terça-feira, 24 de dezembro de 2013

O VERDADEIRO SÍMBOLO DO NATAL


Que vem à mente quando o Natal se aproxima?
Em todo o mundo o Natal tem o mesmo significado?
Que mensagem o Natal traz a cada um de nós?

Muitas pessoas pensam que em todo o lugar se comemora o Natal do mesmo jeito. Porém elas estão enganadas. Em cada país o Natal é comemorado de uma maneira diferente.




Nos países distantes como a Finlândia, por exemplo, limpa-se bem a casa, não deixando um cantinho sequer sem varrer. Em seguida todo o assoalho é coberto com palha, e nela as crianças dormem. Isto para significar que o menino Jesus foi colocado numa manjedoura.



Na Grécia prepara-se um tipo especial de pãezinhos para o Natal. Sobre eles  desenha-se  uma cruz e dentro coloca-se uma moeda. Cada pessoa recebe um pedaço desse pão, e a que sai premiada com a moeda, considera-se ser para ela um presságio de prosperidade para o ano que se aproxima.




Na Itália a festa de Natal dura aproximadamente três semanas. A troca de presentes é feita no dia 6 de janeiro, porque pensam alguns que foi nesta ocasião que os magos chegaram a Belém com os presentes para o menino Jesus.



Na Suécia até os pássaros tomam parte nas celebrações do Natal. É erguida numa praça, uma árvore de Natal especialmente para eles.
A árvore consiste de um molho de trigo amarrado em seu cimo, de onde os pássaros podem tirar o que quiserem.



Mesmo nos Estados Unidos os costumes variam de um Estado para o outro no que diz respeito à comemoração do Natal.

A primeira árvore de Natal foi erguida na casa da família Folles em 1824. Ali cada ano a família começou a enfeitar uma árvore com bonecas trazidas da Alemanha, e algumas velas; mais tarde foi acrescentado todo o tipo de enfeites.

Com o tempo os vizinhos que apreciavam estes dias de festa, começaram a fazer o mesmo em seus próprios lares.



Hoje podemos ver árvores e mais árvores pôr  meio de fotos em todo o país norte-americano, enfeitando as casas, lojas, mas não apenas lá, pois esta tradição se espalhou por todo o mundo. Mesmo o Brasil sendo um país tropical as pessoas improvisam árvores de Natal de diversos tipos.

Foi escolhido o pinheiro como emblema de Natal, pois simboliza a eternidade como o próprio Cristo, mesmo que as condições climáticas não sejam tão favoráveis o pinheiro permanece sempre verde.



Não importa o seu tamanho e nem o número de crianças de um lar, lá está ele com um único propósito que é o de honrar ao menino Jesus. As luzes colocadas no árvore levam-nos a pensar naquele que é a Luz do mundo


Realmente a época do Natal nos fornece um espetáculo de luzes e cores que encantam o nosso coração. Cada  shopping center  se esmera em fazer com que a sua decoração seja a mais colorida, a mais requintada, a mais inusitada de todas as decorações natalinas.

Algumas cidades fazem concurso entre as casas mais bem decoradas com os motivos de Natal, e cada vez mais a população é agraciada por obras de arte que deixam todos embevecidos.








O dia de Natal é esperado por muitas pessoas, porque nesse dia as comidas são servidas em abundância, geralmente com um cardápio definido.

No Brasil por exemplo, nós usamos as frutas naturais, que nesta época são encontradas em grande variedade. E por ser verão nesta época do ano, as frutas são bem-vindas. Cada família tem uma tradição no que diz respeito à alimentação. Já nos países onde o inverno é rigoroso, são servidas castanhas e frutas secas.





Outro costume relativo ao Natal e que cada ano surpreende, é a Industria de brinquedos. Cada vez mais se supera na criação de novos brinquedos.


As crianças são ensinadas desde cedo que ter muitos brinquedos é muito importante e o que importa é a variedade e a quantidade de brinquedos que há no quarto.



A televisão bombardeia a idéia das pessoas, tornando-as consumistas e desejosas de obter tudo o que desejarem e puderem comprar.

Tudo o que foi falado é muito interessante. Mas será que tudo isto é necessário para trazer a felicidade e  a paz que o espírito de Natal deve representar para nós.

O Criador do universo não escolheu um palácio e nem um berço de ouro para nascer. Pelo contrário a mulher escolhida para gerar o Filho de Deus, era uma jovenzinha judia simples que não teve um lugar confortável para dar à luz ao seu querido bebê.

Na Bíblia no livro de Lucas no capítulo 2 e no verso  7 nós lemos: “e teve a seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou em uma manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.”

E em uma estrebaria nasceu o Salvador do mundo. O único capaz de dar  a salvação e a solução para todos o problemas que enfrentamos.

Não é necessário seguir uma tradição para ser feliz.
Não é preciso ter uma árvore de Natal majestosa para ter paz, porque Jesus é o Príncipe da Paz.
Não é preciso ter comidas natalinas finas para ser alimentado. Porque Jesus é o Pão da vida.
Não é preciso ter dezenas de brinquedos para ter alegria, porque Jesus é o Deus da alegria.

O que  realmente importa é que o significado do Natal esteja diariamente fazendo parte de nossa vida, pois o verdadeiro símbolo do Natal é Cristo habitar em nosso coração.


(Pr. NEUMOEL STINA)





O POEMA DO MENINO JESUS, DE FERNANDO PESSOA - CODIFICADO COMO ALBERTO CAEIRO , RECITADO POR MARIA BETHANIA



Poema do Menino Jesus

Num meio-dia de fim de Primavera
Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu.
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.


Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz
E deixou-o pregado na cruz que há no céu
E serve de modelo às outras.
Depois fugiu para o Sol
E desceu no primeiro raio que apanhou.
Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso e natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães.
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em ranchos pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as coisas.
Aponta-me todas as coisas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão 
E olha devagar para elas.

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural.
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.


A Criança Nova que habita onde vivo
Dá-me uma mão a mim
E outra a tudo que existe
E assim vamos os três pelo caminho que houver,
Saltando e cantando e rindo
E gozando o nosso segredo comum
Que é saber por toda a parte
Que não há mistério no mundo
E que tudo vale a pena.

A Criança Eterna acompanha-me sempre.
A direcção do meu olhar é o seu dedo apontado.
O meu ouvido atento alegremente a todos os sons
São as cócegas que ele me faz, brincando, nas orelhas.

Damo-nos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro,
Mas vivemos juntos e dois
Com um acordo íntimo
Como a mão direita e a esquerda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta de casa,
Graves como convém a um deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo o universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens
E ele sorri porque tudo é incrível.
Ri dos reis e dos que não são reis,
E tem pena de ouvir falar das guerras,
E dos comércios, e dos navios
Que ficam fumo no ar dos altos mares.
Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade
Que uma flor tem ao florescer
E que anda com a luz do Sol
A variar os montes e os vales
E a fazer doer aos olhos dos muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o.
Levo-o ao colo para dentro de casa
E deito-o, despindo-o lentamente
E como seguindo um ritual muito limpo
E todo materno até ele estar nu.

Ele dorme dentro da minha alma
E às vezes acorda de noite
E brinca com os meus sonhos.
Vira uns de pernas para o ar,
Põe uns em cima dos outros
E bate palmas sozinho
Sorrindo para o meu sono.

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
Até que nasça qualquer dia
Que tu sabes qual é.

Esta é a história do meu Menino Jesus.
Por que razão que se perceba
Não há-de ser ela mais verdadeira
Que tudo quanto os filósofos pensam
E tudo quanto as religiões ensinam ?

Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)





2 comentários:

  1. SEJAM TODOS MUITO FELIZES NESSE LINDO NATAL BOM DIA!!!

    ResponderExcluir
  2. С РОЖДЕСТВОМ ВАС!!!!СЧАСТЬЯ И ЗДОРОВЬЯ,МИРА И ЛЮБВИ!!!!!

    ResponderExcluir