terça-feira, 6 de agosto de 2013

AS QUATRO NOBRES VERDADES DO BUDISMO


O Budismo é uma filosofia de caráter essencialmente psicológico, uma maneira de viver, tendo em vista a Correta Compreensão, isto é, o reconhecimento da existência do sofrimento, a verdade da causa do sofrimento, "o eterno auge da felicidade" - Nirvana - e o verdadeiro Caminho que leva à cessação do sofrimento, conhecido como NOBRE CAMINHO ÓCTUPLO - Caminho da Correta Compreensão, Caminho do Meio.

Ao atingir a Iluminação, Buddha conheceu a Verdade e soube que a condição humana é Suprema em si mesma. Para Ele, o Homem é o seu próprio Mestre e cada um é responsável por sua felicidade ou infelicidade.

Buddha ensina que o Ser Humano pode superar o ciclo das causas e efeitos, “quebrando o círculo”, libertando-se enquanto Expande a Consciência e chega à iluminação!

As Quatro Nobres Verdades é a mensagem essencial de Buddha, e permeia todos os seus Ensinamentos.

AS QUATRO NOBRES VERDADES

A primeira Nobre Verdade: diz que todas as experiências condicionadas são insatisfatórias. Ou seja, tudo que tem um início, tem um fim, e tendo um fim, não é, num sentido definitivo, satisfatório. Uma boa experiência nunca dura para sempre, e nunca estamos seguros de que uma experiência ruim não venha a surgir.
Buddha ensina que interromper o livre fluxo do Universo coloca o Ser Humano em dor e sofrimento, levando-o a apegar-se a situações e a estados – internos e/ou externos, desejando ou acreditando que os mesmos devem “durar para sempre”.


A segunda Nobre Verdade: diz que a insatisfatoriedade surge principalmente de não reconhecermos as experiências condicionadas como verdadeiramente são, isto é, de gerarmos uma falsa expectativa quanto a elas, de nos associarmos a elas de uma forma errônea, tentando conseguir nelas o que elas nunca vão nos dar. Assim, as perseguimos incansavelmente, na esperança de que a próxima seja uma solução definitiva. Porém, a causa disso é essencialmente não as vermos como verdadeiramente são.

Algumas vezes a primeira e a segunda nobres verdades são traduzidas como “o mundo é sofrimento” e “a causa do sofrimento é o desejo”, mas o ponto principal é entender que o problema existe (nossa insatisfação), e que ele tendo uma causa, pode ser dissolvido. Então são a verdade de que há uma tensão, há uma complicação, que precisa ser reconhecida, mas que também é preciso reconhecer que esse problema não é natural, e sim possui uma causa.
Assim, o Ser Humano foge do momento presente e, através do desejo de estar sempre em outro lugar, vivendo outra situação, gera para si mesmo uma grande frustração, acompanhada de dores e sofrimentos em diversos níveis.

A causa do sofrimento é, então, o desejo de permanência, um desejo totalmente fora de sintonia com as Leis naturais do Universo.

O momento presente é o único que liberta o Ser Humano destes desejos infrutíferos e traz o equilíbrio perfeito, através da sintonia com o movimento natural do Universo (Tao).


Eliminando a causa, temos a terceira Nobre Verdade. Isto é, ao parar de atribuir às experiências condicionadas o poder de nos dar felicidade, reconhecemos a verdadeira natureza das coisas e de nós mesmos como inerentemente satisfatórias, num sentido que está além do que se poderia chamar de “felicidade condicionada”, isto é, que depende de condições externas ou internas para começar — e que portanto, um dia termina. 
A terceira Nobre Verdade nos revela o cessar da atribuição errônea de expectativas, e o repousar na perfeição do que já é, exatamente como se apresenta, sem artificialidade.
Buddha ensinava que o Ser Humano que está “no momento”, não sofre, pois está livre para seguir, sem estar preso no ‘eu quero’ ou ‘eu não quero’.

E assim, a Ordem Divina se estabelece minuto a minuto, através da soltura no movimento e da abertura para a sincronicidade (geradora de milagres).

Ao cessar os desejos infrutíferos, o Ser Humano se liberta das rodas da matéria, e sua consciência se expande, posicionando-o no Comando de sua existência.


A quarta Nobre Verdade: então nos dá um método para alcançarmos este estado, o que é chamado de Nobre Caminho Óctuplo, ou, podemos dizer, todos os métodos que o Buda ensinou são a quarta Nobre Verdade, que nos dá uma miríade de métodos de produzir o entendimento e aplicação das três outras Verdades como um modo de atingir a liberdade última perante nosso hábito de procurar a felicidade no lugar errado.

Neste “Caminho do Meio” está contido um dos maiores Ensinamentos de Buddha: “O Nobre Caminho Óctuplo”.



O Caminho Óctuplo:

1. Atenção plena  à Visão (compreensão)

2. Atenção plena à Emoção (intenção)

3. Atenção plena ao Discurso (palavra)

4. Atenção plena à Ação

5. Atenção plena ao Modo de Vida

6. Atenção plena ao Esforço (disciplina)

7. Atenção plena aos Pensamentos (mente)

8. Atenção plena à Contemplação (Samadhi – meditação)


Nenhum comentário:

Postar um comentário