segunda-feira, 13 de maio de 2013

Proporção Áurea e Sequência de Fibonacci



Proporção Áurea e Sequência de Fibonacci

Por volta de 1200 d. C. um homem chamado Leonardo Pisano, também conhecido por Fibonacci, descobriu uma sequência de números que criou um padrão muito interessante, essa sequência começa com os números 0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34… e segue em uma continuidade infinita. Cada número é obtido somando os dois últimos dígitos dessa sequência. Um retângulo com dois números dessa sequência interligados forma aquilo que é conhecido como o Retângulo de Ouro – um retângulo perfeito.




Uma serie de números que tem uma característica especial de regressão, foi exposta no ano de 1202, no livro denominado Líber Abacci (o livro do ábaco), nele consta também assuntos relacionados com a Aritmética e Álgebra da época, introduzidos por Leonardo de Pisa (1175 – 1250), que foi posteriormente identificado como Leonardo Fibonacci (filho de Guiliermo Bonacci) e mais recentemente identificado em suas obras apenas pela palavra Fibonacci. 

Posteriormente estes números em série ficaram conhecidos como Sequência de Fibonacci e deles foram extraídos conclusões até então não imagináveis.

Em todo o Universo está presente “a marca” ou a presença de Deus responsável pelo fenômeno simétrico da natureza. 
Ela é constatada através da Proporção Áurea proveniente da Sequência de Fibonacci, que se mostra presente como “o sinal divino” em toda a natureza. 



Portanto, nas flores, árvores, ondas, conchas, furacões, no do rosto simétrico do ser humano, em suas articulações, seus batimentos cardíacos e em seu DNA. 

A mesma sequencia também pode ser encontrada na refração da luz proporcionada pelos elétrons dos átomos, nas ondas de propagação e até mesmo nas galáxias do Universo imensurável. 









A relação da Série de Fibonacci e o Numero de Ouro em sequência numérica e geométrica, parece de modo significativo ser “a marca” de um “Designer” – a “impressão digital” de sua Criação.









A proporção áurea, número de ouro, número áureo ou proporção de ouro é uma constante real algébrica irracional denotada pela letra grega φ (PHI) (em homenagem ao escultor Phideas, que a teria utilizado para conceber o Parthenon) e com o valor arredondado a três casas decimais de 1,618. 
Desde a Antiguidade, a proporção áurea é empregada na arte, onde utilizam essa proporção para obter harmonia e beleza em suas obras. É frequente a sua utilização em pinturas renascentistas, como as do mestre Giotto. 

Este número está envolvido com a natureza do crescimento. Phi (não confundir com o número Pi π), como é chamado o número de ouro, pode ser encontrado na proporção das conchas (o nautilus, por exemplo), dos seres humanos (o tamanho das falanges, ossos dos dedos, por exemplo) e nas colmeias,  entre inúmeros outros exemplos que envolvem a ordem do crescimento.

PHI, recebeu esse nome em homenagem à Phideas, escultor grego que o utilizava constantemente em suas obras. Este resultado é encarado como expressão do belo (o ideal da beleza), pelo equilíbrio de suas proporções.

A Proporção Áurea é também chamada de Secção Áurea, Razão Áurea, Razão de Ouro, Divina Proporção, Proporção em Extrema Razão e Divisão de Extrema Razão.

Justamente por estar envolvido no crescimento, este número se torna tão frequente. E justamente por haver essa frequência, o número de ouro ganhou um status de "quase mágico", sendo alvo de pesquisadores, artistas e escritores. Apesar desse status, o número de ouro é apenas o que é devido aos contextos em que está inserido: está envolvido em crescimentos biológicos, por exemplo. O fato de ser encontrado através de desenvolvimento matemático é que o torna fascinante.




Esta “marca” vista na proporção áurea é proveniente da Serie ou Freqüência de Fibonacci. Nesta sucessão matemática cada numero é obtido somando os dois últimos dígitos, ou seja, 1, 1 (1+1) 2, (2+1) 3, (3+2) 5, (5+3) 8, (8+5) 13, (13+8) 21 … continuando em uma sequência infinita.





O divino expressa-se através de Leis da Matemática Universal, ao construir com  elas o Universo (físico) em sua harmônica e proporcional geometria.

A Verdade é uma, tanto para o mundo das medidas nanométricas quanto para o mundo das medidas astronômicas e, além deles. O ser humano é que muitas vezes não se percebe como uma unidade escondida nas múltiplas facetas de uma mesma coisa.

Fonte: http://pegasus.portal.nom.br/



2 comentários:

  1. Tenho apreciado muito essa linha de postagem de vocês. Faz o blog mais interessante, fugindo do lugar comum.
    A Teoria das cordas, a geometria sagrada, o principio de unidade e todos os outros artigos esclarecedores, instiga nossa imaginação e relembra quem realmente somos.
    Senti falta do Fórum, o que houve?

    ResponderExcluir