sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

ABALANDO OS ALICERCES


Perdoar sempre foi uma das maiores dificuldades nos relacionamentos. 
Afinal, lidar com sentimentos de indignação, raiva e rancor é um verdadeiro desafio para qualquer um, seja homem ou mulher, criança ou idoso, pobre ou rico.

E o fato de muita gente não se abrir para perdoar de verdade só piora tudo.
Mário Velloso, advogado e autor do livro "O perdão que não vem" (7 Letras, 2008) lembra que não adianta perdoar só "da boca para fora" ou simplesmente agir como se tivesse perdoado o outro. "O perdão não se mede, não se detecta por um sorriso ou uma palavra, desvinculado da atitude interna de realmente entender o que foi feito. Você não precisa concordar ou aplaudir a ofensa, apenas conviver com a tal afronta de uma forma pacífica, sem revanchismo, sem mágoa", afirma.
Provavelmente, se algumas pessoas reconhecessem como perdoar faz bem, iriam se esforçar mais para isso. Não é à toa que sentimos um alívio danado quando liberamos o perdão para alguém; é a resolução de algo que ficou no ar. Nas palavras do autor, "você se livra de uma pendência que atormentava, abre caminho para seu progresso - seja material ou espiritual, e passa a ter uma consciência mais leve, mais fluída".
Além de proporcionar a sensação de paz, de alívio, perdoar pode até nos dar mais tempo livre para pensar nas coisas boas da vida, a família ou amigos. "Enquanto estamos num processo de embate, de confronto, de litígio aberto, vamos nos acostumando a preencher os intervalos das coisas palpáveis que fazemos (tomar banho, comer, trabalhar, dirigir) com pensamentos ruins e destrutivos, que não nos levam a lugar nenhum", observa Mário.
A chave para conseguir dar o passo para perdoar é não se importar com a reação de quem nos prejudicou. Afinal, essa pessoa pode nos ignorar, continuar nos ofendendo e até zombando de nossa atitude. Aí é a hora de pensarmos: será que isso faz alguma diferença? Em grande parte, não faz. Mesmo que o outro não aceite nosso perdão, poderemos desfrutar de uma vida mais leve e, de nossa parte, a situação estará resolvida.
"Ao perdoar, você mostra ao outro que está tomando uma atitude elevada, e o convida a trabalhar uma divergência num patamar superior. Um dia, quem sabe até pela reiteração do perdão, ele há de perceber que a solução conciliatória é vantajosa para todo mundo", acredita o advogado.
Mas então, se perdoar é bom para todos, por que temos tanta dificuldade para tomar essa decisão? Bom, nossa sociedade em geral não estimula tal ação. Pelo contrário, parece que voltamos aos tempos em que a lei era "olho por olho, dente por dente". Muitas vezes, quem perdoa algo grave, por exemplo, é tido como "bobo".
Quando somos ofendidos, sempre vem alguém e cobra um revide, uma vingança nossa. "Isso não ajuda ninguém, e acaba por deixar o perdão como uma forma de solução ‘de segunda linha’, o que é errado", fala o autor. Na verdade, ele deveria ser nossa primeira escolha.
Mário vê ainda o perdão como um processo, com várias fases: da indignação, por vezes da vergonha, passando à raiva, ao ódio mortal, ao desejo de vingança, entre outras. Não dá pra superar tudo isso do dia para a noite. Portanto, às vezes precisamos de um tempo para perdoar sinceramente.
No geral, pedimos perdão porque ficamos com um fardo imenso e pesado ao descobrir que erramos. As coisas pioram bastante se machucamos uma pessoa frágil, que não sabe lidar com isso, ou alguém que amamos.
Seja lá o que aconteça depois do perdão, "sem dúvida seu horizonte ficará mais otimista. Tem tudo para melhorar um relacionamento travado, e é um passo importantíssimo, próprio de quem está mostrando que quer caminhar, quer evoluir e deixar bons exemplos de vida", diz o advogado. Mas, não se iluda. "No campo de batalha, lidar com situações-limite é extremamente difícil, sofrido e penoso. E ali, na agonia do real, não há regra nem recomendação que prevaleça. Apenas, quem sabe, pensar um pouco mais no assunto contribua para encher uma esquecida gaveta do seu coração com uma munição do bem. Nunca se sabe quando precisaremos dela", completa.

FONTE: texto http://vilamulher.terra.com.br/perdoar-e-dificil-mas-faz-bem-11-1-69-261.html




IMAGENS: Scraps Muito Além
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário