terça-feira, 31 de dezembro de 2013

FELIZ 2014 !




Como é bom o aproximar do fim do ano,
Vêm até nós novas esperanças, novos alentos.
O que é velho se desvanece,
O que é novo resplandece,
Tentemos esquecer o que de mau passou,
E, recordar o que de bom ficou.

Criemos novos ânimos,
Recuperemos nossas forças.
Para aquele que se avizinha,
Se conduzam nossos olhares.

Alertemos nossos pensamentos.
Queimemos nossos proconceitos,
Nossos orgulhos descabidos,
Na fogueira ardente de benquerer,
No desejo de um novo Mundo!

Que os homens se compreendam melhor,
Que as crianças sorriam mais felizes,
Que as estrelas brilhem mais forte,
Que as armas se tornem flores,
Que se inicie uma nova era,
Que a paz venha para todos nós!

(Aida Almeida Lopes da Luz)

Fonte: Gotas de Orvalho








 ‘’Fechei os olhos e pedi um favor ao vento... Leve tudo que for desnecessário. Ando cansada de bagagens pesadas...Daqui para frente levo apenas o que couber no bolso e no coração. Mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros...Mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.’’  
 ( Cora Coralina )











Vem aí um ANO NOVO.
Então, respire fundo...
Receba as novas energias...
E esteja pronto para novos pensamentos...

Afinal, este será o melhor ANO de sua VIDA.
Então deixe que o seu coração se encha de paz..
E que o amor invada sua alma...

Não espere apenas um BOM ANO. 
Abrace o Grande ANO.
Reflita sobre tudo o que passou.
Aprenda com o que viveu.
Ressignifique...
E revigore suas expectativas.

Afinal, vem aí Um NOVO ANO cheio de oportunidades.
Que ele seja afortunado... 
Que prevaleça o perdão ...
Que você sorria 365 dias, sem perder o fôlego 
E que a cooperação seja tão comum quando dormir e acordar.

E que a cada amanhecer você seja grato por estar vivo, 
E por poder recomeçar...
E assim, sinta a felicidade irradiar a sua vida...
E tenha a certeza de que neste NOVO ANO, tudo de bom, será ainda melhor!

autor: Deivison Pedroza



sábado, 28 de dezembro de 2013

SÃO THOMÉ DAS LETRAS - A CIDADE MISTICA


Misticismo designa um conjunto de crenças e concepções, heterogêneas e não muito bem definidas, que se preocupam com a busca de conhecimento espiritual direto mediante processos psíquicos que ultrapassam as funções intelectuais. Nesta perspectiva, o misticismo é um caminho prático de evolução, realização pessoal e felicidade.

As correntes místicas pregam a experiência direta do divino, comumente chamada de experiência mística, e muitas vezes descrita como iluminação. A experiência mística é um estado de consciência em que o místico tem um vislumbre daquilo que está além deste plano físico, e muitas vezes é descrito como união com o Todo. Isto só pode ser alcançado, segundo os místicos, por uma disciplina espiritual que visa distanciar-se das coisas mundanas.

São Thomé das Letras

Muitas vezes a experiência mística é descrita por aqueles que a sentem como uma "visão direta de Deus". Tais fenômenos estão presentes tanto no Velho Testamento quanto no Novo Testamento da Bíblia e na cultura oriental ( budismo , hinduísmo , yoga , etc.).

O místico procura na prática espiritual e no estudo das coisas divinas, mais que na racionalidade, as bases para suas concepções de vida, embora muitas vezes o misticismo esteja envolvido com intrincados sistemas que o fundamentam. Este é o caso da Cabala , a tradição esotérica dos judeus .

No estado de Minas Gerais, há 1.440 metros de altitude, está São Thomé das Letras. Essa pequena cidade também é chamada de Cidade Mística, pois acredita-se que nela há um ponto energético muito forte, o qual atrai espiritualistas, místicos e também amantes da natureza.

O nome da cidade tem origem em uma lenda antiga. Um escravo certa vez fugiu da propriedade do Barão de Alfenas, e se instalou numa gruta. Na gruta ele teria encontrado uma estátua de São Thomé junto a uma carta de escrita perfeita. O escravo levou a carta ao seu dono que, impressionado com o ocorrido, lhe concedeu a carta de alforria e ordenou que fosse construída uma igreja ao lado desta gruta. 


O povoamento de São Thomé das Letras começou em 1770, quando teve início a construção da capela de São Thomé, por causa dessa misteriosa aparição do santo ao escravo na gruta localizada no centro da cidade. Durante as obras de construção da Igreja, foram encontradas diversas pinturas em tom avermelhado na entrada da gruta. Acreditava-se que estas marcas foram deixadas pelo santo, como prova de sua aparição. 

Historiadores atribuem essas pinturas aos índios Cataguases, antigos habitantes da região, outras pessoas preferem acreditar que foram efetuadas por seres extraterrenos, vindos das estrelas pelo caminho de "Sumé". O nome "Letras" partiu da existência dessas inscrições.

Igreja de Pedra de São Thomé

Finalizada em 1785, as pinturas internas da igreja são do estilo barroco, com paredes e pinturas revestidas em ouro. O trabalho artístico é atribuído a Joaquim José Natividade, discípulo de Aleijadinho. Entretanto esta não é a única gruta que possui uma lenda. Na região existem várias grutas, muitas delas com passagens subterrâneas que são desconhecidas e ainda não foram mapeadas pelo homem.


A Gruta do Carimbado é uma delas. Diz a lenda que esta gruta possui um caminho que leva até a antiga cidade Inca de Macchu Picchu, no Peru. Tal lenda tem origem na última aparição de Chico Taquara, um antigo curandeiro de São Thomé. A última vez que o curandeiro havia sido visto seria na Gruta do Carimbado. Seu desaparecimento nunca foi esclarecido, mas dizem que algum tempo após seu sumiço, foi visto em Macchu Picchu, no Peru…

Conta-se que ele falava com os animais, e era sempre acompanhado por abelhas, vacas e bezerros. Suas rezas em língua estranha sempre curavam quem a ele recorria. Podia até prever acontecimentos futuros. Taquara levava a vida a ajudar os outros, a guardar São Thomé e a ensinar “coisas bonitas”. Pelos idos de 1916, desapareceu. Alguns dizem que ele continua entre as pedras, mas não permite mais ser visto. Outros acreditam na volta ao centro da Terra, de onde teria vindo realmente.

Na cidade é possível andar até alguns pontos tidos como mistico graças aos magnetismo que esses locais possuem, deslocando as pessoas para vivenciarem os encantos que a natureza desses locais possibilitam aos seus sentidos. 


Piramide


No Mirante é possível ter uma visão de 360 graus da região, sendo um local excelente para observar o movimento das estrelas e planetas. Deste monte dá pra perceber o quão alta é a cidade, pois dá a impressão que é possível alcançar as nuvens, de tão próximas do chão que elas se encontram. Próximo ao Mirante está a Casa da Pirâmide, um ótimo lugar para observar o céu também. Feita de uma pedra muito encontrada no local, o quartzito, essa construção é interessante e diferente por possuir teto piramidal.

Vale das Borboletas


Em uma das saídas da cidade, descendo pelo asfalto por uns quinze minutos, chega-se ao Vale das Borboletas. O local, surreal por sua natureza, possui toda uma estrutura natural que remetem a escadas de barro e corrimãos que podem ser improvisados nas raízes sobressalentes das árvores. Essas estruturas naturais auxiliam os aventureiros a descerem para a piscina natural de pedras e água gelada, com direito à massagem proporcionada pelo filete de água que jorra entre as pedras e raízes…

Em São Thomé das Letras existem diversas condições que levaram místicos de todo o Brasil e do mundo a procurarem a cidade que acreditam ter evidências favoráveis às suas práticas e à uma vida pautada no espiritual e no ritualístico implantado por sociedades alternativas ali presentes, ou mesmo por seitas e movimentos.

Uma das afirmações dá conta de que a cidade seja uma das sete escolhidas como sagrada e portanto possui aspectos magnéticos e campos de energização, além de facilitar o contato e a sensibilidade dos místicos para a comunicação com o cosmo, através de ondas só encontradas ali. 


São Tomé das Letras está envolvida em lendas e mistérios. Lá foram encontrados no século XVIII caracteres rupestres representando animais e objetos abstratos de origem desconhecida. Os primeiros exploradores que visitaram a região, no entanto, em sua característica visão etnocêntrica, estabeleceram que as pinturas foram feitas por São Tomé, que teria visitado o Brasil em tempos remotos. 


No caminho para Carimbado está a Ladeira do Amendoim. Nela, se você deixar o carro solto em marcha lenta ele sobe sozinho. Não se espante, a física explica. Quem vê tem a impressão de que o carro está subindo, mas na verdade ele está descendo, como deve ser.


EUBIOSE
É crença compartilhada por moradores e visitantes que a cidade de São Thomé das Letras e as regiões em torno dela são locais muito propensos a aparições de seres de outros mundos. 

Os eubiotas (adeptos da Eubiose, ordem que possui uma sede na cidade), por exemplo, consideram São Thomé um dos chacras do planeta, um ponto de convergência de energia cósmica, e que Chico Taquara era o guardião dessa “embocadura energética”. 

Luiz Noronha, o Tatá, de 72 anos

Tatá (outro nome praticamente patrimônio cultural da cidade - Luiz Noronha, estuda História e Ufologia e mora em São Thomé da Letras há quase 50 anos), explica que a cidade foi construída sobre uma serra de rochas aluvionais (formadas de cristais particulados e compactados e de fácil decomposição molecular) intercaladas com rochas mais densas que funcionam como isolantes. 


Essa estrutura funciona como um capacitor e armazena a energia que vem do centro da Terra. Por isso, o lugar possui uma vibração muito forte e é um ponto de atração para seres e fenômenos místicos.

Tatá  não revela toda sua sabedoria e nem espera que os outros acreditem nele. De acordo com os membros da Eubiose em São Thomé, ele tem um pacto com o criador da ordem e não conta todos seus conhecimentos e descobertas para quem não está preparado. 

Tatá é certo da existência de outras dimensões de espaço e tempo paralelas à nossa. Tem certeza que seres desses outros mundos conseguem transpor a barreira dimensional e vir para o nosso tempo e espaço. E adverte: eles devem ser chamados de seres, pois não se sabe quem e como são, nem do onde vieram: pode ser do céu, pode ser do centro da Terra. “Nós não estamos sozinhos”, diz o pesquisador. “Não posso dizer que esses seres são ETs, nem que são inteligentes. Tudo que dizem sobre isso é ilusão. Não sei nem onde eu estou, como vou saber dos outros?”

O ufólogo gostaria que alguém da família ou algum amigo continuasse seus estudos, mas sabe da dificuldade de isso acontecer. Porém, São Thomé das Letras é um lugar que atrai interessados no assunto e tem o dom de ganhar habitantes apreciadores de sua aura mística. Com certeza sua pesquisa será continuada. 

Ele escolheu acertadamente seu lugar de morada. A cidade serrana mineira parece estar envolta a uma aura mística, de fé em todos os fenômenos da natureza. Está-se sempre esperando uma nova manifestação sobrenatural. Não é uma espera que coloca as vidas em suspensão. Ao contrário. É uma esperança de fé, quase religiosa, incentivadora da busca, do autoconhecimento e da exploração do local.


Prova disso é a lenda de Chico Taquara, que se perpetua por todas as crenças da cidade. Uma foto do “véio” Chico pode ser encontrada na parede da sala de estar da sede da Sociedade Brasileira de Eubiose, ao lado das fotos de seus fundadores. 

Perguntado sobre a lenda de sua morte na cidade, os membros confirmam, para espanto de  todos: “Mas ele não morreu. Ele era um intraterreste e voltou para o centro da Terra”. Aproximando a cabeça e abaixando a voz: “A Terra é oca, nós não estamos sozinhos”. “Mas os intraterrestres podem voltar a subir para a superfície?” “Eles estão entre nós”.

A Eubiose tem a cidade como um dos pontos do mundo mais importantes em sua crença. Apresentando os pensamentos e ensinamentos da ordem, o paulista Claudio Araujo de Lima, membro da ordem há 35 anos, fala o por que a cidade foi escolhida como um dos pontos-chave da Eubiose: “Há, no mundo, 14 chacras energéticos, sendo que os sete principais estão no Brasil – eles comandam a vibração do planeta. São Thomé é importante, pois é um dos chacras mundiais”.

Com quase 90 anos de existência, a Eubiose já é reconhecida pelo Código Civil brasileiro como uma religião, contrariando o pensamento dos adeptos. “Somos uma ordem e não uma religião. No popular, até pouco tempo, éramos conhecidos como uma ordem oculta. As ordens sempre, no contexto mundial, foram deixadas de lado, vistas como perigosas. Tem gente que nem pisa em nossa calçada, porque não conhece. Ainda. Nós não podemos interferir no livre-arbítrio de nenhum ser, mas a porta está aberta”. 

Templo da Eubiose dentro da sede da ordem em São Thomé das Letras

Um dos degraus para aproximar os cidadãos da ordem são os círculos abertos de palestras, promovidos pelo Departamento, com apresentações da filosofia da Eubiose. Depois disso, há uma série de graus onde são mostrados lances da natureza humana. Segundo os eubióticos, há o lance mental e o emocional, além de um terceiro que reúne os dois últimos dentro de nosso ser e de um quarto nível dedicado às coisas da própria ordem – os fundadores, a história da humanidade antiga, a história atual, a função do Brasil nesse plano cósmico atual e da Era de Aquário.

Ao contrário da maioria das religiões, a Eubiose não é construída sobre dogmas. Todo o processo de aprendizagem e inserção na ordem está relacionado à evolução humana e visa à construção crítica do autoconhecimento. Um dos pilares mais importante da filosofia é a procura por sublimar o entendimento de Deus em todas as áreas do conhecimento humano. “Deus está em tudo e em todos. É onipresente, onisciente e onipotente. Sempre essa tríade. O principal objetivo da Eubiose é mostrar que o Deus que cada um procura está dentro da natureza de cada um, já que, na verdade, todos temos uma centelha divina desse ser que criou todo esse universo manifestado”.


A crença na reencarnação é mantida pela ordem, mas uma diferenciação é crucial para adentrarmos na filosofia eubiótica: nossa alma é diferente de nossa essência, ela constitui o nível terreno e a essência faz parte do nível etérico. 

Tal qual a razão e a emoção, a alma integra nossa parte terrena e não está diretamente relacionada à reencarnação ou qualquer tipo de metafísica. Já a nossa essência é algo que não precisa de evolução, pois é a centelha de Deus que está presente em todos os seres. “Cada um de nós possui essa centelha divina, que está ligada ao ponto de intersecção entre nosso nível físico e etérico. Todos temos que fazer com que essa parte divina que nos habita passe a constituir também nossa fração terrena. Dessa maneira, seremos muitos mais conscientes do que é a vida”, explica Claudio.

“Nós não temos esse conceito de salvação. Com o livre-arbítrio, escolhemos se evoluiremos ou involuiremos em nossa vida terrena. Não há perdão, tudo é cíclico”. 

Baseados principalmente na autocrítica e no livre-arbítrio, os eubióticos creem na validade da “Lei da Ação e Reação” para equilibrar tanto a nossa balança interna, quanto a do universo.  

Tal qual a evolução, os ciclos energéticos aparecem como um dos pontos-chave da ordem eubiótica. Para os membros da Eubiose, estamos em uma fase de transição de energia, ou seja, passaremos da Era de Peixes para a tão famosa Era de Aquário. 

Ao contrário do ambiente hippie típico das décadas de 60 e 70, a Era de Aquário é muito mais do que uma canção para os eubiotas. Claudio explica que de dois em dois mil anos é comum que novas Eras substituam as antigas e tragam consigo ou um novo ser iluminado, ou uma nova consciência – ambos capazes de ajudar na evolução terrena. 

Cachoeira Vale das Borboletas

“Há 50 anos estamos vibrando no mental abstrato, que é a Era de Aquário. Basta observarmos as crianças e os jovens de hoje: é outro aspecto, outra vibração, outra dinâmica, outra ciência se comparados às crianças e aos adolescentes de Eras passadas. A facilidade para lidar com o que antes era complexo é algo que não se pode jamais descartar, pois é a mostra que eles já vieram carimbados para a nova Era, a Era de Aquário. Ledo engano dos mais velhos dizer que vão acompanhá-los. Não! O conhecimento do passado já foi talhado pelos nossos antecessores. Sabedoria é aproveitá-lo e não descartá-lo”.

Digno de curiosidade e de questionamentos é outro degrau peculiar da filosofia eubiótica: a crença nos avataras. Segundo a ordem, eles são mestres de luz que vem à Terra para nos ajudar. 

Entre os avataras mais conhecidos da história estão Maomé, Buda e o próprio Jesus Cristo. O avatara aparece, grosso modo, de dois em dois mil anos, mas essa periodização não é rígida. É possível que tenha havido avataras “menores” – que poderiam ser, por exemplo, cientistas de renome – que passaram anonimamente por nós. Esses mestres de luz sempre cumprem Eras. Cristo, por exemplo, foi da Era de Peixes e, como estamos entrando na Era de Aquário, o próximo avatara, que eles chamam de Buda Maitreya, está por vir.

Formações rochosas tomam as formas mais inusitadas- Pedra da  Bruxa.

“O avatara nem sempre é fisicamente visível. Ele pode ser uma consciência, uma projeção na criança ou em algumas pessoas que estão contribuindo para o planeta na área de conhecimento humano. Essa energia de Buda Maitreya já está acontecendo. Estamos num período vibratório. A humanidade sempre quer ver um ser físico, mas, se ele virá fisicamente, nós não sabemos. Esse avatara, esse messias, pode já estar andando entre nós”.



vídeo: Luca Spezia




vídeo: pgmboxcultural




quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

IRMÃOS DA LUA



"Somos todos irmãos da lua,
Moramos na mesma rua,
Bebemos no mesmo copo,
A mesma bebida crua.


O caminho já não é novo,
Por ele é que passa o povo,
Farinha do mesmo saco,
Galinha do mesmo ovo.


Mas nada é melhor, que a água,
A terra é a mãe de todos,
O ar é que toca o homem,
E o homem maneja o fogo,
E o homem possui a fala,
E a fala edifica o canto,
E o canto repousa a alma,
Da alma depende a calma,
E a calma é irmã do simples,
E o simples resolve tudo.
Mas tudo na vida às vezes,
Consiste em não se ter nada".

Renato Teixeira



vídeo:Cristina Nery

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

O VERDADEIRO SÍMBOLO DO NATAL


Que vem à mente quando o Natal se aproxima?
Em todo o mundo o Natal tem o mesmo significado?
Que mensagem o Natal traz a cada um de nós?

Muitas pessoas pensam que em todo o lugar se comemora o Natal do mesmo jeito. Porém elas estão enganadas. Em cada país o Natal é comemorado de uma maneira diferente.




Nos países distantes como a Finlândia, por exemplo, limpa-se bem a casa, não deixando um cantinho sequer sem varrer. Em seguida todo o assoalho é coberto com palha, e nela as crianças dormem. Isto para significar que o menino Jesus foi colocado numa manjedoura.



Na Grécia prepara-se um tipo especial de pãezinhos para o Natal. Sobre eles  desenha-se  uma cruz e dentro coloca-se uma moeda. Cada pessoa recebe um pedaço desse pão, e a que sai premiada com a moeda, considera-se ser para ela um presságio de prosperidade para o ano que se aproxima.




Na Itália a festa de Natal dura aproximadamente três semanas. A troca de presentes é feita no dia 6 de janeiro, porque pensam alguns que foi nesta ocasião que os magos chegaram a Belém com os presentes para o menino Jesus.



Na Suécia até os pássaros tomam parte nas celebrações do Natal. É erguida numa praça, uma árvore de Natal especialmente para eles.
A árvore consiste de um molho de trigo amarrado em seu cimo, de onde os pássaros podem tirar o que quiserem.



Mesmo nos Estados Unidos os costumes variam de um Estado para o outro no que diz respeito à comemoração do Natal.

A primeira árvore de Natal foi erguida na casa da família Folles em 1824. Ali cada ano a família começou a enfeitar uma árvore com bonecas trazidas da Alemanha, e algumas velas; mais tarde foi acrescentado todo o tipo de enfeites.

Com o tempo os vizinhos que apreciavam estes dias de festa, começaram a fazer o mesmo em seus próprios lares.



Hoje podemos ver árvores e mais árvores pôr  meio de fotos em todo o país norte-americano, enfeitando as casas, lojas, mas não apenas lá, pois esta tradição se espalhou por todo o mundo. Mesmo o Brasil sendo um país tropical as pessoas improvisam árvores de Natal de diversos tipos.

Foi escolhido o pinheiro como emblema de Natal, pois simboliza a eternidade como o próprio Cristo, mesmo que as condições climáticas não sejam tão favoráveis o pinheiro permanece sempre verde.



Não importa o seu tamanho e nem o número de crianças de um lar, lá está ele com um único propósito que é o de honrar ao menino Jesus. As luzes colocadas no árvore levam-nos a pensar naquele que é a Luz do mundo


Realmente a época do Natal nos fornece um espetáculo de luzes e cores que encantam o nosso coração. Cada  shopping center  se esmera em fazer com que a sua decoração seja a mais colorida, a mais requintada, a mais inusitada de todas as decorações natalinas.

Algumas cidades fazem concurso entre as casas mais bem decoradas com os motivos de Natal, e cada vez mais a população é agraciada por obras de arte que deixam todos embevecidos.








O dia de Natal é esperado por muitas pessoas, porque nesse dia as comidas são servidas em abundância, geralmente com um cardápio definido.

No Brasil por exemplo, nós usamos as frutas naturais, que nesta época são encontradas em grande variedade. E por ser verão nesta época do ano, as frutas são bem-vindas. Cada família tem uma tradição no que diz respeito à alimentação. Já nos países onde o inverno é rigoroso, são servidas castanhas e frutas secas.





Outro costume relativo ao Natal e que cada ano surpreende, é a Industria de brinquedos. Cada vez mais se supera na criação de novos brinquedos.


As crianças são ensinadas desde cedo que ter muitos brinquedos é muito importante e o que importa é a variedade e a quantidade de brinquedos que há no quarto.



A televisão bombardeia a idéia das pessoas, tornando-as consumistas e desejosas de obter tudo o que desejarem e puderem comprar.

Tudo o que foi falado é muito interessante. Mas será que tudo isto é necessário para trazer a felicidade e  a paz que o espírito de Natal deve representar para nós.

O Criador do universo não escolheu um palácio e nem um berço de ouro para nascer. Pelo contrário a mulher escolhida para gerar o Filho de Deus, era uma jovenzinha judia simples que não teve um lugar confortável para dar à luz ao seu querido bebê.

Na Bíblia no livro de Lucas no capítulo 2 e no verso  7 nós lemos: “e teve a seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou em uma manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.”

E em uma estrebaria nasceu o Salvador do mundo. O único capaz de dar  a salvação e a solução para todos o problemas que enfrentamos.

Não é necessário seguir uma tradição para ser feliz.
Não é preciso ter uma árvore de Natal majestosa para ter paz, porque Jesus é o Príncipe da Paz.
Não é preciso ter comidas natalinas finas para ser alimentado. Porque Jesus é o Pão da vida.
Não é preciso ter dezenas de brinquedos para ter alegria, porque Jesus é o Deus da alegria.

O que  realmente importa é que o significado do Natal esteja diariamente fazendo parte de nossa vida, pois o verdadeiro símbolo do Natal é Cristo habitar em nosso coração.


(Pr. NEUMOEL STINA)





O POEMA DO MENINO JESUS, DE FERNANDO PESSOA - CODIFICADO COMO ALBERTO CAEIRO , RECITADO POR MARIA BETHANIA



Poema do Menino Jesus

Num meio-dia de fim de Primavera
Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu.
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.


Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz
E deixou-o pregado na cruz que há no céu
E serve de modelo às outras.
Depois fugiu para o Sol
E desceu no primeiro raio que apanhou.
Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso e natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães.
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em ranchos pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as coisas.
Aponta-me todas as coisas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão 
E olha devagar para elas.

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural.
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.


A Criança Nova que habita onde vivo
Dá-me uma mão a mim
E outra a tudo que existe
E assim vamos os três pelo caminho que houver,
Saltando e cantando e rindo
E gozando o nosso segredo comum
Que é saber por toda a parte
Que não há mistério no mundo
E que tudo vale a pena.

A Criança Eterna acompanha-me sempre.
A direcção do meu olhar é o seu dedo apontado.
O meu ouvido atento alegremente a todos os sons
São as cócegas que ele me faz, brincando, nas orelhas.

Damo-nos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro,
Mas vivemos juntos e dois
Com um acordo íntimo
Como a mão direita e a esquerda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta de casa,
Graves como convém a um deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo o universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens
E ele sorri porque tudo é incrível.
Ri dos reis e dos que não são reis,
E tem pena de ouvir falar das guerras,
E dos comércios, e dos navios
Que ficam fumo no ar dos altos mares.
Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade
Que uma flor tem ao florescer
E que anda com a luz do Sol
A variar os montes e os vales
E a fazer doer aos olhos dos muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o.
Levo-o ao colo para dentro de casa
E deito-o, despindo-o lentamente
E como seguindo um ritual muito limpo
E todo materno até ele estar nu.

Ele dorme dentro da minha alma
E às vezes acorda de noite
E brinca com os meus sonhos.
Vira uns de pernas para o ar,
Põe uns em cima dos outros
E bate palmas sozinho
Sorrindo para o meu sono.

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
Até que nasça qualquer dia
Que tu sabes qual é.

Esta é a história do meu Menino Jesus.
Por que razão que se perceba
Não há-de ser ela mais verdadeira
Que tudo quanto os filósofos pensam
E tudo quanto as religiões ensinam ?

Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)





sábado, 21 de dezembro de 2013

TRANSPESSOAL



Transpessoal significa "além" da pessoa. 
Mas, o que haverá para além do eu, do ego ou da pessoa? Parece que tudo...

O tipo pessoal de comportamento (ou sentimento, ou pensamento) é enraizado no significado e na forma condicionada de personalidade. Uma forma transpessoal de comportamento é aquela que parte do Self não-condicionado do Homem, utiliza a personalidade apenas como um instrumento

A busca da essência ou de algo que supere a ideia que fazemos de nós mesmos sempre fez parte da humanidade. No templo de Apolo, em Delfos, havia um frontispício onde se lia seu famoso mandamento “Conhece-te a ti mesmo”. Mas, esse autoconhecimento significava muito mais do que supõem todas as nossas psicoterapias. 



Talvez estejamos vivendo hoje um processo evolutivo consciente, às portas de um salto inteligente para o espírito. Teilhard de Chardin, o teólogo herege que quase foi expulso da Igreja, percebeu que a vida é uma ascensão progressiva da consciência rumo a um Outro supra-humano, além e acima da percepção individualista e limitada do eu e da realidade que nos cerca. 

Este é o cerne da fundamentação metafísica da Transpessoal: a busca incessante de uma superação da consciência comum rumo a outros estados de percepção do real. Para isso é necessário um trabalho corajoso de desidentificação dos apegos, das crenças e dos padrões que nos limitam. Este é o princípio que define a sua psicoterapia, seu processo pedagógico, sua concepção de música, de arte, de criatividade. A busca da consciência transpessoal é algo equivalente a uma transmutação alquímica da alma. 

Por isto, se algo deve estar presente em todos os tratados de Transpessoal, deve ser a espiritualidade. É esta a sua contribuição neste milênio. A Transpessoal vem acrescentar, a uma psicologia das profundezas, também uma psicologia das altitudes. 


O estudo da supraconsciência hoje pode ser realizado em termos científicos, utilizando para isso o referencial da psicologia, da biologia e do sistema neurológico, entre outros. A espiritualidade não mais se encontra restrita a uma linguagem religiosa e dogmática. Mas, para isso, foi necessário o resgate de antigas tradições místicas e seu enlace transdisciplinar com a ciência, para que a consciência pudesse ser vista em suas múltiplas dimensões e potencialidades. 


O fato é que a consciência é transpessoal. Ou, usando um termo mais recente, espiritual. As tradições mais articuladas deixam isso muito claro. Budismo (da raiz bodh, “desperto”) não é um estado específico de consciência ou da mente, mas a própria mente, o recipiente. Talvez mais explícito seja o Sufismo, que deixa claro que o objetivo do despertar do estado restrito de consciência que é a consciência ordinária, está além dos estados espirituais. São manifestações derivadas da própria consciência e o resultado da influência transpessoal sobre o pessoal (ou, nos termos tradicionais, do espiritual sobre o ego) que é a explicação comumente usada.

A espiritualidade, ou a dimensão espiritual do homem, identifica o Movimento Transpessoal como a primeira corrente da Psicologia contemporânea que dedica atenção sistemática e privilegiada à dimensão espiritual da experiência humana, até então ignorada, negada, negligenciada ou reduzida a derivações secundárias de outras faixas inferiores do ser.



Psicologia Transpessoal

A Psicologia Transpessoal  é a tendência mais moderna dentro da psicologia, coerente com os ideais holísticos que buscam, hoje, transcender as dualidades. Esta vertente nasceu na década de 60, no auge da contracultura e das experiências com estados alterados da consciência, desde os provocados pelo uso de substâncias alucinógenas até os que derivam de vivências místicas, próprias das tradições espirituais. 

Não obstante o interesse milenar do ser humano pelas dimensões superiores e espirituais de sua psiquê e experiência, e do significativo trabalho desenvolvido no campo da Psicologia por pioneiros, é somente de meados para o final da década de 60 que uma série de fatores contribui para o aumento de investigações, teorizações e práticas psicológicas relacionadas ao tema, criando condições para a emergência e institucionalização da Psicologia Transpessoal enquanto movimento organizado que se propõe como a Quarta Força da Psicologia.


Esta corrente é definida por Abraham Maslow, um de seus fundadores, como a ‘quarta força’ da Psicologia, antecedida pelo behaviorismo de Pavlov, pela Psicanálise criada por Freud e pela linha humanista, baseada na Fenomenologia e no Existencialismo. A Psicologia Transpessoal tornou-se oficial em 1969, com a união de Vitor Frankl, Stanislav Grof, James Fadiman, Antony Sutich e Maslow.


Muito do extraordinário sucesso da Quarta Força da Psicologia se deve ao Espírito do Tempo, o Zeitgeist, desse momento histórico, ao qual de várias maneiras suas propostas eram ressonantes e coincidentes, ao ponto de, em diversos sentidos, ter sido o Movimento da Psicologia Humanista abarcado como uma das facetas da Contracultura. 

É possível distinguir dentre os humanistas, aqueles mais orientados para o Humanismo (no sentido tradicional da palavra) daqueles que têm uma orientação mais Transpessoal.

A escola transpessoal não se contenta apenas com a dimensão do ego, explorada pelas outras vertentes, pois a considera muito limitada. Assim, seus adeptos procuram explorar outras esferas conscienciais, que transcendem o universo egóico. A psique humana é vista de uma forma mais ampla, além do indivíduo, quando as pesquisas se estendem às condições não comuns da consciência, ultrapassando o estado de vigília.

A psicologia transpessoal, no seu aspecto fenomenológico, motiva as discussões a cerca da metafísica, e abre a visão de que podemos acessar o transcendente, através de estados alterados de consciência, de modo consciente no viver cotidiano
.


Na verdade, a aceitação do homem como ser cuja auto-realização final envolve a auto-transcendência e o acesso a uma dimensão cósmica ampliada de participação universal, naturalmente tende a aproximar a Psicologia Transpessoal das concepções metafísicas da natureza humana.

Diferentes definições vêm sendo dadas ao longo de sua história. Podemos dizer, genericamente, que ela trata do estudo de consciência em que se dissolve a aparente fronteira entre o "eu" e o mundo exterior, em que desaparece o que chamamos de pessoa e surge uma vivência que está além. Daí vem a designação "transpessoal", já utilizada por C.G. Jung em sua obra, tendo o termo "psicologia transpessoal" sido oficialmente adotado nos Estados Unidos, em meados de 1969.


Esse estado de consciência, segundo a cultura ou fase da história da humanidade, é designado de diferentes maneiras, entre as quais experiência mística, nirvana, estado de Buda, Reino do Céu, satori, iluminação, experiência transcendental, samadhi, consciência objetiva, consciência cósmica, sétimo céu, experiência oceânica, êxtase, realização suprema...



Esse estado de consciência não é apenas atributo de grandes místicos, santos e sábios, como Krishna, Buda, Jean de la Croix, Tereza d'Ávila, Rama Krishna, Baal Schen Taw, Ramana Maharishi e tantos outros, mas também de outras pessoas, do passado e mesmo contemporâneas que por razões diversas não revelam suas experiências a ninguém. Trata-se de um estado resultante de práticas ascéticas ou religiosas, vivenciadas também por agnósticos e materialistas.

Não só no interesse despertado pela singular fenomenologia relatada nas experiências espirituais, místicas ou religiosas, mas também pela abordagem de outros fenômenos extraordinários de alteração e ampliação da consciência, os quais,  crescentemente se apresentam no contexto cultural atual como desafio para a Psicologia, é que se pode caracterizar o campo de estudos privilegiado da Psicologia Transpessoal: Os estados alterados da consciência.



Podemos realmente falar de "consciência", "estado", "experiência" para designar um processo ou fenômeno no qual justamente o experimentador "desaparece", fundindo-se com a experiência e seu objeto? Trata-se certamente de vivência. Sim, mas vivenciada por quem?

Reside neste ponto certamente a principal razão do silêncio daqueles que hesitam em revelar ou descrever suas experiências: a inefabilidade dessa vivência encontra-se além de conceitos. Eis a razão do emprego da metáfora, da arte e da poesia.

Esse é o terreno que a ciência moderna tenta esclarecer pela psicologia transpessoal. Qual é a natureza dessa experiência ou dessa vivência? Como atingi-la? Por que atrai os maiores físicos contemporâneos? Por que estão médicos, psicólogos e psicoterapeutas de renome participando cada vez mais desses encontros? Qual é o significado e quais são os benefícios que a humanidade usufruirá da psicologia transpessoal?

Algumas experiências, inclusive com elementos psicodélicos, revelaram a existência de percepções distintas das realizadas pela personalidade convencional do sujeito, bem como comportamentos aparentemente sintonizados com outras freqüências vibratórias, cada uma delas se conectando a um tipo específico de procedimento humano. Alguns destes estudos, empreendidos ainda no final do século passado por psicólogos e psiquiatras de renome, portanto antes do nascimento da Psicologia Transpessoal, colocavam em dúvida o papel do acaso ou de condicionamentos culturais na formação da identidade, ou seja, na separação entre o ‘eu’ e o mundo. Estas pesquisas relacionavam a consciência a um padrão semelhante ao eletromagnético.



A Psicologia Transpessoal realiza uma combinação de princípios de várias correntes psicológicas, como a junguiana, as de Maslow, Viktor Frankl, Fritjof Capra, Ken Wilber e Stanislav Grof, com postulados da moderna Física Quântica, envolvendo também aspectos do budismo tibetano. Pode-se dizer, assim, que ela busca a verdade do ser, as realidades mais profundas da mente e do espírito. 

Obedecendo às tendências holísticas atuais, a Psicologia Transpessoal vê o homem como um ser integral, não só corpo, mas também alma e espírito, com habilidades potenciais para ir além da matéria, para um universo que transcende o Espaço-tempo de Newton, baseando-se assim nos conceitos da Física Quântica e da teoria da relatividade.

Esta junção interdisciplinar oferece uma base sólida para o desenvolvimento dos aspectos científicos da transpessoalidade. Estes princípios se unem à crença dos adeptos desta corrente no potencial humano de transmutar seus estados de consciência. Ela envolve também estudos da Biologia, da Lingüística, da Antropologia, da Sociologia e da Neurologia, entre outras disciplinas.




De uma maneira geral, o que distingue e caracteriza a visão de homem adotada pelas teorias e escolas da Psicologia Transpessoal é a aceitação, sob diversas concepções, da existência de instâncias superiores do potencial humano, inacessíveis ao estado usual de vigília, mas disponíveis mediante a vivência dos estados alterados e ampliados da consciência. 

Assim, como a Psicologia Humanista enfatizou os aspectos conscientes e auto-realizadores da natureza humana, a Psicologia Transpessoal, em busca do bem estar e saúde ótimos, vai além, destacando as potencialidades de auto-transcendência e espiritualidade em que, paradoxalmente, a própria condição humana é ultrapassada, e a pessoa reencontra sua dimensão trans-humana, transpessoal, cósmica ou mesmo divina. Entretanto, o uso de termos como espiritual, transpessoal, divino, trans ou meta humanos, não exclui a compreensão de que a busca da transcendência seja encarada como algo natural, isto é, intrínseco à natureza humana.


"Transcendência também significa tornar-se divino ou assemelhado a Deus, indo além do meramente humano. Mas é necessário que aqui sejamos cautelosos para não fazer deste tipo de colocação algo extra-humano ou sobre-humano. Eu penso na utilização da palavra "meta-humano" (...) como forma de enfatizar que este tornar-se muito elevado ou divino ou assemelhado a Deus é parte da natureza humana mesmo que não seja freqüentemente observado de fato. Ainda assim permanece como potencialidade da natureza humana." Maslow 

Estando dentro das proposições do Movimento Transpessoal realizar uma ponte entre a moderna Ciência e a sabedoria das tradições espirituais, tem sido uma acentuada tendência buscar nestas não só uma das mais ricas fontes de material de estudo (as experiências misticas), mas também inesgotável inspiração teórica e metodológica para o trabalho com a consciência expandida. 

Em sua busca de instrumentação, os psicólogos transpessoais têm realizado investigações que por vezes chegam às raias da arqueologia antropológica, estudando variadas formas de oração, meditação, yoga, exercícios espirituais, ritualísticas, mitologias e simbologias tradicionais, práticas xamânicas e caminhos iniciáticos, com as quais enriquecem, na teoria e na prática, seus procedimentos de trabalho. 

O caminho de aproximação entre a Psicologia e a Tradição não é percorrido em mão única, e modernos líderes espirituais, divulgadores de doutrinas milenares em adaptações dirigidas ao público ocidental, expressam-se em atualizada linguagem psicológica, chegando alguns a formular verdadeiras psicologias, no sentido mais moderno do termo. 



Variadas formas desta aproximação podem ser exemplificadas em parte da obra de espiritualistas como Gurdjieff e Ouspensky, Rudolf Steiner, Alice Bayley, Daisetz Suzuki, Krishnamurti, Rajeeneesh (ou Osho), e muitos outros. 

Um caso curioso é o do Psicólogo Richard Alpert, que atualmente é o Iogue Ram Dass, ficando difícil decidir  se está indo ou vindo no caminho que liga a Tradição à Psicologia Transpessoal. 

As considerações que se seguem permitem-nos uma melhor compreensão da definição do objeto da psicologia Transpessoal:

Podemos considerar a psicologia transpessoal como um ramo do conhecimento humano, mais particularmente da psicologia.

Consiste numa pesquisa experimental e experiencial da natureza da realidade vivida como um "ir além da dualidade espaço interior/espaço exterior", além dos limites do pensamento conceitual inerente à pessoa humana. 

Estuda e evidencia o caráter relativo da vivência da realidade, em função dos diferentes estados de consciência, no qual tenta identificar a natureza essencial a partir da vivência do estado de consciência cósmica ou transpessoal.

Permite ao homem revelar o mistério da limitação do ser na sua manifestação humana, fazendo-o viver sua não dualidade, graças à superação da aparente oposição do pessoal ao transpessoal, do mundo relativo ao mundo absoluto.

Por meio da metanóia retira o homem dos sofrimentos da paranóia projetiva de seus fantasmas.

Dissolve as fronteiras projetadas no espaço pelo espírito limitado do ser humano.

Por sua visão holística, a psicologia transpessoal é o ponto de encontro da ciência, da arte, da filosofia e da mística. Neste último caso, ela aglutina as religiões, evidenciando a origem única, apesar das divergências teológicas, ocidentais ou orientais.

Na vida prática cotidiana, mostra ao homem os caminhos e métodos que permitem o acesso ao transpessoal dentro do "pessoal", por meio da descoberta do "mestre interior".




Oferece assim ao homem, a todos os homens e mulheres que desejam e praticam os métodos próprios a um desses caminhos, a verdadeira liberdade e alegria de viver, pelo despertar dos valores inerentes ao ser; a sabedoria indissociável do amor para todos os seres.


A abordagem transpessoal é uma forma de ver o homem. As psicologias anteriores viam o homem como individuo que devia que se adaptar a sociedade na qual estava inserido; adaptar seu ego, sua forma de ser. Os conflitos do homem eram vistos como dificuldades dessa adaptação. As terapias visavam promover mudanças nos indivíduos para que conseguissem viver de forma harmônica com cultura da sociedade.


A psicologia transpessoal dá um passo a mais. Não nega as psicologias anteriores, as integra dentro de uma nova visão do homem. Confirma a necessidade do homem viver em sociedade de forma harmônica e amplia essa necessidade de harmonia para com a natureza que o cerca, com o planeta (ecologia) e vai alem. Vê a necessidade de o homem viver em harmonia como grupo, como humanidade que se integra com o resto da Existência. 

É uma mudança paradigma como foi a de Galileo em que o planeta Terra deixou de ser o centro e viu o Sol como tal. Essa mudança de paradigma é uma ampliação de consciência, uma ampliação da percepção: ver o homem inserido num sistema muito maior, interagindo e ampliando a sua consciência.

A Psicologia Transpessoal olha pro homem como um Ser integrado nos sistemas. Dos conflitos vividos, da percepção da sua própria expressão e da reação do sistema surgem novas formas de ação mais comprometidas com a realidade que o cerca, com os sistemas aos quais se pertence. Nasce a consciência transpessoal, alem de sua pessoa. Esta é a consciência de que seu desejo serve a um propósito maior, ao propósito do sistema ao qual ele pertence. Transcende a percepção de sua atuação para um nível em que ele faz parte de algo maior. 


 A evolução da consciência consiste na percepção de nossa inserção nos sistemas, das conseqüências de nossas ações e do saber da expressão das vontades. Quando o individuo progride, o sistema progride através dele. Quando o individuo se harmoniza na sua expressão, o sistema se harmoniza. 

Podemos enfim afirmar que a psicologia transpessoal é possuidora de um enorme potencial terapêutico, pois permite transformar as formas destrutivas de energia, como o ódio, a possessividade, o orgulho competitivo, o crime e a inveja, em harmonia e paz para cada ser humano e para toda a humanidade.


A psicologia transpessoal é um ramo da psicologia que estuda particularmente o estado transpessoal da consciência. - Entendemos por transpessoal, tomado como adjetivo aquilo que subsiste, que é quando desaparece o fenômeno ou a aparência da pessoa. Ou seja, transpessoal é o que fica por trás das máscaras da pessoa, dos seus condicionamentos, além da cultura. 

Um terapeuta transpessoal lida com os problemas que emergem durante o processo terapêutico, incluindo acontecimentos mundanos, dados biográficos e problemas existenciais. O que realmente define a orientação transpessoal é um modelo da psiquê humana que reconhece a importância das dimensões espirituais ou cósmicas, e o potencial para evolução da consciência. O terapeuta transpessoal mantém-se cônscio do espectro total e quer sempre acompanhar o cliente a novos campos experiências, não importando qual o nível de consciência que o processo esteja focalizando.



Finalmente, podemos dizer que, como a vivência transpessoal é uma vivência holística na qual o ser humano se re-des-co-bre como ser, o transpessoal é um neologismo sinônimo de ser. Como vivência holística, a dicotomia pessoal/ transpessoal é ao mesmo tempo superada e incluída no que chamamos comumente de "experiência" transpessoal.

O que é Terapia Transpessoal?


vídeo:  Alexandre Camargo


Estados Não-Odinários de Consciência - Stanislav Grof

vídeo: Cubensisrj