sexta-feira, 8 de março de 2013

Tempo de Estar e Tempo de Ser - por Artur da Távola


TEMPO DE ESTAR E TEMPO DE SER 

- Por Artur da Távola





"Eu creio que você vai me entender: a gente nem sempre é a posição em que está.
Falei claro?
A gente foi a posição em que está. Ao assumi-la a gente já mudou. A posição em que a gente está é condicionada por causas temporais e passageiras.
Por justa, linda e generosa que seja, a posição em que se está é sempre muito menos do que a gente é. A gente é um composto que inclui, entre tantas outras coisas, a posição em que se está.
Estar é parar.
Ser é avançar.
Você crê numa coisa. Toma posição ao lado dela. Faz muito bem! Mas não englobe nem comprometa todo o seu ser, pois você é muito mais rico e complexo do que a posição na qual julga ter encontrado resposta para todos os seus problemas naquele instante.
Você é, inclusive, a negação da posição em que está. Ela e a negação dela compõem o que você é.
Mas, a posição em que você está precisa negar tudo o que não esteja de acordo com ela. 
Principalmente o ser, pois o ser é sempre mais livre. 
Já, estar é mais cômodo. Porque estático.
Estático é a condição do que está.
Quanto menos confiança na posição em que você está, mais acirrado em sua defesa você será. 
Quanto mais você perceba que é muito mais do que a posição em que está, mais ameaçado por ela ficará.
Se está complicado, perdão.
Se está complexo, ainda bem!
Cada vez que você deixar de ser para estar, você está abrindo mão de partes suas importantes e valorosas, trocando-as por coerências aparentes, por lógicas que a nada levam.
O estar é uma categoria do ser.
É possível ser sem estar.
Porque ser é abrangente, é total.
Não é possível, porém, estar sem ser.
O máximo que é permitido ao estar é coincidir, por vezes, com o ser.
O ser pertence ao cosmos.
O estar pertence ao momento.
O ser é necessário.
O estar é contingente.
A posição em que você está é a expressão momentânea dos seus humores, das suas necessidades e das influências que você sofreu. Passará e mudará na medida em que elas mudarem.
O que você É pertence a uma ordem diversa de valores, feita dos mistérios ou verdades de sua vida; das suas partes desconhecidas; das revelações; das partes sabidas; das suas relações com o amplo, o total, o uno, o completo.

No mundo das aparências ser é menos sedutor do que estar.
Estar é viver cercado de acólitos, seguidores, justificadores, beneficiários, companheiros.
Ser é solitário.
Eu venho do tempo dos que estão.
Dos que desistiram de ser para estar.
Todos com o melhor dos propósitos e as mais elevadas teorias de solidariedade humana, mas Muitos Estando e Poucos Sendo.
O tempo de quem desistiu de ser para estar gerou guerras, destruições, deixando como herança, apenas e tão somente, uma profunda vontade de Ser: porque a gente é sempre mais do que a posição em que se está.
Eu mudo sempre.
Por isso sou alguém que já não fui.
Alguém que pretende estar apenas e até onde conseguir ser.
Pouco.
Mas todo."

Fonte: http://mara-mariangela.blogspot.com.br/

2 comentários:

  1. Sem palavras...

    Obrigado.

    Beijinhos a todos

    Pury

    ResponderExcluir
  2. Lindo!!
    É bem assim...e saber "apreender" que não estamos reduzidos a certos aspectos de nós mesmos é muito importante!!Somos mais que uma parte, Somos o Todo.
    Estamos na última versão de nós mesmos...renovados..em constante mudança. Mas SOMOS O TODO COMPLETO, COMPLEXO, INTEIRO,IMUTÁVEL e muitas vezes, ainda, incompreensível para as pequenas partes, os pequenos eus, as pequenas personas que se restrigem a estar e não a SER!
    Beijokas....

    ResponderExcluir