quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

LUZES DO MUNDO - ECKHART TOLLE


ECKHART TOLLE - VIVENDO O AGORA

Eckchart Tolle nasceu "Leonard Ulrich Tolle" em Lunen, uma pequena cidade localizada ao norte de Dortmund, no Vale do Ruhr, na Alemanha, em 1948. 
Tolle sempre descreveu sua infância como infeliz, particularmente a época em que viveu na Alemanha. Lá cresceu em um ambiente de muita desarmonia, culminando com a separação de seus pais. Ele se sentia hostilizado em seu ambiente escolar e incompreendido em seu próprio lar.

Na infância, enquanto jogava bola entre os destroços de prédio atingidos por bombas durante a segunda guerra mundial, Tolle se sentia muito deprimido, afirmando ter experiências de "dor no campo de energia do país". Aos 13 anos, mudou-se para Espanha para viver com seu pai. Seu pai nunca insistiu para que frequentasse uma escola formal, e assim Tolle limitou-se a estudar em casa literatura, astronomia e línguas.

Quando completou 19 anos, Tolle mudou-se para Inglaterra e por três anos ensinou alemão e espanhol em uma escola de Londres, para estudos de línguas estrangeiras.  Sempre atormentado por "depressão, ansiedade e medo", ele começou a "procura por respostas" em sua vida.  Aos 22 anos, decidiu aprofundar-se mais nos conhecimentos humanos e ingressou para estudar filosofia, psicologia e literatura, na Universidade de Londres . 


Depois de se formar pela Universidade de Londres em 1977, tornou-se pesquisador e supervisor da Universidade de Cambridge. Tolle conta que, aos 29 anos, depois de vários episódios depressivos, passou por uma profunda transformação interior que mudou radicalmente o curso de sua vida. 

Assim Tolle descreve sua experiência:

“Tudo começou a mudar pouco depois do meu aniversário de 29 anos, quando acordei certa madrugada com uma sensação de pavor absoluto. Não era a primeira vez que eu tinha uma crise de pânico, mas aquela, com certeza, foi a mais forte de todas. Tudo parecia estranho, hostil, absolutamente sem sentido. Senti uma profunda aversão pelo mundo e, principalmente, por mim mesmo. Qual o sentido de continuar a viver com o peso dessa angústia? Para que prosseguir com essa luta? Um profundo anseio de destruição, de deixar de existir, tinha tomado conta de mim, tornando-se até mais forte do que o desejo instintivo de viver. “Não posso mais viver comigo”, pensei. Então, de repente, tomei consciência de como aquele pensamento era peculiar. “Eu sou um ou sou dois? Se eu não consigo mais viver comigo, deve haver dois de mim: o ‘eu’ e o ‘eu interior’, com quem o ‘eu’ não consegue mais conviver”. “Talvez”, pensei, “só um dos dois  seja real”.

Fiquei tão atordoado com essa estranha dedução que a minha mente parou. Eu estava plenamente consciente, mas não tinha mais pensamentos. Fui arrastado para dentro do que parecia um vórtice de energia. No início o movimento foi lento, mas depois acelerou. Fui tomado de um pavor intenso e meu corpo começou a tremer. Ouvia as palavras “não resista”, como se viessem de dentro do meu peito. Eu estava sendo sugado para dentro de um vácuo que parecia estar dentro de mim e não do lado de fora. De repente, perdi o medo e me deixei levar. Não me lembro de nada do que aconteceu depois.”

Durante os cinco meses seguintes, Tolle conta que passou a viver em um estado permanente de paz e alegria. Depois, essa sensação diminuiu de intensidade ou talvez, segundo ele, tenha simplesmente se acostumado com ela, pois se tornou seu estado natural. 

Embora sua vida continuasse a mesma, Tolle havia percebido que nada do que ele fizesse poderia afetar realmente sua vida. “Ele já tinha tudo de que necessitava".

Tolle relata que sabia que algo profundamente significativo tinha lhe acontecido, mas que não entendia exatamente o quê. Só mais tarde, depois de ler muito sobre espiritualidade e de conviver com mestres iluminados, compreendeu o que se passara. 


“Percebi que eu já tinha vivenciando a transformação que as pessoas tanto desejavam. A pressão intensa do sofrimento daquela noite forçou minha consciência a pôr um fim à sua identificação com a infelicidade e com o falso “eu interior” amedrontado que minha mente havia criado para me controlar. Foi uma transformação tão completa que esse “eu interior” sofredor murchou imediatamente, como quando se tira o pino de um brinquedo inflável. O que restou foi a minha verdadeira natureza, a minha presença, a consciência em seu estado puro, anterior à sua identificação com a forma.”

Mais tarde, ele conta que aprendeu a entrar numa dimensão interior eterna e imortal, que a principio ele havia entendido como “um vazio”, e a permanecer plenamente consciente assim, alcançando um estado de profunda paz e bemaventurança. Tolle se entregou completamente a essa experiência e, durante um bom tempo, abriu mão de tudo no plano físico: não tinha mais emprego, casa, relacionamentos; nem uma identidade social definida. Passou quase dois anos sentado em bancos dos parques em Russell Square, centro de Londres, num estado de profunda alegria.

Sua família estranhou seu comportamento e passou a classificá-lo de "irresponsável", ou mesmo “insano". Nessa ocasião, Tolle mudou seu primeiro nome de Ulrich para Eckhart, em homenagem ao filósofo e místico alemão, Meister Eckhart.

Após este período, os ex-alunos de Cambridge e diversas pessoas que ele  conheceu ao acaso, começaram a pedir-lhe conselhos sobre suas crenças. Ele começou a trabalhar como professor e conselheiro espiritual. Os alunos continuaram a lhe procurar ao longo dos próximos cinco anos. Ele mudou-se para Glastonbury , um importante centro de vida alternativa. A partir de 1995, depois de ter visitado os EUA várias vezes, ele se estabelece em Vancouver, no Canadá, onde conheceu sua esposa Kim Eng.


Os anos seguintes foram dedicados ao entendimento, integração e aprofundamento desta transformação, que marcou o início de uma intensa jornada interior. Em seu livro, O Poder do Agora, relata as respostas obtidas através dessa busca, explicando que, quando nos alinhamos ao momento presente, uma nova percepção da realidade surge, muito mais pura, profunda, poderosa.

Quando decidiu escrever O Poder Do Agora publicado pela primeira vez em 1997, Tolle já se encontrava num estágio bem avançado de presença. Já havia passado por muitas experiências e vivências que o levaram a conhecer mais da essência de toda manifestação. Estava inteirado do universo de conceitos que fundamenta caminhos como o cristão, o budista, o hinduísta, o taoísta e outros da senda espiritual. 


Depois de se dedicar unicamente ao seu desenvolvimento interior, através do entendimento, integração e aprofundamento da transformação, Eckhart aprendeu que certos pensamentos e emoções impedem de vivenciar com plenitude a paz e a alegria que estão dentro de nós mesmos. Sua vida tem sido desde então uma colaboração no grande esforço de ensinar a humanidade a tomar consciência disso tudo.

“Este livro (O Poder do Agora) representa a essência do meu trabalho, com pequenos grupos na Europa e nos Estados Unidos, durante os últimos dez anos. Embora ainda sejam minoria, os pioneiros espirituais estão chegando a um ponto onde serão capazes de romper os padrões de consciência coletiva herdados dos nossos antepassados, responsáveis pela escravidão da humanidade por séculos.”

Somente 3000 cópias foram publicadas na primeira edição. Pessoalmente, Eckhart Tolle teve que entregar algumas copias a pequenas livrarias em Vancouver. Seus amigos também lhe ajudaram, distribuindo algumas copias em livrarias espirituais.

Mas foi em 2000 quando a apresentadora de Talk Show Americano, Oprah Winfrey, incluiu "O Poder do Agora” em seu clube do livro, que sua obra passou a figurar como Best Seller no New York Times.
Em 2008, o livro foi traduzido do Inglês para 33 idiomas; desde então, já foi traduzido até para o árabe. Tolle publicou o seu segundo livro, “O Poder do Silencio”, em 2003. Em julho de 2011, O Poder do Agora apareceu na lista dos 10 mais vendidos livros de auto ajuda, de todos os tempos. 


Em 2005, Tolle publicou o seu terceiro livro, “O Despertar de Uma Nova Consciência”, que assumiu a posição de número um no New York Times na  lista de Best Seller, várias vezes entre março e setembro de 2008. As altas vendas de seu terceiro livro, deveu-se mais uma vez, a seleção por Oprah Winfrey em seu clube do livro. Nas primeiras quatro semanas após o anuncio de sua inclusão, 3.5 milhão de cópias do livro foram vendidas. 

Tolle então inicia uma parceria com a apresentadora Oprah, para produzir uma série de sessões On Line, ao vivo, no início em maio de 2008.  As sessões semanais incluíam discussões entre Tolle e Winfrey, meditações silenciosas, e perguntas dos telespectadores. Cada sessão focava em um capítulo específico do livro “O Despertar de Uma Nova Consciência”. A terceira sessão chegou a registrar um marco histórico de mais de 11 milhões de telespectadores no mundo. Tal façanha, faria de Eckart Tolle o maior mestre espiritual vivo, em todo planeta.

“O Poder do Agora” e “O Despertar de Uma nova Consciência” são amplamente considerados como dois dos livros espirituais mais influentes do nosso tempo. Os ensinamentos profundos, mas simples de Eckhart já ajudaram inúmeras pessoas em todo o mundo a encontrar a paz interior e maior satisfação em suas vidas. No núcleo dos ensinamentos encontra-se a transformação da consciência, um despertar espiritual que ele vê como o próximo passo na evolução humana. Um aspecto essencial deste despertar consiste em transcender nossa mente e ego, acessando um estado de pura consciência. Este é um pré-requisito não só para a felicidade pessoal, mas também para o fim da violência em nosso planeta.


Eckhart Tolle não está vinculado a qualquer religião mas utiliza-se dos ensinamentos do zen budismo, sufismo (do poeta Rumi), hinduísmo (Advaita Vedânta), dos escritos de Mestre Eckhart e da Bíblia. 

Em seus ensinamentos, Eckart Tolle enfatiza: 

“A mente é, em essência, uma máquina de sobrevivência. Ela executa muitas coisas boas quando, por exemplo, ataca e se defende de outras mentes, coleta, armazena e analisa uma informação, mas não é nada criativa."
 Uma pesquisa nacional realizada com alguns dos matemáticos mais preeminentes que já atuaram nos Estados Unidos, incluindo Einstein, mostrou que o pensamento “é apenas uma parte secundária da fase breve e decisiva do ato criativo em si”. Logo, a maioria dos cientistas não é criativa, não porque não sabe pensar, mas sim porque não sabe como parar de pensar! 
 “Não foi a mente, nem o pensamento, que criou o milagre da vida ou nossos corpos. É claro que existe uma inteligência, de uma dimensão muito maior do que a da mente, trabalhando para manter tudo isso funcionando. Quanto mais aprendemos sobre o funcionamento do corpo, mais percebemos como é vasta a inteligência que age dentro dele e como sabemos pouco a esse respeito. Quando a mente se relaciona com o corpo, transforma-se na mais maravilhosa das ferramentas. Serve, então, a alguma é coisa maior do que ela mesma.”

Eckhart é um orador procurado e ensina e viaja extensivamente por todo o mundo. Muitas de suas palestras, cursos intensivos e retiros são publicados em CD e DVD. A maioria dos ensinamentos são ministrados em Inglês, mas ocasionalmente Eckhart também dá palestras em alemão e espanhol. Eckhart também é pioneiro no uso da tecnologia para disseminar seus ensinamentos. Através EckhartTolleTV.com, ele dá palestras mensais, meditações ao vivo e responde a perguntas de telespectadores.  










4 comentários:

  1. A simplicidade de Eckhart Tolle serve para nos lembrar que somos essa simplicidade, somos a naturalidade, a leveza, o amor... quem complica, quem faz tudo parecer inatingível, inalcançável é o EGO!!
    Excelente postagem e lindo vídeo!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia João!
    É sempre bom tê-lo em nosso espaço,com suas considerações lúcidas e sábias.
    Sim, é o EGO que nos leva a imaginar que nossa pequena pessoa tem um longo caminho a percorrer para alcançar alguma coisa. O ego gosta de desafios, de superação...
    Não há nada a alcançar, nada a buscar, pois já somos tudo!!
    Tudo já está em nós... basta fechar os olhos e sentir!!
    Nós somos essa presença!

    ResponderExcluir
  3. Lindo, paz na simplicidade, abraços

    ResponderExcluir
  4. Tem algum tipo de campanha de divulgação do despertar? ou algum grupo da "Iluminação" no Brasil? Os ensinamentos deste mestre vivo já deviam ser ensinados na escola...

    ResponderExcluir