domingo, 20 de outubro de 2013

LUZES DO MUNDO - O BRILHO DAS CRIANÇAS



Nossas crianças têm muito a nos ensinar, algumas nos enviam mensagens, outras transformam o mundo com suas ações,  mas há por traz de seus olhinhos inocentes uma profunda sabedoria, que deveríamos escutar.

Algumas parecem ter vindo a este mundo apenas para cumprir uma missão: fazer com que os seres humanos reflitam profundamente sobre os rumos que estão dando ao futuro da humanidade. A passagem delas por este mundo, tem sido algo parecido como breve sopro de vida, mas as marcas deixadas por elas com certeza mudaram, em muito, o futuro da humanidade.

Apesar da pouca idade, muitas crianças ao redor do mundo tomaram iniciativas que melhoraram a vida da sociedade e em muitos casos permitiram que milhares de outras pessoas tivessem acesso a itens básicos, como água potável, comida e educação.

Anne Frank



Anne Frank era uma menina judia alemã, nascido na cidade de Frankfurt.  Ela ganhou fama internacional após a publicação póstuma de seu diário que documenta suas experiências quando se escondeu durante a ocupação alemã da Holanda na Segunda Guerra Mundial. 

Anne e sua família se mudaram para Amsterdã em 1933 depois que os nazistas ganharam poder na Alemanha, e foram presos pela ocupação dos Países Baixos, que começou em 1940. Como as perseguições contra a população judaica aumentou, a família se escondeu em julho de 1942 em cômodos escondidos na construção do escritório de seu pai Otto Frank . 

Depois de dois anos, o grupo foi traído e transportados para campos de concentração. Sete meses depois de sua prisão, Anne Frank morreu de tifo no campo de concentração Bergen-Belsen, no mesmo dia da morte de sua irmã, Margot Frank. Seu pai Otto, o único sobrevivente do grupo, voltou para Amsterdã após a guerra ao descobrir que o diário da filha tinha  sido salvo, e seus esforços levaram à sua publicação em 1947. 

Foi traduzido do holândes original e publicado em Inglês em 1952 como The Diary of a Young Girl. Anne Frank foi reconhecida pela qualidade de sua escrita, e se tornou uma das mais renomadas e discutidas vítimas do Holocausto.

Wolfgang Amadeus Mozart


Wolfgang Amadeus Mozart  foi um prolífico e influente compositor austríaco do período clássico.
Mozart mostrou uma habilidade musical prodigiosa desde sua infância. Já competente nos instrumentos de teclado e no violino, começou a compor aos cinco anos de idade, e passou a se apresentar para a realeza europeia, maravilhando a todos com seu talento precoce. 
Chegando à adolescência, foi contratado como músico da corte em Salzburgo, porém as limitações da vida musical na cidade o impeliram a buscar um novo cargo em outras cortes, mas sem sucesso. Ao visitar Viena em 1781 com seu patrão, desentendeu-se com ele e solicitou demissão, optando por ficar na capital, onde, ao longo do resto de sua vida, conquistou fama, porém pouca estabilidade financeira. 
Seus últimos anos viram surgir algumas de suas sinfonias, concertos e óperas mais conhecidos, além de seu Requiem. As circunstâncias de sua morte prematura deram origem a diversas lendas. 

Foi autor de mais de seiscentas obras, muitas delas referenciais na música sinfônica, concertante, operística, coral, pianística e camerística. Sua produção foi louvada por todos os críticos de sua época, embora muitos a considerassem excessivamente complexa e difícil, e estendeu sua influência sobre vários outros compositores ao longo de todo o século XIX e início do século XX. 
Hoje Mozart é visto pela crítica especializada como um dos maiores compositores do ocidente, conseguiu conquistar grande prestígio mesmo entre os leigos, e sua imagem se tornou um ícone popular.


Samantha Reed Smith



Samantha Reed Smith era uma estudante americana de Manchester, Maine, que se tornou famosa na época da Guerra Fria dos Estados Unidos e União Soviética. Em novembro de 1982, quando Smith tinha 10 anos, ela escreveu para o líder soviético Yuri Andropov, procurando entender por que as relações entre a União Soviética e os Estados Unidos eram tão tensas. O texto foi publicado em um jornal soviético, e após o envio de uma nova carta para o então embaixador soviético nos EUA, a jovem recebeu uma resposta de Andropov.

Samantha ficou feliz ao descobrir que sua carta havia sido publicada, no entanto, ela não tinha recebido uma resposta.  Ela então, enviou uma carta ao embaixador da União Soviética nos EUA perguntando se o Sr. Andropov pretendia dar uma resposta. 
Em 26 de abril de 1983, ela recebeu uma resposta de Andropov. 
Foi convidada pelo governo da URSS para uma viagem ao país, e se tornou conhecida nos dois países. A iniciativa da menina fez com que ela fosse considerada uma “embaixadora da boa vontade”, por questionar as relações entre as duas nações e tentar melhorá-las. A menina ficou conhecida como a “embaixadora mais jovem da América”, participando de atividades de paz no Japão.

Samantha chegou a escrever um livro e participar de uma série de TV. Ela morreu aos 13 anos, em 1985, em um acidente de avião. Os líderes dos EUA e da URSS, Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev, enviaram na época condolências à família de Samantha.

Hector Pieterson



Hector Pieterson  tornou-se a imagem principal do apartheid na África do Sul quando uma fotografia dele morrendo sendo carregado por um colega, foi publicado em todo o mundo. Ele foi morto com a idade de 12 anos quando a polícia abriu fogo contra estudantes que protestavam. 

Durante anos, o dia 16 de junho ficou como um símbolo da resistência à brutalidade do governo do apartheid. Hoje, é conhecido como Dia Nacional da Juventude - um dia em que a honra dos jovens sul-africanos chamaram a atenção para as suas necessidades. 

Desde junho de 1976, o sobrenome de Hector Pieterson foi escrito pela imprensa como Petersen. Mas a família insiste que a grafia correta é Pieterson. A família Pieterson era originalmente a família Pitso mas decidiram adotar o nome Pieterson para tentar passar como "coloured" (o nome dado na época do apartheid às pessoas de raça mista), porque as pessoas de pele um pouco mais clara gozavam de privilégios um pouco melhor do que os negros que estavam  sob o regime do apartheid . 

Em 16 de junho de 2002, o  Memorial e Museu Hector Pieterson foi aberto perto do lugar onde ele foi fotografado em Orlando West, Soweto para homenagear Heitor e os que morreram em todo o país  em 1976.

Iqbal Masih



O paquistanês Iqbal Masih tinha 4 anos quando foi vendido para uma fábrica de tapetes por sua família e forçado a trabalhar em um regime de escravidão, por mais de 12 horas por dia, sofrendo maus-tratos e privação de comida.  Devido as longas horas de trabalho duro e alimentação e cuidados insuficientes, Iqbal foi ficando fraco. 

Aos doze anos de idade, Iqbal era do tamanho de um menino de seis anos de idade. Na idade de 10 anos, ele escapou da escravidão brutal e mais tarde se juntou a uma Frente de Libertação de trabalho escravo do Paquistão para ajudar a acabar com o trabalho infantil em todo o mundo, ajudando mais de 3.000 crianças paquistanesas que estavam em trabalho forçado, a fugirem para a liberdade.  Iqbal deu palestras sobre o trabalho infantil em todo o mundo. 

Em 1994, Iqbal foi agraciado com o Prêmio de Direitos Humanos que reconhece o papel de jovens ativistas no mundo.  
Um ano depois, ele foi assassinado no domingo de Páscoa de 1995. Muitas pessoas dizem que ele foi assassinado por membros da "Máfia do tapete" por causa da publicidade que ele trouxe para a indústria do trabalho infantil.  
Iqbal se tornou um símbolo da luta contra o trabalho infantil.

Em 2000, ele recebeu postumamente o Prêmio das Crianças do Mundo, que reconhece os jovens cujas iniciativas tiveram um impacto na sociedade. O Departamento de Trabalho dos EUA criou um prêmio com o nome do jovem paquistanês que reconhece esforços na redução do trabalho infantil.


Craig Kielburger


Craig Kielburger nasceu em dezessete de dezembro de mil novecentos e oitenta e dois em Thornhill, Ontario, no Canadá. Aos doze anos de idade começou a se interessar pela crítica situação dos trabalhadores infantis em regime de escravidão e assumir a campanha de Iqbal Masih, um menino paquistanês que, por denunciar tal realidade fora assassinado. Reunindo seus amigos, Craig fundou a ‘Liberdade às crianças’, a maior organização não-governamental no mundo formada por crianças ajudando crianças. Para comprovar a realidade de suas conclusões viajou pela Ásia e viu a possibilidade de influenciar o primeiro ministro de seu país, Jean Chrétien. Chrétien, que no momento encontrava-se participando de uma viagem para fomentar o comércio naquela região, recusou reunir-se com Craig. 

O menino, por sua vez, convocou a imprensa. Um tanto envergonhado, o primeiro ministro não só aceitou recebê-lo como também expressou publicamente seu compromisso de controlar a importação de mercadorias fabricadas com mão-de-obra infantil escrava. O pequeno defensor dos direitos das crianças reuniu assinaturas suficientes para pedir ao governo canadense que chamasse a atenção dos meios de comunicação nacional sobre este problema. 
Os meios de comunicação o fizeram justamente no momento em que a política exterior do Canadá estava dominada por interesses econômicos. Craig e seu grupo também pressionaram os governos brasileiro e italiano para endurecerem as leis contra a exploração sexual de crianças nos países em desenvolvimento. 

Atualmente, aos vinte e oito anos, licenciado em Estudos de Paz/Conflitos e em Psicologia/Políticas, este jovem pacifista continua encorajando as crianças a influenciarem aqueles que tomam decisões. Desse modo, podem contribuir para tornar o mundo um lugar melhor para todas as crianças.


Nkosi Johnson


Nkosi, nascido Xolani Nkosi, nasceu em um município do leste de Joanesburgo em 1989. Ele nunca conheceu seu pai. Nkosi era HIV positivo desde o nascimento, e foi legalmente adotado por Gail Johnson, um profisssional de Relações Públicas de Joanesburgo, quando sua própria mãe, debilitada pela doença, não era mais capaz de cuidar dele. 

O jovem Nkosi Johnson chamou a atenção do público pela primeira vez  em 1997, quando uma escola primária no subúrbio de Joanesburgo, Melville se recusou a aceitá-lo como um aluno por causa do seu HIV positivo. O incidente causou um furor no mais alto nível político da Constituição da África do Sul que proíbe a discriminação em razão do diagnóstico médico e mais tarde a escola voltou atrás em sua decisão. 

Nkosi foi o orador principal na 13 ª Conferência Internacional de Aids, onde ele incentivou as vítimas da Aids a se abrirem e desabafarem sobre a doença e buscar a igualdade de tratamento. Nkosi terminou seu discurso com as palavras:  "Precisamos nos cuidar e nos aceitarmos - somos todos seres humanos. Somos normais. Temos mãos. Temos os pés. Podemos caminhar, podemos falar, temos necessidades como todo mundo - não tenham medo de nós - somos todos iguais "!

Nelson Mandela referiu-se a Nkosi como um "ícone da luta pela vida"  porque no momento de sua morte ele era o mais antigo sobrevivente das três crianças HIV-positivas nascidas na mesma época em que ele nasceu.


Juntamente com sua mãe adotiva, Nkosi fundou um abrigo ( Nkosis Haven) para mães HIV positivo e seus filhos, em Joanesburgo. Em novembro de 2005, Gail representou Nkosi quando ele postumamente recebeu o Prêmio Internacional da Criança das mãos de Mikhail Gorbachev. 

Nkosi Haven recebeu o prêmio em dinheiro de US $ 100.000 da Fundação KidsRights, bem como uma estatueta que foi nomeada em honra a Nkosi Johnson. A vida de Nkosi  é o tema do livro We Are All the Same de Jim Wooten.

Om Prakash Gurjar


Na idade de cinco anos, ele foi tirado de seus pais e por três anos trabalhou no campo. Depois que ele foi resgatado por ativistas iniciou-se uma campanha para a educação gratuita em sua cidade nativa. Em seguida, ele ajudou a criar uma rede que é conhecida como "aldeias para crianças". Um lugar onde os direitos das crianças sejam respeitados e o trabalho infantil não é permitido. 

Ele também criou uma rede que visa dar a todas as crianças uma certidão de nascimento como uma forma de ajudá-los e protegê-los da exploração. Ele diz que tal registro é o primeiro passo para a consagração dos direitos da criança, comprovando sua idade, e ajudando a protegê-los da escravidão, tráfico, casamento forçado ou servindo como crianças-soldados. 

Ele foi agraciado com o Prêmio da Paz Internacional da Criança pelo ex-Presidente Sul Africano FW de Klerk, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1993.

Thandiwe Chama


Aos 16 anos uma garota da Zâmbia, Thandiwe Chama do município Lusaka ganhou o Prêmio Internacional da Criança 2007,  batendo 28 outros candidatos de todo o mundo. O Prêmio consistia em uma estatueta - "o Nkosi" - e 100.000 euros, que foram  atribuídos a um projecto de ajuda direta aos esforços dos jovens vencedores. 

Em 1999, quando tinha apenas oito anos de idade, sua escola foi fechada porque não havia professores. Thandiwe se recusou a aceitar esta situação e levou 60 outras crianças na caminhada para encontrar outra escola. Como resultado, todas as crianças foram levadas para a Escola Cecup Jack. Fortalecida por essa conquista, Thandiwe vem lutando desde então para o direito à educação para todas as crianças.

Ela continuou a impressionar, por exemplo, falando na igreja sobre crianças e Aids - uma questão nem sempre facilmente discutidas nas igrejas. Com um amigo, ela escreveu e ilustrou um livro chamado "As Crianças com AIDS", contando as crianças sobre os perigos da AIDS. 
"Na escola eu aprendi sobre direitos. E eu sabia que isso era algo que eu queria lutar.  Porque se as crianças têm a oportunidade, elas com certeza podem contribuir para tornar este mundo um lugar melhor"-. Thandiwe Chama 

Alexandra ‘Alex’ Scott




Alexandra ‘Alex’ Scott diagnosticada com neuroblastoma, um tipo de câncer infantil, antes de completar um ano de idade.
Com quatro anos, ela informou à mãe que iria fazer uma vendinha de limonada para arrecadar dinheiro para crianças como ela. 
Na sua primeira venda, ela arrecadou dois mil dólares e com esse dinheiro criou a Fundação da Vendinha de Limonada da Alex, levantando mais de US $ 1 milhão para pesquisas sobre o câncer. 

Alex faleceu com oito anos, mas sua fundação continua ativa organizando anualmente mais de duas mil vendinhas e mobilizando mais de 10 mil voluntários.


Dylan Mahalingam


Natural de New Hampshire, nos Estados Unidos, Dylan Mahalingam fundou aos 9 anos a Lil’ MDGs, uma organização sem fins lucrativos que visa desenvolver e dar poder aos jovens. 
O objetivo da fundação é utilizar o poder das mídias sociais para incentivar os jovens a se envolverem na luta para alcançar os Objetivos do Milênio das Nações Unidas. 

Mais de 3 milhões de crianças já foram mobilizadas ao redor do mundo, trabalhando em diversos assuntos, com mais de 24 mil voluntários regulares em 41 países.
Dylan tem atualmente 16 anos e já organizou diversas campanhas para ajudar a diminuir a pobreza no mundo. Ele é um dos jovens palestrantes das Nações Unidas, e já recebeu diversos prêmios e reconhecimentos ao redor do mundo.

Gregory Smith



Nascido em 1990, Gregory Smith  já sabia ler aos dois anos de idade e tinha se matriculado na universidade aos 10. Mas, "gênio" é apenas uma metade da história de Greg Smith. Quando não estava estudando, ele viajava pelo mundo com ativistas buscando os direitos das crianças.

Greg Smith seria um garoto como outro qualquer, não fosse autor de raras façanhas: recebeu, aos 13 anos de idade, o diploma de graduação em Matemática no Randolp-Marcon College, escola de ensino superior em Ashland, na Virginia.

Ele é o fundador da International Youth Advocates, uma organização dedicada à defesa de jovens carentes, que promove passeatas pela paz e compreensão entre os jovens de todo o mundo; já esteve com Bill Clinton, Michail Gorbachev e a rainha Noor, da Jordânia, discutindo o futuro da humanidade.

Por esses e outros esforços humanitários foi indicado 4 vezes ao prêmio nobel da paz, ganhando uma aos 12 anos de idade.


Katie Stagliano


Em 2008, Katie Stagliano, então com 9 anos, levou para casa sementes de repolho que ganhou de um programa  na escola. Ela as plantou no quintal e cuidou da planta, que cresceu até alcançar 18 quilos. A menina doou o repolho gigante para uma instituição de caridade que preparava refeições para pessoas carentes, e conseguiu alimentar mais de 270 pessoas com o vegetal.

Katie ficou impressionada com a experiência, e percebeu que muitas outras pessoas poderiam ser beneficiadas pela doação de alimentos frescos. Katie decidiu então criar hortas cujos produtos eram doados para aqueles com necessidades.

Atualmente, a fundação que leva seu nome coordena 60 hortas mantidas por outros jovens em diversas partes dos Estados Unidos, e já doou toneladas de alimentos. A menina tem atualmente 14 anos e vive na Carolina do Sul, nos Estados Unidos.

Louis Braille


O francês Louis Braille tinha 3 anos quando sofreu um acidente na oficina de seu pai e furou um de seus olhos. Ele sofreu durante semanas com infecções, que se espalharam para o outro olho. Aos 5 anos, o menino estava completamente cego.

A dedicação de seus pais fez com que ele conseguisse estudar e desenvolver duas habilidades. Aos 10 anos, ele foi enviado a um instituto para jovens cegos em Paris, onde continuou estudando.

Aos 12 anos, ele conheceu um sistema de escrita para leitura no escuro desenvolvido por um capitão da Marinha francesa. Braille se interessou e decidiu aprimorá-lo – o sistema era rudimentar e não oferecia pontuação ou permitia a identificação da maneira correta de escrita das palavras - era baseado nos sons que cada uma delas representava.

O jovem trabalhou por três anos no sistema, utilizando todo seu tempo livre. Em 1824, quando tinha 15 anos, ele apresentou o sistema a seu mentor no instituto, que encorajou os outros alunos a utilizá-lo.
O sistema, hoje conhecido como Braile, tornou a vida e os estudos dos estudantes cegos muito mais fáceis e possibilitou seu acesso a uma gama muito maior de informação. Aos 19 anos, Louis Braille se tornou professor do instituto, onde permaneceu trabalhando até morrer, em 1843. Após sua morte, o sistema se espalhou pelo mundo.


Malala Yousafzai




A paquistanesa Malala Yousafzai, atualmente com 16 anos, foi baleada na cabeça em outubro de 2012 em um atentado promovido pelos militantes islamitas do talibãs. O grupo extremista quis matá-la devido à sua campanha pela educação das meninas no Paquistão. Malala foi baleada quando seguia para a escola em um ônibus.

Desde os 11 anos a jovem já era conhecida por seus esforços – ela escrevia sob um pseudônimo, um blog para a BBC falando por sua paixão pelos estudos e sobre a pressão dos talibãs no Paquistão, contrários à educação das mulheres.

Após o atentado, jovem foi transferida para o Reino Unido, onde recebeu tratamento médico e passou a morar. O ataque chamou a atenção do mundo para a campanha de Malala a favor de mais oportunidades de estudo para as mulheres.

Desde que se recuperou, Malala usou a atenção recebida após o ataque para continuar promovendo a educação das meninas pelo mundo. Em seu primeiro discurso público após o ataque,  nas Nações Unidas, ela disse que não será silenciada por ameaças terroristas.

Malala foi agraciada em agosto de 2013 com o Prêmio Internacional da Paz da Infância.


Ryan Hreljac



Ryan Hreljac tinha 6 anos quando descobriu na escola que muitas crianças na África não tinham acesso a água e precisavam andar quilômetros todos os dias para obtê-la, correndo o risco de  morrer se ficassem sem água potável por muito tempo. O menino canadense decidiu então que precisava construir um poço para uma vila local.

O ano era 1998. Com a ajuda de familiares, vizinhos e amigos encorajados por ele, Ryan conseguiu juntar parte do dinheiro necessário para construir um poço, e doou a quantia para uma ONG que fazia o trabalho na África.

O primeiro poço financiado pelo trabalho do canadense foi aberto em 1999 em uma escola de Uganda. No mesmo ano, foi criada a Fundação Poço de Ryan, que passou a trabalhar pelo acesso a água potável no mundo.

Desde então, mais de 800 projetos foram construídos e quase 800 mil pessoas foram beneficiadas pela fundação. Atualmente, aos 22 anos, Ryan continua trabalhando na arrecadação de fundos e viajando o mundo para angariar mais apoio para seu trabalho.


Akrit Jaswal


Akrit Jaswal nasceu em 23/04/1993,numa família pobre Rajput na Índia. 
Desde a sua infância, Akrit demonstrou habilidades incomuns: começou a falar no 10° mês de idade; aos 2 anos de idade começou a escrever e a ler, apenas olhando as páginas dos livros; começou a ler avidamente tudo o que chegava as suas mãos; aos 5 anos começou a ler livros de poesia e peças de Shakespeare; depois desenvolveu uma paixão precoce por livros de Medicina, Anatomia e Cirurgia.

Aos 7 anos de idade tornou-se o cirurgião mais jovem do mundo, quando a família de uma menina da sua aldeia solicitou a sua ajuda para realizar uma cirurgia. A Menina havia sofrido um acidente e queimado os dedos, que acabaram colando uns nos outros; Akrit apiedou-se da menina e realizou uma Cirurgia extremamente bem-sucedida, que foi filmada e surpreendeu os médicos de todo o Mundo.


Foi convidado pelo Governo Hindu para estudar na PUNJAB UNIVERSITY aos 11 anos de idade, em 2004.

Akrit logo demonstrou outros poderes, como o Dom de Curar as pessoas apenas colocando as mãos sobre os seus ferimentos, que ele diagnostica instantaneamente as causas, graças à sua Memória Fotográfica que identifica os sintomas psicobiofísicos de qualquer enfermidade, apenas olhando de relance os pacientes. 

Hoje, ele é estudante da UNIVERSIDADE DE HARVARD nos EUA onde está no 2º ano de um curso de Bacharelado em Zoologia e Botânica ; ao mesmo tempo continua com seus estudos autodidáticos sobre Medicina e outras áreas da Saúde.

O Sonho de AKRIT é encontrar a Cura definitiva para o Câncer e a AIDS, pois ele declara em suas palestras que já possui milhares de idéias extremamente criativas para a renovação completa da Medicina atual e para o Tratamento do Câncer.

Severn Suzuki 


Entre políticos, governantes, jornalistas e ambientalistas do mundo todo que se reuniram na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro há mais de 20 anos, e que ficou conhecida como a Rio-92, uma garota de 12 anos (Severn Suzuki ) surgiu na bancada e fez um discurso que calou 108 chefes de estado, entre eles George Bush (EUA), François Mitterrand (França), Helmut Kohl (Alemanha) e Fidel Castro (Cuba), e que se tornou uma das mais emblemáticas defesas pela sustentabilidade e por um mundo mais justo e igualitário.
Seu discurso, de 6 minutos, emocionou a plateia e foi visto por milhões de pessoas em todo o mundo. Mesmo hoje, duas décadas depois, sua fala continua a repercutir: 


"Estou aqui para falar em nome das gerações que estão por vir. Estou aqui para defender as crianças que passam fome pelo mundo e cujos apelos não são ouvidos. Estou aqui para falar em nome das incontáveis espécies de animais que estão morrendo em todo o planeta, porque já não têm mais aonde ir. Não podemos mais permanecer ignorados", disse Severn Suzuki.



Abaixo um vídeo francês, em homenagem à essas pequenas luzes, que continuam a iluminar nosso mundo!






Somos tão simples como o sol, tão raros , e naturais como as palmeiras centenárias, e não há mistério. Tudo é uma dança. Somos a poesia e o prazer.

Prazer em te conhecer !!

Este mundo é um abricó ,você vai descobrir ! Tudo é o que é, nada mais que a luz, pronta pra brilhar. 

Brilhará Brilhará Brilhará 

Tudo precisa cor e os nossos olhos são os pintores, e os teus olhos que te guardem, e que seja massa, mas que seja clara a tua maneira de pintar !

Prazer em te conhecer !!

Este mundo é o luar, você vai descobrir tudo é o que é, nada mais que a luz pronta pra brilhar 

Brilhará Brilhará Brilhará


Um comentário:

  1. Gratidão por presentear a todos nós com esta pesquisa contendo informações tão valiosas. Crianças e jovens como pequenos pontos de luz a iluminar vidas e continentes..."Brilhará, brilhará, brilhará..."

    ResponderExcluir