domingo, 3 de março de 2013

PAREDES - Por Beta Maia

PAREDES - Por Beta Maia



As paredes do meu quarto não são suficientemente fortes para impedir a explosão de dor de meu coração.
Meus sentimentos vazam pela janela, atravessam o oceano e se perdem naquela imensidão azul...
A lua devassa se nega a desfilar sua glória diante desse cenário.
Todos os sons foram silenciados e até o sol desistiu de exibir suas cores em face da escuridão a sua frente.
Calaram-se os cães, fugiram os pássaros, encolheram-se as flores e a madrugada teima em não chegar.
Apaguem as luzes, cessem as melodias, não ousem sorrir, aqui jaz a humanidade!
As paredes do meu quarto não são suficientemente fortes para conter minha dor!
Choro o desamor,
Choro as pessoas adormecidas e mudas,
Choro o ócio e a submissão.
Choro a falta de paz,
de decência,
de escrúpulo!
As paredes do meu quarto não são suficientemente fortes para conter minha indignação!
E nem um oceano de larvas pode lavar, purificar, as verdades encobertas por um topor quase universal.
Tudo já foi iluminado! Podemos enxergar cada nuance do que estava escondido, do que nos foi negado.
Podemos vivenciar cada atrocidade, cada gemido, cada clamor por paz e liberdade...
Já sabemos de tudo! Tudo já foi dito, provado e comprovado, e eles insistem em não ver, insistem em negar o que está evidente.
As paredes do meu quarto não são suficientemente fortes para conter minha revolta!
E no iniciar da alvorada, nenhuma esperança pode surgir com o novo dia, enquanto permanecermos inertes. Todas as lágrimas já foram derramadas, e todos os gritos, cantos e cânticos já foram entoados e todas as orações já foram sussurradas...
Não, as paredes do meu quarto não podem conter o meu grito!
Grito que se espalha por baixo da porta, atravessa paredes, mares e oceanos...
Se une a tantos outros gritos, jamais ouvidos, jamais entendidos...
Por favor, cessem a melodia,
Desliguem as luzes,
Apaguem as cores do mundo!!!!
Escondam seus confetes, sua alegria! Não há nada para comemorar!
Cessem só por um breve momento, sua vida frenética e apenas ouçam o silêncio...
O vazio de seus corações impregnados de deveres, afazeres e certezas...
E tenham certeza que por baixo de seu paletó, ou calça jeans
Atrás da tela da TV ou computador,
Sob o rock metal mais pesado ou nas melodias de Bach, gritam os oprimidos...
Choram os tolhidos e confinados....
E lutam, desesperadamente, os que já despertaram e ainda acreditam que a humanidade é possível.
Apesar do vil metal,
Apesar da escuridão a sua volta,
Apesar dos meus gritos e de minha dor...


As paredes do meu quarto não são suficientemente fortes para me conter!


4 comentários:

  1. Que coisa mais linda Beta ! é isso ai amiga , nada pode conter ou reter os nossos Corações , vamos deixar sair o que está dentro para fora , pois esta é a única e verdadeira forma de nos revelarmos a nós mesmos ,neste aqui e agora !!

    Grata Querida
    beijão

    ResponderExcluir
  2. Arrepiante,Beta!! Bão D+++++++
    Pura sensibilidade...E, quem de nós ainda não passou por estes momentos? Muita sintonia sua conseguir colocar em palavras estas vibrações tão profundas.
    Parabéns, Querida!
    Beijos no Coração.

    ResponderExcluir
  3. Sim pedaçinho de mim,

    As paredes do quarto não nos protegem da dor enquanto a escuridão domina. Quando se começa a ter noção da "realidade/mentira", a escuridão fica ainda mais espessa, porque desta vez não tem esperança, não tem história, não tem futuro....só depois...no culminar da escuridão, estranhamente começa a não fazer sentido...uma luz entra por baixo da porta do quarto para se confundir,mesclar com a luz que sai de mim/nós. Aí sim as paredes do quarto não suficicientes para me/nos conter-

    Obrigado pela partilha e, perdoe-me o meu partilhar.

    Beijinhos

    Pury

    ResponderExcluir
  4. Caiam todas as muralhas! Desmoronem todos os castelos de "nuvens", de "cartas", de "areia"!... Ruam todas as paredes! Quebrem-se todas as correntes!...
    Apesar da dôr, do horror, do clamor em gritos ou suprimido, sufocado, "amordaçado"... Além, muito além das "grades" e do confinamento:
    Quando todos os sorrisos cessarem - mantererei o meu riso.
    Quando todas as cores desbotarem - eu desenho um arco-íris.
    Quando todas as lágrimas secarem - um suspiro de alívio ecoará.
    Quando todas as orações não forem suficientes - entôo um mantra.
    Quando todas as melodias não mais forem ouvidas - acôlho o Silêncio.
    Quando a escuridão for tão espessa - atiço a Chama que me ilumina.
    Quando a desesperança tolher o "verde" - mantenho a Fé.
    Quando a guerra insistir em se mantêr - interiormente eu ressôo a Paz.
    Quando tudo me parecer em vão - Reposiciono-me a manter minha Promessa.

    Muito além de tudo o que "parece" me conter, agrilhoar, aprisionar, amordaçar, muito além das "grades", do "gargalo" e do "aquário" eu Sigo o "Grande Espírito" que Sopra em mim!
    Sigo!... Tocando em frente!... Sempre!
    No AMOR para Pulsar!
    Na PAZ para Sorrir!
    Na Chuva para Florir!... :)

    Obrigado BETA querida!
    Linda Partilha! Como um "Cordel" Com-partilho!
    Beijosss a Todos(as)!!! ((<3))
    Cecy.

    ResponderExcluir