quinta-feira, 31 de outubro de 2013

As 10 Estratégias de Manipulação da Mídia


Reconhecido filósofo e Professor de Linguística no M.I.T., o norte-americano Noam Chomsky tem durante as últimas décadas, demonstrado ser uma das vozes mais ativas a nível mundial no que toca à discussão sobre a manipulação mediática. 

Baseando-se no original de Chomsky "Silent Weapons for Quiet Wars" (Armas Silenciosas para Guerras Tranquilas) de 1979, e  posteriormente copilado do livro do Frances Sylvain Timsit  "Estratégias de Manipulação" de 2011, esta verdadeira cartilha das técnicas de manipulação usadas pelos meios de comunicação social, deve ser uma leitura indispensável para quem ainda se dá ao trabalho de abrir o jornal ou ligar a televisão.



1- A ESTRATÉGIA DA DISTRAÇÃO.

O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundações de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir ao público de interessar-se pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. “Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja como os outros animais (citação do texto 'Armas silenciosas para guerras tranquilas')”.

2- CRIAR PROBLEMAS, DEPOIS OFERECER SOLUÇÕES.

Este método também é chamado “problema-reação-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este seja o mandante das medidas que se deseja fazer aceitar. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou se intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o mandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para fazer aceitar como um mal necessário o retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos.

3- A ESTRATÉGIA DA GRADAÇÃO.


Para fazer com que se aceite uma medida inaceitável, basta aplicá-la gradativamente, a conta-gotas, por anos consecutivos. É dessa maneira que condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990: Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que haveriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.





4- A ESTRATÉGIA DO DEFERIDO.

Outra maneira de se fazer aceitar uma decisão impopular é a de apresentá-la como sendo “dolorosa e necessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Em seguida, porque o público, a massa, tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isto dá mais tempo ao público para acostumar-se com a ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegar o momento.

5- DIRIGIR-SE AO PÚBLICO COMO CRIANÇAS DE BAIXA IDADE.


A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discurso, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade, como se o espectador fosse um menino de baixa idade ou um deficiente mental. Quanto mais se intente buscar enganar ao espectador, mais se tende a adotar um tom infantilizante. Por quê? “Se você se dirige a uma pessoa como se ela tivesse a idade de 12 anos ou menos, então, em razão da sugestão, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos de idade (ver “Armas silenciosas para guerras tranquilas”)”.

6- UTILIZAR O ASPECTO EMOCIONAL MUITO MAIS DO QUE A REFLEXÃO.


Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional, e por fim ao sentido critico dos indivíduos. Além do mais, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar idéias, desejos, medos e temores, compulsões, ou induzir comportamentos…

7- MANTER O PÚBLICO NA IGNORÂNCIA E NA MEDIOCRIDADE.


Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que paira entre as classes inferiores às classes sociais superiores seja e permaneça impossível para o alcance das classes inferiores (ver ‘Armas silenciosas para guerras tranquilas’)”.

8- ESTIMULAR O PÚBLICO A SER COMPLACENTE NA MEDIOCRIDADE.


Esta estratégia consiste em levar o público a achar que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto. Passa pela divulgação preferencial de conteúdos medíocres, e pela coroação de ícones populares que em geral não apresentam demasiada  cultura, nem inteligência. 







9- REFORÇAR A REVOLTA PELA AUTOCULPABILIDADE.


Fazer o indivíduo acreditar que é somente ele o culpado pela sua própria desgraça, por causa da insuficiência de sua inteligência, de suas capacidades, ou de seus esforços. Assim, ao invés de rebelar-se contra o sistema econômico, o individuo se auto-desvalida e culpa-se, o que gera um estado depressivo do qual um dos seus efeitos é a inibição da sua ação. E, sem ação, não há revolução!

10- CONHECER MELHOR OS INDIVÍDUOS DO QUE ELES MESMOS SE CONHECEM.


No transcorrer dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência têm gerado crescente brecha entre os conhecimentos do público e aquelas possuídas e utilizadas pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto de forma física como psicologicamente. O sistema tem conseguido conhecer melhor o indivíduo comum do que ele mesmo conhece a si mesmo. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos do que os indivíduos a si mesmos.


quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores



Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
Geraldo Vandré


Também conhecida como "Caminhando", foi apresentada no III Festival Internacional da Canção da TV Globo (1968) e ficou em segundo lugar (a ganhadora foi "Sabiá), causando uma grande polêmica, porque o público, formado em sua maior parte por estudantes sedentos por músicas com teor de protesto, vaiou a decisão do júri e fez da explosiva "Pra Não Dizer..." uma espécie de hino de uma geração. O ano de 1968 foi marcado pela reorganização dos movimentos de massa após o AI-5, levando a muitas prisões e mortes. Geraldo Vandré se viu obrigado a fugir do país. Na época, a canção foi censurada e só foi liberada 11 anos depois, com a abertura política.



Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção



Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão




Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer



Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição:
De morrer pela pátria
E viver sem razão



Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não





Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer




CRÉDITOS DO VÍDEO  : fkmotivating
(interpretação - Zé Ramalho)

domingo, 27 de outubro de 2013

ESFORÇO GLOBAL PARA DEFENDER A TERRA DE METEOROS E ASTEROIDES



Membros das Nações Unidas reuniram-se com astronautas ilustres, nessa sexta-feira 25 de outubro de 2013,  em Nova York, para começar a implementar um plano de contingência internacional para defender a Terra contra ataques de asteroides catastróficos.


Neil deGrasse Tyson

Seis dos viajantes espaciais envolvidos nestas discussões da ONU discutiram o esforço de defesa contra asteróides nessa sexta-feira (25 de outubro de 2013), em uma coletiva de imprensa organizada pelo astrofísico Neil deGrasse Tyson, no Museu Americano de História Natural. Seu objetivo: deixar claro que há ameaças muito reais, tomadas por objetos próximos da Terra (NEOs), ou asteróides viajando dentro do raio da órbita da Terra com o Sol.

Os cientistas estimam que há cerca de 1 milhão de asteróides próximos da Terra que poderiam representar uma ameaça para o planeta, mas apenas uma pequena fração deles foi realmente detectada por telescópios. “Nosso desafio é encontrar esses asteróides antes que eles nos encontre”, disse Edward Lu, um ex- astronauta da NASA e co-fundador da Fundação sem fins lucrativos B612, que monta estratégias de defesa contra asteróides .

Edward Lu

Lu co-fundou a B612 em 2002. Hoje, o grupo está desenvolvendo um telescópio espacial infravermelho  - chamado Telescópio Espacial Sentinela – com o único propósito de localizar asteróides ameaçadores. A fundação espera lançar o telescópio em 2018.

O telescópio Sentinela vai ajudar as agências espaciais a identificar os NEOs anos antes que eles eventualmente possam atingir a Terra, fornecendo aos governos e as agências espaciais tempo suficiente para agir, Lu e seus colegas disseram. Tal ação implicaria na implantação de uma nave espacial – ou várias naves espaciais, dependendo do tamanho da rocha espacial – em direção ao asteróide, a fim de chutá-la para fora do curso.

A tecnologia e os recursos para desviar um asteróide desta forma já existe, Tyson explicou, mas a Associação de Exploradores do Espaço, um grupo que inclui astronautas ativos e aposentados, decidiu envolver as Nações Unidas na sua tomada de decisão para evitar ações nacionais tendenciosas no caso de uma emergência.


"A questão  primordial sera, qual a rota que você deve mover o asteróide?" o ex-astronauta da NASA e co-fundador da Fundação B612 (Fundação especializada no estudo e prevenção de impactos de asteroides na Terra),  Russell Schweickart, disse na entrevista coletiva. “Se algo der errado no meio da missão, você pode causar estragos em alguma outra nação que não estava em risco. E, portanto, a decisão do que fazer, como fazer e quais sistemas você vai usar tem que ser coordenada internacionalmente.”

Russell Schweickart

A queda de um asteróide do tamanho de um  caminhão, sobre Chelyabinsk, na Rússia, em fevereiro deste ano, deixando mais de mil feridos e causando panico por toda cidade, ajudou a chamar a atenção para uma ameaça muitas vezes negligenciada e subestimada pelos lideres mundiais.

"Esse fato, ocorrido na Russia, demonstra que a ameaça não é apenas um conceito de ficção científica, ou algo que vai acontecer em 100 ou 500 anos no futuro", Enfatizou Thomas Jones, ex-astronauta da NASA e pesquisador sênior do Instituto de Florida para Human and Cognition Machine, "É um fato que aconteceu agora, nos alertando para  a eminente  realidade que nos ameaça."

O painel espera que as discussões com a Organização das Nações Unidas esta semana, que se iniciaram em 2008, quando o painel apresentou nas Nações Unidas o primeiro rascunho de um relatório intitulado "Ameaças de asteróides: uma chamada para a resposta global"- melhore a sensibilização do público para as ameaças, e incentive os políticos a desenvolver planos e nomear líderes para lidar com ameaças em tempo hábil.




O Brasil tem um dos mais potentes telescópios do mundo para defender a Terra de colisões de corpos celestes:

Lá não há luz elétrica. O clima é seco. O sol é escaldante. É nesse local, mais precisamente no sertão pernambucano de Moxotó, nos arredores da cidade de Itacuruba, que foi instalado um dos mais sofisticados telescópios do mundo: o Impacton. 

O Observatório Nacional, órgão vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, colocou em funcionamento no final de 2009, em Pernambuco, o programa Impacton para monitoramento de asteroides e cometas.

Segundo o astrofísico Carlos Henrique Veiga, do Observatório Nacional, o programa se destina a detectar a presença de asteroides perigosos, que possam se chocar contra a Terra.

"Existem muitos asteroides que são potencialmente perigosos para a Terra. Eles vivem atravessando a órbita da Terra e, de repente, um deles pode se chocar."


Os astrônomos do Observatório Nacional esperam que  O Impacton possa cumprir uma fantástica missão: o rastreamento de asteroides e cometas em possível rota de colisão com a Terra. Isso coloca o Brasil no time de elite desse setor da astronomia. 

No Hemisfério Norte há, pelo menos, dez telescópios exclusivamente voltados para essa função. No Hemisfério Sul existia apenas um, na Austrália, que está desativado. Entra em cena, então, o Impacton, no momento em que os pesquisadores estimam que 70% dos asteroides e cometas visíveis ao Sul e em rota de colisão com a Terra não tenham sido ainda identificados. Em outras palavras, aqui no Sul estamos "cegos" em relação a essa questão. 


No Hemisfério Sul, ao contrário do que já ocorreu no Hemisfério Norte, nunca foram feitas buscas por asteroides, de acordo com o pesquisador. Para suprir a falta de conhecimento e de mapeamento desses asteroides, o centro de observação instalou o telescópio Impacton, vindo da Alemanha, em Itacuruba, no Sertão do Moxotó (PE), em parceria com a França, Itália e Estados Unidos. A região foi escolhida por ter o clima seco, com ausência quase total de chuva, e localização na latitude sul.

Carlos Henrique Veiga

Veiga salientou a importância desse conjunto de países para o sistema de alerta que foi montado. "Tem que ter um pool de países porque, na hora em que a gente detecta um asteroide desses entrando, a gente tem um sistema que vai alertar o mundo inteiro".

Os dados são repassados imediatamente para todos os hemisférios, identificando o local exato onde o objeto irá se chocar.

O telescópio vai identificar asteroides novos, que apresentem algum potencial de se chocar com a Terra. Caso isso ocorra, o astrofísico esclareceu que a saída será a retirada das pessoas do local, "porque a gente não tem arma nuclear suficiente para destruir um grande asteroide de 20 quilômetros de diâmetro. Então, a gente calcula onde ele vai bater  e tira todo mundo dali".

O monitoramento de um asteroide consiste inicialmente no traçado de sua rota. Se os pesquisadores enxergarem risco para a Terra, eles passarão a avaliar, então, a sua composição química, porque esses corpos celestes assustam menos pelo tamanho e mais pelo material que carregam em seu interior - ferro e níquel, por exemplo, não se desintegram quando da entrada na atmosfera. 

O ex-astronauta da Nasa Russell Schweickart, presidente do Painel Internacional sobre Redução da Ameaça de Asteroides (IPATM), exemplifica com a colisão de um cometa contra a Terra em 1908. Foi o ano em que a Sibéria foi atingida com força equivalente a de duas mil bombas atômicas pelo astro Tunguska, com mil quilômetros quadrados. "Se quisermos, podemos pensar em um estádio de futebol voando a 100 mil quilômetros por hora e despencando no coração de Tóquio, Nova York, Londres, Paris ou de qualquer outra grande metrópole do mundo", diz Schweickart. "Pois bem, sem pavor nem alarde, eu acho que deveríamos pensar e nos prevenir." 

Consciente da importância desse tipo de observação, o Brasil agora se une aos grandes centros de astronomia do mundo. "É importante termos tudo mapeado", diz Veiga. E já se sabe em que alvo o novo telescópio mirará assim que for ligado: em um asteroide que está em rota de colisão e que, se não for desviado, se chocará com a Terra em 2036.



LUZES DE MUNDO - JOVENS MENSAGEIROS


Muito temos ouvido nos últimos anos, sobre as Crianças ìndigo, Crianças Estrelas, Crianças Psíquicas e, mais recentemente, Crianças Cristal.
Independentemente da aceitação ou negação dessas categorias, a maioria de nós está de acordo em que, a atual geração de crianças é muito diferente das suas predecessoras.

Não acreditamos em rotular qualquer pessoa ou em colocar mais ou menos importância em alguém ou alguma coisa. A consciência de nosso planeta está mudando e, portanto, as almas que foram escolhidas para aqui vir, têm todas uma consciência mais elevada, chamem-nas de ìndigo ou de outra forma, eles são os MENSAGEIROS DAS ESTRELAS com o propósito de vida de elevar a consciência de uma maneira ou de outra .

As crianças índigos são seres especiais que vieram somar forças e conhecimentos em prol do crescimento do nosso planeta. Como todas as crianças, precisam de amor, compreensão e respeito.

Essas crianças possuem características peculiares. Desde cedo demonstram-se conscientes de que pertencem a uma geração especial, têm alto nível de inteligência e chegaram para provocar mudanças e revisão de crenças e valores. Os índigos costumam ser gentis e possuem um novo estado de consciência, um sistema imunológico fortalecido, telepatia, capacidade para prever o futuro, reconhecer seres etéreos, são intuitivos e possuem dom de cura. 

A evolução cristal
Segundo os estudiosos do tema, essas crianças são um subgrupo dentro do grande grupo evolutivo chamado índigos ou Y. São aquelas que possuem espiritualidade ainda maior que os índigos. Sempre que se faz necessário mudar, estão à frente aqueles que vão abrir caminhos para que isso aconteça. É o caso dos índigos: abrir caminhos para os cristais.
As crianças cristais possuem muitas das características dos índigos e outras bem específicas, tais como: hipersensibilidade, telepatia acentuada, e uma energia ainda mais sutil. De acordo com os estudiosos, elas teriam o poder de transformar um ambiente apenas com sua presença e com sua aura amorosa e generosa. 
Atrairiam as pessoas e as crianças, inclusive, como se fossem um imã, pois todos querem estar perto delas. As cristais seriam realmente “transparentes e falariam a linguagem da alma”, por isso a dificuldade de dizer não a elas ou mesmo ficar bravo. 

Outra característica apontada é o olhar no fundo dos olhos e a seriedade iniciais, pois elas estariam lendo a energia, a alma da pessoa, o que poderia causar uma reação forte. 

Segue alguns exemplos desses pequenos mensageiros de luz.





Boriska
Boris Kipriyanovich, ou Boriska, hoje  um adolescente, há anos vem aparecendo em jornais, revistas e documentários do mundo inteiro! Ele é considerado um dos mais destacados seres humanos de uma nova geração  já amplamente conhecida como Criança Índigo, dotados de faculdades especiais, como um alto grau de inteligência e surpreendentes conhecimentos sobre o Universo, extraterrestres, o passado arcaico da Terra, mistérios da antiguidade e futuro do planeta.

O garoto nasceu na cidade russa de Volzhskii, em um hospital público de um subúrbio, no dia 11 de Janeiro de 1996. Sua mãe é dermatologista e trabalha em uma clínica pública. Seu pai é funcionário publico aposentado.
A mãe de Boriska relata que seu parto foi muito rápido, e que praticamente não sentiu dores. Ela diz que 15 dias após Boriska nascer, ele já podia manter a cabeça ereta. Aos 4 meses, pronunciou a primeira palavra: baba (papai). Com 7 meses, ele conseguiu formar sua primeira frase:  “eu quero um prego”, após ver um prego encravado na parede. Com um ano e cinco meses, o bebê já conseguia ler jornais, e com dois anos começou a pintar.
Seus pais, gentis, educados e hospitaleiros, ficavam preocupados com os fascinantes talentos do filho. Eles temiam que Boriska tivesse dificuldades de convívio social ao se tornar um adulto. 

No jardim de infância, os professores perceberam que ele era diferente: aprendia tudo rapidamente e tinha uma memória extraordinária. Mais ainda, Boriska mostrava conhecimentos que não eram adquiridos na escola, sobre outros mundos, planetas desconhecidos. Nessa época, os pais levaram o menino em um centro de puericultura, e os professores ficaram impressionados com a capacidade intelectual do menino, que com pouco mais de dois anos já falava em sistemas planetários, vida fora da Terra, coisas sobre astronomia – algo praticamente inconcebível para uma criança de dois anos.

Quando já era criança, Boriska dizia que em uma encarnação anterior teria habitado o planeta Marte. Uma catástrofe teria destruído sua atmosfera, e hoje ainda restam alguns seres que vivem em cidades subterrâneas do planeta, e a taxa de natalidade no planeta vem aumentado a cada ano. 

O garoto disse ainda que quando viveu em Marte teria vindo muitas vezes a Terra, no tempo dos lemurianos, e que o continente de Lemúria teria sido destruído por uma catástrofe, sendo engolido pelo mar. 

Sua mãe conta: “Muitas vezes ele se sentava em posição de lótus e começava a falar detalhadamente sobre o planeta Marte, sistemas planetários e outras civilizações”. 

Aos 8 anos surpreendeu uma platéia de cientistas e intelectuais num evento, falando sobre a estrutura da Via Láctea. Um detalhe: referia-se às constelações usando seus nomes em latim. 

O garoto inclusive fez algumas previsões, dizendo que será descoberta uma outra esfinge, e que lá se encontra um novo conhecimento, que segundo ele deve mudar muitas coisas na Terra. De acordo com Boriska, a Esfinge possui um mecanismo atrás da orelha, que a faz abrir.

“As pessoas não vão encontrar os conhecimentos antigos embaixo da Grande Pirâmide de Quéops [Egito]. Esse conhecimento está oculto no subterrâneo de uma outra pirâmide que ainda não foi descoberta. A Humanidade vai se surpreender e até mudar quando conseguirem abrir a Esfinge; há um mecanismo de abertura em algum lugar atrás de uma orelha, não me lembro exatamente onde”.
"A Esfinge continua em Silêncio para aqueles que não sabem (ou não querem) ouvir a voz interior. Ela fala por si mesma. Cabe a cada um preparar-se para ouvi-la"

Os cientistas que entrevistaram Boris perguntaram o porque do surgimento de tantas crianças com inteligência acima da média. O garoto respondeu que decorre das mudanças que acontecerão em breve no planeta, situando-as em 2009 e 2013.

Com seus conhecimentos, essas crianças vão ajudar os povos espalhados por toda a Terra a passar pelo período de transição. Lembrou que essas modificações já ocorreram em Marte e não foi tudo destruído como pensamos. Muitas pessoas sobreviveram e recomeçaram suas vidas, apesar das mudanças nos continentes e também na composição da atmosfera.

Esses ciclos periódicos de transformações bruscas, pelos quais passam os planetas, fazem parte de reajustes cármicos de seus habitantes e da renovação natural. São regidos, portanto, por forças universais que propiciam a evolução e o aprimoramento das essências das criaturas e da própria Criação Divina.

Ressaltou ainda que, nos períodos de transição, é fundamental manter a esperança no futuro e a crença na sobrevivência da alma.

"As pessoas precisam ser boas". - Boriska


vídeo - Reginaldo Cobain
    




Flavio M. Cabobianco

Quando Flavio tinha 3 anos, fez o desenho de um sol dentro de uma casa.

Seria este o primeiro de muitos outros que se seguiram até os seus 10 anos de idade. Na época, mesmo com poucos recursos verbais, explicava aos pais que os desenhos retratavam o local onde ele estava antes de vir à Terra.

Aos 8 anos, Flávio explica sobre o desenho:

- “Eu estou começando a desenvolver o meu Eu. O sol representa Deus e a minha Alma. A casa representa a Terra é o meu Eu. Quando eu fiz esses desenhos, eu era muito jovem e sabia algumas palavras. O sol não é físico, mas é o Sol Espiritual. Antes de vir para a Terra, eu estava nessa Fonte de Luz e foi dela que parti para entrar no plano físico.“.


E 1991, os desenhos e as explicações de Flávio, então com 10 anos, transformou-se num livro: “Eu venho do Sol“, a partir da compilação dos desenhos e anotações dos seus pais, por Hilde Ama Brostrom em Zuccoli.

Para o livro, Flavio acrescentou comentários para os desenhos e fez novos diagramas que facilitaram a compreensão dos temas que ele desenhou, tais como: a formação da matéria, a missão de encarnar, caminhos das Almas, a energia dos planetas e do Universo, o espaço-tempo, etc.

Trechos do Prefácio - Tradução de Tânia Resende

"Todos nós viemos do Sol. Todos viemos de uma mesma Essência.

Novas crianças estão nascendo. Uma criança pequena sabe que ela é parte de uma Totalidade.

As novas crianças são humanos diferentes, mesmo que não pareça. Eu sou um deles, um dos primeiros.

Nos educam para esquecermos que somos criadores: co-criamos o que chamamos de realidade. A vida é tão mágica, viver é um ato criativo.

Eu venho explicar que aquilo que não se vê, aquilo que alguns sentem mas não conseguem explicar. Há muitos como eu, somos missionários e viemos para ajudar nesta mudança da humanidade.

Está acontecendo uma transformação, estamos passando a outro nível.

Este planeta é muito difícil para quem vem de outros mundos mais sutis. Nossos pais são especiais, porque nos deixaram fluir e por isto podemos recordar.

A conexão espiritual está mais aberta. Todas as crianças podem agora permanecer conectadas à sua Essência."

...A visão interior é “olhar” para dentro do Núcleo do Ser e ver o Núcleo de outros seres. Crianças estão sendo levadas a praticar apenas o ponto de vista cotidiano. Isto limita o uso de suas ondas mentais e aprendem a se concentrar no plano físico. É como usar apenas uma pequena parte de um computador.

Uma vez programadas desta maneira, crianças ficam confusas, pois fica difícil abrir-se depois. Há que ter muita paciência para reabrir a conexão espiritual.

A maioria dos seres humanos vivem suas vidas inteiras alheios ao Todo.

A ideia de uma Unidade Superior se mantem enquanto somos bebês e, às vezes, se recupera pouco antes de sua morte.

Adultos buscam a felicidade externa porque perderam a felicidade interna. Eles sofrem com os seus desejos e também com a dependência a outros seres humanos.

A nova criança sabe que é parte do Todo. Se você quer ensinar-lhe a ideia do “meu”, vai deixá-la confusa, pois a criança vai achar que tudo é dela.


Deve-se deixar que a criança compartilhe." - Flavio, aos 8 anos


vídeo -Vir Riccio - Para tradução, ativar legenda!





Matias de Stefano

"Meu nome é Matías Gustavo de Stefano. Nasci em agosto de 1987, em Venado Tuerto, Argentina. Sou uma destas tantas crianças novas que tem nascido desde 1987 adiante para trazer e ancorar a nova consciência, sou uma dessas crianças, adolescentes e adultos denominados comumente como ‘raros’, fracassados escolares, desertores sociais, ou “índigo”.

Sou um dos tantos trabalhadores, organizadores e guias deste começo de Era, desta transição que todos estamos vivendo. E é por este trabalho diante desta mudança que decidi realizar este espaço dentro da internet, na qual posso expressar quem sou, quem somos, o que fazemos, e contar um pouco sobre o que eu vim fazer, como tem afetado a minha vida humana este trabalho, com a intenção de ajudar aqueles que estão no caminho de despertar seus potenciais, assim como eu estou fazendo.

Como meu trabalho é guiar as almas que não estão centradas ainda na terra, meus “guias” e eu temos determinado que tudo quanto faça eu sobre a terra,   deve estar relacionado com a educação, e é por isso que decidi estudar Psicopedagogia. Não obstante isso, meus estudos iniciados na Universidade Nacional de Rio Cuarto, Córdoba, Argentina, durante o ano de 2007, não puderam ser concretizados justamente por minha condição de índigo; não conseguia adaptar-me ao sistema e me era intolerável a maneira de sua educação arcaica para as novas e futuras gerações.

Hoje em dia, estou me dedicando a trabalhar com as energias, preparando e ajudando a todos os humanos que possa, para enfrentar a Nova Era, organizando seus corpos físico, emocional e etérico  a partir do trabalho com seu corpo energético.


Neste espaço, espero poder plasmar tudo aquilo que me tem sido representado desde pequeno, com a intenção de mostrar que a vibração índigo e as tantas outras que estão entrando neste mundo, estamos cada vez mais presentes na sociedade. Convido vocês a percorrer minhas memórias, e a recordar as suas, e assim poder saber para que estamos trabalhando nesta vida , na qual decidimos nascer."



Seu livro "Vivir En La Tierra - Guia Practica" (Viver na Terra - Guia Prático) tornou-se um fenômeno no mundo inteiro.


video- PAULO DE AZAMBUJA RODRIGUES







Emmanuel Dagher

Quando Emmanuel tinha dois anos, sua mãe o ouviu dizer algo que a pegou desprevenida. "O amor é tudo que existe", Sussurrou tranquilamente em sua vozinha tímida. Sem ter noção de onde ele poderia ter ouvido tal afirmação, a mãe de Emmanuel pediu-lhe para repetir novamente para ter certeza que ouviu corretamente. Depois de fazê-lo repetir várias vezes a mesma afirmação, a mãe de Emmanuel finalmente reconheceu que algo mágico estava surgindo, e sentiu em seu coração que um dia aquele pequeno menino iria se revelar ao mundo.  

Emmanuel passou toda infância  proferindo frases adultas e reflexivas, sempre enfatizando o amor e as mudanças que o planeta sofreria.

Atualmente Emmanuel atua como um instrutor de Crescimento Pessoal, especialista em Transformação Intuitiva e Humanitária,  onde prioriza ser usado como um instrumento do Amor Divino. 

Emmanuel tem auxiliado enumeras transformações extraordinárias - físicas, mentais, emocionais e espirituais. O resultado da "terapia" com Emmanuel geralmente resulta em maior amor, liberdade pessoal, consciência mais elevada, e uma sensação geral de bem-estar. 

Emmanuel dedicou sua vida a servir a humanidade, e tem empregado seus dons e habilidades para que cada cliente que ele auxilia se sinta completamente acolhido, amado e transformado.

Com formação em Psicologia Espiritual e vários certificados em avançadas Terapias Holísticas e Curas Alternativas Emmanuel é um dos mais conceituados terapeutas do mundo. Trabalha com pessoas de todas as origens desde mães, crianças, diplomatas mundiais, á grandes empresas. Alguns dos maiores especialista em cura recorrem frequentemente à Emmanuel pedindo orientação.

"A Nova Terra não se trata de uma Utopia futura, ela já está aqui agora. Muitos entram e saem da Nova Terra diariamente, estejam conscientes disto ou não. Para estar mais na Nova Terra, temos que simplesmente estarmos aqui agora. Parece um conceito fácil, entretanto, nos acostumamos tanto com múltiplas tarefas, com a integração dos telefones celulares, computadores e outras tecnologias em nossas vidas cotidianas que a mente algumas vezes tem dificuldade de relaxar o suficiente para estar presente. Com um pouco de dedicação para silenciar a mente a cada dia, podemos rapidamente voltar ao momento presente. Há muitos processos maravilhosos que podem nos ajudar a fazer exatamente isto. Ao incorporarmos coisas como meditação, respiração intencional, sermos úteis aos outros, liberarmos e perdoarmos o passado, a bondade incondicional, caminhadas tranquilas  a conexão com a natureza, preces afirmativas e a gratidão em nossa rotina diária, podemos gentilmente nos alinhar novamente com o momento presente e a Nova Terra.


A Nova Terra está ao nosso redor. Podemos encontrá-la no sorriso de um bebê, em um pôr-do-sol radiante, em uma sábia árvore de carvalho, em um almoço com um bom amigo, em nós mesmos e nos outros. Quanto mais rapidamente compreendermos que a Nova Terra não se trata de um destino para o qual nos dirigimos, mas sim de um estado de ser, mais breve ela se tornará uma experiência muito real para a humanidade como um todo." - Emmanuel Dagher


Vídeo - LiveLifeWellNow - Para tradução, ativar legenda!






"Como todos nós evoluímos para melhor conclusão de nossas missões espirituais, serão completamente automatizados os meios tecnológicos de sobrevivência, permitindo que o ser humano focalize sua atenção nos eventos de sincronicidade que contribuem para o seu crescimento pessoal e coletivo. Tal crescimento permitirá que o ser humano ingresse em estados de consciência mais elevados, transformando, inclusive, a densidade do seu corpo, que passará a ser cada vez mais sutil e se unirá a uma dimensão de existência pós-vida, colocando um fim ao ciclo sucessivo de nascimento e morte.” (James Redfield, no livro de sua autoria, A Profecia Celestina)


sábado, 26 de outubro de 2013

Nossas células viraram estrelas!



Estas palavras saem da profundidade de nós mesmos.
Agora é a vez de deixar falar as nossas células!
Este é um momento único e inspirador. Algo "novo" e "muito antigo" está a nossa disposição neste exato Agora. 
O átimo do tempo em que tanto falaram as profecias.
A Terra e seu filhos passaram por tantas adaptações e ajustes, próprios mesmo do amadurecer e evoluir. 

Fases obscuras e iluminadas fizeram parte do caminho até aqui, nos trazendo para a consciência que temos hoje e que culmina com um desejo: O desejo do DESPERTAR.




Somos todos uma única consciência que se experimenta em cada individualidade,  numa grande alegria de acontecer-se.
Tudo o que precisamos está bem aqui embaixo do nosso nariz!
A única tarefa é REINTEGRAR.
E é a nossa consciência que faz tudo fluir!

No nosso DNA moram as possibilidades infinitas.
É onde Deus torna-se humano!E isso me faz chorar de gratidão!Tenho tanto amor por mim por ter escolhido estar neste lindo planeta no momento do nosso despertar!

Nós desejamos (a Terra e nós) e nos foi dada a oportunidade de ativar tudo aquilo que somos! Seres-estrelas, tão alegres, como crianças brincando ao Sol da manhã!



Agora, neste exato momento, podemos restaurar a ligação do nosso DNA com o Todo, com o Cosmos...com a FONTE!
Vamos nos religar com o Amor que somos!
Como presente, recebemos um "modo" de utilizar esta energia de cura que está disponível.

E este "modo" se chama TRANSMISSÃO DO RETORNO À FONTE. A TRF nos leva àquilo que somos na nossa essência mais pura.


Falando um pouco sobre TRF:

Falar sobre Transmissão do Retorno à Fonte (TRF) é como tentar colocar o mar dentro de uma garrafa. É tão amplo que, qualquer coisa que for dita, podemos saber que é, e sempre será, muito mais!
A TRF é uma energia nova, que está disponível no planeta, a partir de mudanças "propositais" na rede magnética da nossa mãe Terra. Estas mudanças tem uma intenção e é trazida por seres amorosos que estão sempre disponíveis para levar amor aos confins do Universo. E a intenção é o DESPERTAR.
Hoje, os cientistas, já chegam a conclusão de que o nosso DNA é ilimitado e multidimensional, para espanto geral daqueles que achavam que era só uma pequena porção de nós mesmos, onde estavam guardadas apenas as nossa características genéticas.
E é aí onde entra o despertar por meio da TRF.
Esta nova e amorosa energia ativa todas as camadas do DNA, alterando gradativamente a nossa química celular. Nos fazendo voltar ao que somos de verdade. Seres em profundo equilíbrio. Sem doenças, medos, tristezas e etc.
Mas isto é um processo.


Então, falar de cura física, mental, emocional e espiritual ficou simples e acessível, onde o mais importante é passar a intenção/informação ao DNA, ativando a sua forma mais pura.

Muitas vezes, apenas 10 minutos de sessão são necessários para mudar uma vida inteira!

E o mais lindo de tudo:É um processo individual e único. O terapeuta serve como um catalizador da energia, mas quem permite a cura é exclusivamente quem está recebendo!

Então, nada de pensar em gurus e curadores! Cada ser é um mestre da sua própria existência e nós, como terapeutas, o olhamos como um grande milagre, onde tudo será possível se o "sim" for dito!
O que dizer então?
Que podemos ficar felizes!
O trem que vai nos levar de volta pra Casa...CHEGOU!!
E onde é nossa Casa? É dentro do milagre que somos...
É a paz acima de qualquer indagação..
São as infinitas possibilidades que somos todos nós...
É a respiração tranquila depois de lermos tudo isso!
Vamos nessa?


Serafim Vieira
*Obs: Este trabalho foi desenvolvido por Serafim Vieira e sua esposa e parceira Lígia. Casal de portugueses que moram na Ilha da Madeira.
Com uma vida bem sucedida no ramo da construção civil, a uma certa altura, se viu em meio a acontecimentos novos e interessantes no que diz respeito a sua saúde e a da sua família. A partir daí começa um longo caminho de buscas e descobertas em várias técnicas de cura, culminando com o seu aprendizado sendo um seguidor apaixonado de Kryon, a quem devota muito respeito e gratidão.
Esse é um resumo do que o trouxe até aqui e tem sido uma honra estar fazendo parte do seu caminho, pois, posso dizer, já que tive contato com o casal, que eles são Amor Puro!
Amor em todos os gestos, em todas as palavras. Eles sorriem sempre, em todas as situações e são simplicidade e gentileza em cada passo.
Sinto profunda gratidão!




* Adrianna da Fonte Marroquim é Terapeuta de TRF, arteterapeuta, terapeuta Floral e facilitadora de oficinas de Mandalas. Escreve artigos para o Portal Flores no Ar.