” 

Diante dela os cientistas não conseguem esconder o embaraço. Até alguns diretores espirituais não sabem como justificar a extraordinária moça: suspeitam de mistificação, falam de histerismo ou de sugestão, pedem provas, exigem obediência. 

No ano 1901, com 23 anos, Gemma escreve por ordem de Padre Germano, a Autobiografia, "O quaderno dos meus pecados". No ano seguinte se oferece vítima ao Senhor para a salvação dos pecadores. Jesus a pede de fundar um mosteiro de clausura Passionista em Lucca. Gemma responde com entusiasmo. 
Em 1902 Gema, em boa saúde desde a sua cura milagrosa, ofereceu-se a Deus como vítima pela salvação das almas. Jesus aceitou a sua oferta. A partir de setembro ela então ficou extremamente doente e sua vida é marcada profundamente pela dor. A vida da jovem decorria entre os constantes sofrimentos e o fogo incandescente de seu amor a DEUS. 
Ela assumiu ser a“Vítima de JESUS” para consolar e acariciar o Coração Divino por causa de todos os pecados da humanidade. Ela sofria e suportava conscientemente a dor, colaborando de maneira heroica,  perseverante e fiel, ajudando a completar no Corpo de CRISTO (a Igreja) a redenção da humanidade realizada por JESUS, consolando os sofrimentos de DEUS, pela grandeza de seu amor ao SENHOR. 

Por essa ocasião, seu estômago não suportava nenhum tipo de comida. Apesar de ter recuperado sua saúde rapidamente, pela Providência Divina, ela adoeceu novamente. Em 21 de setembro de 1902 ela começou a expelir sangue com as violentas palpitações de amor de seu coração. Enquanto isso ela passava por um martírio espiritual, pois ela experimentava aridez e nenhum consolo em seus exercícios espirituais. 



Gema clamava incessantemente os nomes Santos de Jesus e Maria, mas a batalha continuava. 

O seu Diretor Espiritual, o Venerável Germano, vendo o esforço final de Gema, disse : “A pobre sofredora passou dias, semanas e meses desse modo, dando-nos um exemplo de paciência heroica e razões para um medo saudável pelo que pode acontecer conosco, que não temos os méritos de Gema, na terrível hora da morte”. 




Ainda assim, mesmo passando por essas provações, Gema nunca se queixou, ela apenas rezava. Gema estava no fim. Ela era praticamente um esqueleto vivo, mas ainda linda, apesar da devastação da doença. Ela recebeu o “Viático”. 

Ela havia participado sucessivamente de todos os tormentos do Cristo: suas angústias interiores, seu suor de sangue, a flagelação e suas numerosas chagas, os maus tratos, por obra dos demônios, as profundas feridas da coroa de espinhos, o deslocamento dos ossos e as chagas dos cravos. Faltavam-lhe apenas, para imitar cabalmente o Redentor em sua Paixão, a agonia e a morte em um mar de dores. 

Em suas últimas palavras, disse: “Eu não procuro mais nada; sacrifiquei tudo e todos a Deus; agora eu me preparo para morrer”. 
Ela falava com dificuldade. 
“Agora é mesmo verdade que não me resta mais nada, Jesus. Eu recomendo a minha pobre alma a Ti... Jesus !” 

Eram 13horas e 45 minutos do dia 11 de abril. Com 25 anos e um mês de idade, Gemma sorriu um sorriso celestial, deixando pender a cabeça para o lado e de seus olhos rolaram duas grandes lágrimas, enquanto sua alma silenciosamente partia para a Casa do PAI ETERNO, concluindo dignamente a sua missão de “Vítima de JESUS Crucificado”. 



O Pároco de Luca, Padre Andreuccetti mandou revesti-la com o hábito passionista, porque ela era de fato, uma “filha da paixão”. No dia seguinte, o seu corpo foi colocado num sepulcro escavado na terra virgem. Ao saber do ocorrido, Padre Germano se deslocou até Luca, aonde chegou no dia 26 de Abril de 1903. 

Pouco tempo depois é feita a exumação do corpo, sendo lhe extraído o coração, que para admiração de todos os médicos, estava flexível e fresco, cheio de sangue, como se estivesse num corpo vivo. 

O coração de Gema foi colocado num lindo relicário e permaneceu na Casa Geral dos Missionários Passionistas, em Roma. 



Após seu falecimento sua devoção se difundiu. Sua popularidade aumentou em 1943 quando suas cartas para o padre Germano (seu diretor espiritual) foram publicadas. 


CANONIZAÇÃO: 

As autoridades da Igreja começaram a estudar a vida de Gema em 1917 e ela foi beatificada em 1933. O decreto aprovando os milagres para a canonização foi lido a 26 de março de 1939 - Domingo de Ramos. 

Gema Galgani foi canonizada a 2 de março de 1940, apenas trinta e sete anos depois da sua morte. Há um verso do poema de Dante (Paraíso, c. XXX, 19-21) no qual a beleza sobrenatural é admiravelmente recordada e exaltada.  Ele também se adapta bem à pequena Jóia de Cristo, verdadeira Beatriz, que o Senhor com tanta alegria enfeitou para Si mesmo: "Santa Gema, rogai por nós." 




PENSAMENTOS DE SANTA GEMMA GALGANI 




"Quem te matou, Jesus" pergunta Gemma. E responde Jesus: "O amor". 

“Será possível SENHOR, existir um coração que não palpite de amor por TI”? 

"Diversas vezes perguntei a Jesus que me ensine o verdadeiro modo de amá-lo, e então Jesus parece que me fazia ver as suas Santíssimas chagas abertas". 

"És muito grande, o Jesus: o meu coração é pequeno, tu não podes estar dentro dele, que se dilate este coração!" 

"No ano 1899, de repente senti um profundíssimo arrependimento de todos meus pecados e me apareceu Jesus Cristo com suas cinco chagas e de cada uma delas saíam como chamas de fogo que vinham a tocar minhas mãos e meus pés e meu peito, e apareceram em meu corpo as cinco chagas de Jesus". 

“O importante não é olhar a cruz, nem levá-la ao peito, mas portá-la no profundo do coração”. 

“Vinde todos, mas todos, compadecer-se de Jesus... Todos adoremos a paixão de Jesus, todos!... Vamos todos a Jesus na cruz!... Eia, vinde... Vamos recolher o sangue... que Ele tanto derramou”. 

“Oh, se todos os pecadores viessem ao teu coração!... Vinde, pecadores, não temais, porque a espada da justiça não chega aqui dentro” 

“Dai-me Jesus, vereis que serei boa... não serei mais aquela de antes: dai-me, porque me sinto destruída, e não aguento mais esperar”. 

“Para mim, neste mundo, não há senão Deus; para mim, basta que Ele esteja contente”. 

“Com a fé se leva tudo até o fundo... e com o amor a gente fica acorrentado a Jesus”. 

“Quem busca agradar aos homens, não pode agradar a Jesus”. 

“Se os atribulados e os aflitos pusessem o amor nas suas provações, muito mais fácil seria para eles suporta-las”. 

“Se todos os homens procurassem conhecer e amar a Deus, este mundo se tornaria um paraíso”. 

“Muitas vezes, abato-me e choro... o meu espírito está pronto, mas meu corpo é débil”. 

“Duas coisas sinto em mim de infinita doçura: no amor, és tu quem deleita minha alma; e na dor, sou eu quem deleito a tua alma” 

“Jesus, contenta-me. Já não é mais o tempo de Tu sofreres tanto assim... Agora, estou eu, toca a mim”. 

“Que alegria a gente encontra no abandonar-se nos seus braços! Fica-se tão bem com Jesus somente!” 

“Quero que ninguém me ultrapasse jamais no amor a Jesus”. 

“Sofro por não poder sofrer”. 

“O verdadeiro amor se prova na dor”.




Agradecemos a colaboração de Lazzuly Blue (Cecy)






Nossa singela homenagem a Gemma Galgani , este Humilde  e Iluminado Coração  que deixou a sua Vibração  de AMOR   neste Planeta , por  seu total abandono A LUZ  ao ETERNO !





3 comentários:

  1. Graças por tão Belíssima Partilha! Um primor!

    Vou compartilhar, aqui, mais uma informação:
    O "anjo protetor" de Gemma; Aquele que a acompanhou durante sua vida terrena, era o assim chamado "Gabriel" - na verdade, Gabrielle dell'Addolorata. Também conhecido, na Itália, como São Gabrielle dell'Addolorata ou São Gabriel das Dores.
    Foi um jovem religioso da Congregação da Paixão de Jesus Cristo (Congregazione della Passione di Gesù Cristo).
    AVE LUZ GEMMA*! Linda Flor de Maria!
    Amada Estrela de Maria! AVE LUZES DO MUNDO!!!
    GRAÇAS!!!

    Cecy.

    ResponderExcluir